] O vandalismo é nefasto para a sociedade. Pular para o conteúdo principal

O vandalismo é nefasto para a sociedade.

A história humana é estudada através dos patrimônios públicos e precisam ser conservados.

A imagem diz:patrimônio público x vandalismo.
Os homens desde a pré-história até os nossos dias, sempre deixaram suas marcas por onde passaram. E graças a estes vestígios, hoje compreendem-se melhor o caminhar dos homens nos percursos íngremes da história da humanidade.  Estes rastros são considerados verdadeiras relíquias, obras de artes e matéria primas singulares, objetos de investigações meticulosas para os historiadores, paleontólogos e sociólogos para que possam entenderem os primeiros passos do homem. 
Compreende-se, desde as cavernas até atingirem o mais alto grau de civilidade social. Sempre se enquadrarem aos padrões modernos e chegar ao ápice da aldeia digital sem limites de criatividades, em prol da praticidade e comodidade para o homem moderno; desfrutar do melhor da era da informação digital.
No entanto surge o grande paradoxo do homem ser social. Por isso que, alguns seres humanos que se dizem “civilizados” na atualidade, parecem que veem perdendo, a passos longos, esta noção de fineza em relação aos seus semelhantes e também a sua cidade e principalmente no que existe de bens comuns público onde habitam. Independentemente do tamanho da cidade se elas são pacatas ou metrópoles os sinais de ferocidades e vandalismos são bem visíveis, em relação a maioria dos bens públicos. 
Em qualquer parte, onde habitam alguns destes humanos que se autodenominam de “civilizados”, mas se comportam fora das boas regras de convivências sociais. Estes seres ditos “bem-educados”, provocam grandes transtornos idênticos aos maiores furacões já registrados pela meteorologia. Tamanho são os prejuízos financeiros, morais e psicológicos que eles causam para a sociedade.

Observem cuidadosamente as coisas que são públicas ou particulares e seu estado de conservação desde quando foram construídas e agora em que situação se encontram por um curto período de tempo. E, por onde se percorre, em qualquer parte da cidade se ver algum tipo de vandalismo aos bens públicos, sempre se depara com atos de destruições do patrimônio públicos.
Todos esses bens   são construídos para a comunidade municipal através do dinheiro dos impostos de todos os habitantes. É inegável quando alguém compra um simples cafezinho ou um bem durável, paga-se fortunas de impostos. 
A maioria desses impostos são destinados para a construção e revitalização do patrimônio público e assim todos possam usufruírem, com respeito e zelo. Ali está o dinheiro de toda a comunidade, aplicado em obras para o bem comum de todos os contribuintes. Por meio deste dinheiro dos impostos, é que os gestores públicos honestos, constroem o patrimônio público, logo são de todos os cidadãos e cidadãs e assim é imprescindível que todos precisam conservá-los.

Muitos patrimônios estão marcados com atos de vandalismos, as restaurações custam caro para a sociedade.

A imagem mostra ma escultura em homenagem a bicicleta. 
Não importa o tamanho e a finalidade dos patrimônios públicos que existem; mas infelizmente à maioria deles estão marcados profundamente; com o selo bestial (pichações, quebradeiras e etc) de certos humanos sem noção do bem comum.
Os pré-históricos construíram artes nas cavernas, as artes rupestres, hoje acontecem diariamente à destruição das artes pelos vândalos. Todos estes vivem em sociedade, mas agem com instinto destrutivo se sentido o herói de obterem prazeres em arrasarem quaisquer coisas públicas de múltiplas finalidades. 
Fazem estes atos execráveis, na calada da noite ou em plena luz do dia e conseguem estampar seus vestígios de destruições nos bens comuns.  A impressão que permanecem e deixam é que essas pessoas, não fazem parte da sociedade regida através de códigos, que determinam a boa convivência e civilidade social.  Todavia, vivem sim, mas desafiam a rasgarem os códigos que permitem uma convivência civilizada, e criam suas famigeradas regas antissociais, no intuito de causarem prejuízos a comunidade, satisfazendo suas birras egoístas; que são repulsivas a sociedade.

É imperativo aos leitores começarem a pensar e a questionarem, sobre o demérito dos atos desses humanos vândalos. Será que essas pessoas de mau caráter, agem de má fé, ou simplesmente agem por motivos desconhecidos, além da pura exibição de uma aventura nefasta; a coletividade social. Contudo, há várias hipóteses a serrem levantadas e discutidas.
Porém, é preciso fazer uma profunda reflexão sobre estes comportamentos destrutivos, de alguns seres humanos causadores de grandes prejuízos financeiros, morais e culturais a coletividade social. Através de quaisquer destruições, através dos atos de vandalismos aos múltiplos tipos de patrimônios públicos da sociedade. 
Será que os vândalos não têm consciência de que tudo o que eles destroem. eles mesmos juntos com a comunidade, são obrigados a pagarem para a execução das restaurações, dos patrimônios públicos violados.  Os custos dos consertos de quaisquer destruições são rateados entre os contribuintes, que pagam impostos embutidos em tudo o que se compram, e além das infinidades de outros tributos que pagam diretamente na fonte arrecadadora.

Não é o Prefeito, o Governador e nem o Presidente da República que irão pagar dos seus bolsos o preço do vandalismo. São todos os cidadãos e cidadãs, que arcam com preço dos destroços aos patrimônios públicos, praticados através desses seres humanos vândalos.  Até eles mesmos ao comprarem algum tipo de objetos e produtos que os ajudem a causarem as destruições dos bens públicos, estarão também pagando vários impostos inclusos, aos órgãos de arrecadação dos governos.
Ainda tem gente que pensa pequeno e se contentam quando alguma coisa pública foi destruída pelos vândalos e gritam alto e em bom tom bem feito, tem que ser assim!  Para estes, ou aqueles prefeitos, governadores ou presidente da nação. Porém, esses cidadãos desinformados nem imaginam que a reconstrução vai sair dos seus próprios bolsos. E não dos administradores públicos independente das siglas partidárias que estiver no poder no momento.

O patrimônio público não pertence a uma sigla partidária, mas são da população.

Portanto, está na hora de todos os habitantes pensarem grande, e adquirir a consciência de que o patrimônio público em geral, não pertencem a uma sigla partidária e muito menos a um gestor público, pertence sim, a todos os contribuintes. Então, todas as pessoas têm o dever de zelar, não estragar, não pichar, e nunca destruir absolutamente nada.
Ao contrário, ajudar a cuidar pela durabilidade do que é de todos. Sendo assim, poderá sobrar mais dinheiro para ser investido em outras prioridades sociais como educação, saúde, segurança, habitação, transportes e tantos outros programas sociais. Tudo através dos quais paga-se pesados impostos, mas encontra partida, pouco se recebe em retorno, via políticas públicas. Em razão da corrupção e também desses atos repudiáveis, de alguns cidadãos que consomem o dinheiro dos cofres governamentais, quando se destrói os patrimônios que pertencem a toda população.

A corrupção no Brasil também são atos de vandalismos nefastos.

A imagem diz: atenção a corrupção aniquila a nação.
Também nunca podem esquecerem dos grandes atos de vandalismos, praticados através dos gestores públicos, quando roubam o que não lhe pertencem. Atualmente virou praxe no Brasil, tudo o que é arrecadado, geralmente, alimentará a vala abjeta da corrupção. Essa prática abominável, dos maus administradores, também se constitui, um dos mais graves atos de vandalismos sociais. que está infiltrada em diversas redes de canais desconhecidos pelo cidadão comum. E continuam na impunidade dando o mau exemplo para toda a sociedade. Isso também é um tipo de vandalismo que destrói o patrimônio real e moral da sociedade. É fato, a corrupção é generalizada, entre a grande maioria dos políticos e gestores públicos e privados do Brasil.

O vandalismo está presente no meio público e particular em todos os campos de formas múltiplas. Produzidos por humanos geralmente desocupados ou grupos que fazem competições entre si para ganhar o troféu da banalidade contraproducente. Infelizmente tem-se que lamentar e protestar contra estes comportamentos antissociais. E quando houver a oportunidade denunciar as autoridades competentes para um futuro ressarcimento aos prejudicados, através da justiça. 
Um comportamento que as autoridades da psiquiatria, psicologia, sociologia, antropologia e da história; juntos terão um amplo material para estudarem e criarem formas de reeducarem estes humanos que carregam o instinto da destruição em seu ente, como objetivo único da vida. Só teremos uma sociedade igualitária, civilizada no momento em todos se sentirem parte desta sociedade. 
Nesta altura de consciência educacional e social, certamente todos se sentirão responsáveis por tudo e aprenderemos fazermos um bom uso sustentável e zelosamente por todo o patrimônio público que pertencente à comunidade.

Comentários

  1. Vivemos num mundo de vandalismo em todas as áreas .
    Excelente artigo

    ResponderExcluir
  2. Respostas
    1. Seja bem - vinda minha amiga ao blog analiseagora.
      Me sinto honrado em receber esse belíssimo e enaltecedor comentário de minha amiga. Grato pelo elogio! Volte sempre estarei de portas abertas para receber novos comentários em outras postagens.

      Excluir
  3. O Vandalismo é uma prática de antão. E é permeada, como o artigo acima , por inúmeros motivos: em casos de patologias mentais, o indivíduo sente suprema necessidade não somente de se auto-mutilar, como devastar tudo o que seja o coletivo, o nós. Há os casos de um prazer mórbido em demonstrar suas frustrações a partir da destruição do que é pertencente a um grupo, ou os que, como os egípcios antigos, riscavam das paredes os registros dos sucessores governantes e redesenhavam seus méritos. Há a intolerância ideológica, como a dos terroristas talibãs, que explodiram as estátuas do Buda no ano de 2001. E o vandalismo das elites políticas, que vandalizam nossos impostos em farras de guardanapos, enquanto a população é quem paga, com os mais altos tributos do mundo, esta imoralidade. Mas, o que é ser civilizado, uma questão a ser discutida. Povos nativos da América do Sul , se não fosse a desfaçatez dos colonizadores espanhóis ainda teriam seus registros históricos intactos. Poucos sobraram, como a beleza da cidade de Machu Picchu. E os ditos civilizados europeus, como os nazistas ou fascistas, destruíram , dilapidaram não somente monumentos com bombardeios incessantes, porém vandalizaram ainda mais, a moral dos que conquistavam. Tanto a ser discutido neste artigo maravilhoso. Seriam necessárias inúmeras elucubrações. Muito obrigada pelo excelente ponto de discussão a respeito de nossa cidadania , nossos direitos e nossos limites.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu comentário é muito importante para nosso trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Você já rotulou alguém de burro?

Atitude preconceituosa, feri o sentimento de outrem, é ruim para o convívio social.Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas tem uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

A quinta sinfonia de Beethoven.

Beethoven e a quinta sinfonia.Beethoven compôs suas obras musicais eruditas na liberdade quebrando velhos paradigmas. O grande gênio da música clássica erudita Ludwig van Beethoven alemão nascido na cidade de Bonn em 1770 e faleceu em 1827 aos 56 em Viena. Um dos grandes compositores do estilo musical erudito, onde no conjunto de sua obra impera a liberdade, ele escrevia suas composições, suas obras quebrando velhos paradigmas da música clássica abrindo novos horizontes para a música erudita.