Pular para o conteúdo principal

Comprar através dos impulsos emocionais, são grandes erros dos consumidores.

Comprar através de impulso é uma característica marcante da sociedade contemporânea.

A imagem diz planejar para comprar bem e não no impulso emocional.
Estes são um dos grandes erros e riscos da sociedade consumista é comprar via impulso emocional, sem pensar nas consequências futuras.  Quem faz isso geralmente em seguida vem junto um terrível arrependimento dos objetos adquiridos que pareciam ser dos sonhos e desejos. Isto ocorre por quer ao sair das lojas, estes sonhos de consumir desmedida, perdem o sentido, ficam sem graça e começa uma espécie de pesadelo e inicia um cansaço que poderão levar as consequências imprevisíveis para quitar as contas. Não demoram muito tempo para encontrar outra maneira de voltar às lojas e realizar novas compras gerando uma espécie de ‘bola de neve’ para comprar insaciavelmente.
Nesta situação muitos consumidores entram em ciclos intermináveis de dívidas não planejadas e consequentemente, trazem muitos sofrimentos para honrar os muitos débitos assumidos, gerando grandes problemas envolvendo familiares e amigos. Neste estágio de sofrimento várias pessoas já se tornaram compradores compulsivos e nem percebem e nem aceitam serem chamados de compulsivos, e muito menos aceitam um tratamento com especialistas desta área.

Na era digital onde a maioria da população recebe, avalanchas de anúncios tentadores, são instigados ao consumo sem limites.

A imagem diz: o homem moderno está cansado.
Hoje em dia, em plena era digital muitas pessoas vivem cansadas por que uma imensa maioria da humanidade, vive plugada na internet e além de outros meios de comunicações. Nesta modernidade vem recheada de anúncios apeladores para incentivar a pessoas a comprar e comprar, sem poder depois pagarem os seus débitos dos cartões de créditos. E os mesmos incentivam diretamente ao consumo desenfreado, sem o mínimo de cuidados, planejamentos do bom uso do dinheiro. Muitos que não possuem o autocontrole compram, o que não precisam, e principalmente tudo o que não pode por que, não tem condições financeiras para cumprirem as dívidas nos estabelecimentos comerciais de todas as áreas de consumo. Aí que mora o grande perigo do endividamento sem fim. 

O consumismo é uma das caraterísticas marcantes da sociedade contemporânea, comprar pela emoção. Os fabricantes produzem todos os dias, produtos de última geração, mas na realidade, nunca será de última geração, até se assim fosse, os próprios produtores de quaisquer produtos de todas as áreas se tornariam obsoletas, em poucos meses, e chegariam à falência, pois a concorrência é muito grande entre os conglomerados de empresas, as quais fabricam de tudo para todos os gostos e bolsos. E teria outros desdobramentos negativos para a economia como os desempregos e etc.

Se casualmente, alguém fizesse o último produto, e parasse por aí, a tecnologia também pararia no tempo e as consequências, além disso seriam imagináveis para todos. É fundamental que se produza sempre coisas novas e que venham facilitar a vida moderna dos humanos. Agora as pessoas não devem se escravizarem, para acompanhar todos os lançamentos de todos os produtos novos, por que nunca conseguirão acompanhar a velocidade como se modernizam as indústrias, os fabricantes, todos eles, querem fazer o melhor, o mais sofisticado incluindo conforto e praticidade. 
E vender, vender e vender, lucrar, lucrar e lucrar. O consumidor tem que saber o que pode e o que não pode comprar, analisar o poder de compra do seu dinheiro dentro de um planejamento sério e consciente. 
Controlar seus impulsos emocionais e comprar primeiramente o que for de extrema necessidade, e se realmente tem condições financeiras para realizar uma compra de um objeto, pensar e chegar a uma conclusão se tal objeto vai ser útil ou não para a necessidade do momento. E não comprar por comprar simplesmente, quando começar agindo desta maneira, começará a trilhar num caminho perigoso em direção ao um abismo sem volta.

Comprar com cuidado para evitar que as compras, passem de ser, prazer a se transformar, em problemas e sofrimentos.

Cinquenta reais do dinheiro do Brasil hoje se compra pouca coisa está corroída pelo dólar americano. 

Portanto, o consumidor deve se munir de cuidados, controles e consciência do que vai peitar e não comprar de maneira patológica. O comércio impõe suas regras para o consumidor adquirir descontroladamente qualquer produto, eles querem vender não levando em conta as inconsequências de alguns consumidores. Esta relação entre consumidor, mercado financeiro e o comércio, são extremamente uma relação muito desigual, partindo para o âmbito da selvajaria mercantil. 
O comércio em datas estratégicas, impõem suas pesadas e grandes campanhas consumistas que iludem ao consumidor, sendo os mais atingidos geralmente os mais vulneráveis.  A parcela maior e mais frágeis aos grandes apelos incisivos ao consumo, e sem critérios, são aquelas pessoas que apresentam transtornos compulsivos para gastar. Elas, são direcionadas para as compras, influenciadas diante de uma ampla campanha, desregrada. 

E, quando isso se torna repetitivo, já se transforma em vicio e o vício é uma doença que precisa ser tratado com especialistas como psiquiatras e psicólogos. Todos os consumistas compulsivos, geralmente compram, coisas que nunca chegam a serem usadas e permanecem no depósito da casa servindo de alimento para as traças, ácaros e outros insetos que causam grandes alergias. Muitas destas coisas que os compulsivos adquirem se endividando nos bancos e financeiras, começam a se escravizarem sem que as próprias pessoas percebam.

Algumas sentem um grande prazer em comprar instantaneamente, desgovernadas, mas depois se sentem extremamente arrasadas, por que estes objetos não fazem mais parte de suas vidas. Criam em seu íntimo um grande e terrível sentimento de culpa, culpa do erro sem solução.  As compras deixam de ser algo prazeroso para algo escravizador e complicador para a vida. Para compensar esta situação voltam novamente às compras e compram o dobro da vez anterior, comprando outros produtos que somente serve de alegria enquanto está na loja. Todavia, depois se tornarão, em grandes sofrimentos. E assim esse círculo, sem fim, permanece na vida do comprador compulsório, até não ter mais dinheiro para poder obter absolutamente nada. 

Cofre de 1 real para quitar dívidas das compras compulsivas.

A compulsão para comprar não surge da noite para o dia, mas tudo começa num processo lento para adquirir no impulso do momento, sem pensar, sem planejar e questionar se existem condições econômicas, se precisa realmente, ou simplesmente adquire, para satisfazer um desejo do ego. E neste ritmo se compra mesmo sem necessidades cometendo erros em sequencias se tornando um comportamento patológico. 

Por isso, é fundamental que todos gere o hábito, de se questionar sempre, para evitar obter produtos e mercadorias, através da força, emocional, e se transformar clientes compulsivos futuros, que será um problema sério para a vida de qualquer ser humano. O mercado não quer, nem saber apenas os vendedores, pensam em lucrar desenfreadamente, não levando em consideração às consequências negativas para o consumidor compulsivo. 🔓

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Você já rotulou alguém de burro?

É uma atitude preconceituosa para ferir o sentimento de outrem e ruim para o convívio social.Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas tem uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Indiferença é este sentimento negativo presente nas relações humanas.

Este sentimento ruim, a indiferença está presente na vida e setores sociais. A indiferença é um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando é despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimento negativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos. Podem-se perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. 
No plano social, há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes, em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos homens reagirem indiferentemente frente aos problemas de outrem. No âmbito governamental, o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente ent…