] Em tempo de pão e circo carnavalesco. Pular para o conteúdo principal

Em tempo de pão e circo carnavalesco.

No período de pão e circo a maioria da população se embriagam para esquecer a árdua realidade nacional.

O círculo representa a arena para a festa do pão e circo. 
A gangorra histórica é fato real satisfaz fazer uma retrospectiva dos aspectos culturais na história da humanidade para perceber que tudo se repete e nada mais é criado originalmente. Tudo é reciclado, copiado, plagiado e revestido com uma roupagem nova, a uma carcaça velha. Porém, aos olhos da ilusão do povo impressionado com o brilho das fantasias da festa do pão e circo moderno, transmite a impressão de que tudo é novo.
Principalmente quando se trata das festas e dos enredos carnavalescos. Uma grande ilusão da festa do rei momo que contagia uma imensa maioria de foliões em todos os recantos do Brasil, destaque para as grandes cidades brasileiras e também no mundo.

Estava certo o cientista francês o químico Antoine Lavoisier, quando afirmou “Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Pode-se aplicar essa lei da química, também para os eventos culturais de grande porte de ampla concorrência entre os humanos da contemporaneidade. Aonde persiste à gangorra histórica, isto é, o vai e vem dos acontecimentos. Simplesmente de roupagem nova, com formatação antiga repletas, mas com conteúdo semelhante e pouco transformados; principalmente produzidos genuinamente. 

Há sempre um referencial como ponto de partida que outros artistas plásticos, já pensaram para a produção de um enredo carnavalesco em tempos remotos.  Apenas os retocam usando as tecnologias avançadas para impressionar os milhões de telespectadores do mundo inteiro. Quando são observados, avaliados as performances dos componentes dos desfiles das escolas de samba nos sambódromos do Brasil especificamente nas cidades do RJ, SP, Porto Alegre e outras, onde existem escolas de sambas organizadas e locais para realizarem os famosos desfiles das escolas para se lançarem na concorrência da campeã.

Analisando os períodos mais longínquos da história cultural dos povos antigos e traçando um paralelo até a atualidade a impressão que impera é que o conteúdo básico não mudou muito.  Tudo o que existe de certa forma já aconteceu em outro contexto histórico e cultural dentro da realidade de cada nação. As pessoas vivenciaram de acordo com sua época e seus costumes próprios envolvendo a arte, a política etc. Importante se concentrar simplesmente, na farra atual que envolve uma grande parcela da população mundial.   O carnaval brasileiro óbvio e também mundial. Segundo a Wikipédia o “Carnaval é uma festa que se originou na Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C. 
Através dessa festa os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção.” Consequentemente a igreja católica assumiu esse nicho com claros objetivos. O período do carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou do latim "carne vale” dando origem ao termo "carnaval". Durante o período do carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. 
É um período apropriado para os dias de hoje e em alguns países com mais destaque, o carnaval no Brasil, mas de qualquer lugar da Terra. Sempre existe uma enorme fatia da população, que se dedicam de corpo e alma com o propósito de esquecer seja seus problemas pessoais, ordem financeiras, amorosas ou de ordem sociais. Muitos tem nas escolas de samba seu ganha pão durante o ano todo, é trabalho fixo para os artistas do carnaval.

Pão e circo mais uma vez podem se apontar para Roma Antiga, e lá se pode encontrar personagens da história que faziam suas festas alienadas no coliseu. Eram momentos de descontrações, e para acalmar a população escravizada, pelo peso das administrações romana, dando-lhes pão e circo para serenar os ânimos. 
“Panem et circenses é a forma acusativa da expressão latina “Panis et circenses”, que significa “pão e jogos circenses”, mais popularmente conhecidas como pão e circo.
Diversão ao povo, com o objetivo de diminuir a insatisfação popular contra os governantes. Esta foi uma política criada pelos antigos romanos, que previa o provimento de comida e espetáculos sangrentos, como os combates entre gladiadores, eram promovidos nos estádios para divertir a população; nesses estádios, pão era distribuído gratuitamente”. (Fonte: Wikipédia).

O peso dos impostos hoje em nosso país vive uma situação não muito diferente da época romana.

Os povos viviam oprimidos através do peso das administrações pelas cobranças dos pesados impostos. Esta situação ocorria em todas as esferas administrativas que sufocavam lentamente a população. Hoje em nosso país não é diferente ou talvez muito pior. O governo penaliza a população através de uma pesada carga de impostos cobrada via modelos de arrecadações sofisticados, que sugam o que a nação produz e o mais doloroso que a população tem pouquíssimos retornos através de políticas sociais do montante, que se paga em impostos para o governo. A maioria dos impostos irá abastecer a vala imunda da corrupção brasileira.
Agora eis aí algumas evidências do cotidiano para ilustrar melhor este fardo que todos os brasileiros carregam. Hoje se tem uma carga tributária mais pesada do mundo, ao comprar um simples pão, todos ingerem mais impostos do que os nutrientes do amargo pão. Agora pense quanto você paga de imposto abusivo ao adquirir um bem durável, ou mesmo uma simples fantasia para o carnaval, não se sabe quanto paga-se de impostos embutidos em todas as coisas. Para acalmar os ânimos nada melhores do que uns dias de carnaval e logo em seguida preparem a papelada para acertar as contas com o leão do feroz imposto de renda da Receita Federal.
Realidade do Brasil atualmente tem uma política salarial que não repõe a inflação, existe um salário mínimo nacional brasileiro de fome. Violência estourando em qualquer recanto desse país, deixando todos em pânico. Pessoas morrendo por falta de um sistema público de saúde eficiente. Estradas estaduais e federais, em péssimas condições de trafegabilidade, deixando as pessoas em perigo constantes. E neste tempo de “pão e circo” regado a bebidas alcoólicas, drogas, imprudências no trânsito de todos os tipos e mais a alta velocidade, transformam, o país numa verdadeira carnificina muito pior do que os espetáculos do coliseu romano.

O sistema educacional mais obsoleto do planeta. Falta de planejamentos estratégicos para socorrer a população das catástrofes naturais. Greves pipocando em várias categorias por melhores salários em todo o país. Os bastidores das administrações de todos os poderes públicas, estão contaminadas pela corrupção, herança maldita dos políticos, sem exceções. Hoje o país está no comando de corruptos golpistas de todas as estirpes.
Através do carnaval vem átona e se poderia enumerar várias e várias mazelas da população que se conforma com uma festa banal. Portanto, por isso mesmo é no carnaval todos permanecem entorpecidos para não se lembrar da perversa realidade, que vive a atual população brasileira.
Todavia, o ponto em discussão é de fato o carnaval. Não sou contra, mas não faz a minha cabeça e respeito que gosta, apenas quero enfatizar os aspectos políticos e econômicos que são camuflados nos bastidores da folia.  Em 2018 o carnaval de uma escola de samba trouxe para a avenida a farsa do golpe de 2016, algo positivo que deveria servir de exemplos para todas as escolas, não excluírem daqui em diante a política dos seus enredos.  
Geralmente para os carnavalescos é muito simples construir um enredo fantasioso de uma realidade longe do povo, do que criar um enredo que expresse a real realidade atual do povo e não sofrer retaliações da elite dominante.

Atualmente a nação brasileira é sofrida, sem emprego, sem dinheiro, sem governo, sem democracia e sem esperança. A grande maioria   está muito longe de ter condições de participar até mesmo da festa do pão e circo por falta de poder aquisitivo. Momento espetacular para muita gente esquecer durante três dias um pouco da situação em que vive. Logo após a brincadeira debochada de momo desaparecer. Automaticamente desperta em si à verdadeira ficha, da situação realística, que logo todos vão encarar durante o restante do ano. Um fato que faz a diferença da política do pão e circo dos tempos romanos era extremo num ponto. Naquela época era tudo grátis, para assistir o circo das atrocidades e degustar o pão do embuste, hoje se paga bem caro para participar dos festejos de momo.

Na época da Roma antiga o povo assistia os espetáculos gratuitamente, hoje pouco vão ao sambarmos para ver o espetáculo da elite para a elite.

Portanto, o cenário histórico não se distancia muito, mais existe um elemento impactante para os dias de hoje, poucos tem dinheiro para comprar ingressos milionários, para prestigiar a festa sem graça e alienada de carnaval, nos sambódromos brasileiros. Somente poucos privilegiados (a elite dominante) dispõem de poderes aquisitivos para esbanjarem suas riquezas, pois não faz diferença em seus altos orçamentos.
Respeitem a vida por que geralmente durante as festas carnavalescas e no ritmo do samba moderno são acrescentados ingredientes como drogas ilícitas uma praga da atualidade, que reproduzem o panorama violento e sanguento durante a festa da carne.  

Não esqueçam é fato em meio a toda esta parafernália de coloridos e fantasias há também, grandes interesses comerciais, disputas econômicas e poderes, entre os organizadores desta festança. Todavia a coletividade da população fã deste evento não tem conhecimento do que ocorre por traz das câmeras da mídia manipuladora e golpista.
Entretanto, o círculo da história se repete. Num lapso quase sugestiona que é tudo inédito, mas não passa simplesmente do velho trajando uma toga nova.

Então, mesmo diante de todas essas considerações e reflexões acerca do tempo de pão e circo carnavalesco. Mesmo assim, desejo, aqueles que gostam, um bom carnaval e com muita responsabilidade, deem prioridade a valorização a vida, dirijam com segurança, prudência, responsabilidade e nunca misturem, drogas, álcool ao dirigir, respeite as leis de trânsito. Afinal este não será o único, haverá outros carnavais, depende do com comportamento de correto nas autoestradas; durante estes dias de agitações, alienações, e manipulações da realidade.

Postagens mais visitadas deste blog

Você já rotulou alguém de burro?

Atitude preconceituosa, feri o sentimento de outrem, é ruim para o convívio social.Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas tem uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

A quinta sinfonia de Beethoven.

Beethoven e a quinta sinfonia.Beethoven compôs suas obras musicais eruditas na liberdade quebrando velhos paradigmas. O grande gênio da música clássica erudita Ludwig van Beethoven alemão nascido na cidade de Bonn em 1770 e faleceu em 1827 aos 56 em Viena. Um dos grandes compositores do estilo musical erudito, onde no conjunto de sua obra impera a liberdade, ele escrevia suas composições, suas obras quebrando velhos paradigmas da música clássica abrindo novos horizontes para a música erudita.