Pular para o conteúdo principal

O Brasil vive sem prevenção contra as tragédias.

Sem planos de prevenção, contra todas as tragédias vive o país.

A imagem de fundo vermelho e caracteres em branco está inscrito: Tragédias são dolorosas para todos!
Tragédias são dolorosas para todos!

O Brasil é um país que vive imerso numa grande e perigosa combinação de atraso, imprudência, descaso, sem planos de prevenções e deficiência de tecnologia para a prevenção e socorro eficiente das tragédias múltiplas em setores da sociedade.

É lamentável! Contudo, ao envolver a segurança de multidões, já ocorreram várias tragédias no país, a mais recente a da Boate Kiss, além das ambientais o rompimento das barragens da Vale do Rio Doce, Brumadinho e mais lá para frente o acidente do Césio 137 de Goiânia. Todas são tragédias que fazem todos sofrerem, porque ocorrem perdas humanas e materiais, geralmente os mais desprovidos sofrem mais.

São situações que ocorrem frequentemente em todos os ambientes que abrigam pequenos e grandes aglomerações de pessoas. Todos ficam à mercê da imprudência dos responsáveis pela segurança dos indivíduos que frequentam nestes ambientes coletivos. Principalmente a população que vive em áreas de riscos e nossos governantes fazem de conta que está tudo bem.

Estes casos acontecem não de uma forma isolada, mas é muito sintomática a irresponsabilidade das autoridades que deveriam zelar pela segurança dos pequenos, médios e grandes conglomerados das pessoas em toda a sociedade brasileira. Agora que está em evidência é a tragédia da boate de Santa Maria no RS, que até o presente momento já vitimou 242 vidas. No centro da questão há uma série de imprudências dos responsáveis pelo funcionamento da casa de entretenimento. No entanto, a situação tomou proporções de responsabilidades conjuntas desde a administração particular passando por todas as entranhas das administrações públicas. Cada uma deixando respostas indiferentes ao sofrimento das vítimas e dos familiares.

O país que vive na insegurança com a falta de prevenção das coisas simples às mais complexas que poderiam ter evitado esta tragédia e suas consequências impensáveis para quem escapou e os traumas de todos os tipos para os familiares, amigos e a sociedade em geral.

 

A tragédia da boate Kiss de Santa Maria.

 

Pense bem! E análise, agora, como o Brasil vive acomodado em “berço esplêndido" no despreparo para lidar com tragédias desse porte. Na área de segurança especificamente nos socorros urgentes. As equipes de saúde: os bombeiros, os médicos e os grandes hospitais, não dispõem de medicamentos essenciais em caso de incêndios. Neste caso específico da Boate Kiss, de Santa Maria, é um absurdo, mas não contava com um antídoto indispensável no combate ao gás químico, o cianeto. No momento do incêndio as pessoas inalaram e a maioria faleceu por asfixia. Atualizando essa postagem, os réus foram julgados e condenados hoje em 10 de dezembro de 2021.

Se o Ministério da Saúde já tivesse estoques preventivos e disponibilizasse este medicamento “hidroxicobalamina” (vitamina B12 injetável), a todos profissionais de socorro certamente teria salvado mais vidas. Foi necessário recorrer aos EUA e o governo mandou kits deste antídoto para tentar tardiamente salvar os feridos. Mais uma vez, prova que somos um país despreparado para situações de tragédias como está e as catástrofes naturais.   Acenderam-se vários alertas para esta situação e tantas outras desconhecidas dos brasileiros. Os nossos hospitais não estão preparados para socorrerem vítimas desses gases químicos e tantos outros surgem em situações de incêndios. Porquanto, nunca se sabe ao certo quais elementos químicos estão presentes nos incêndios de pequenas e grandes proporções.

 

A partir deste lamentável fato podemos questionar. Será que o Brasil está realmente equipado para uma possível situação para socorrer as vítimas de um possível acidente nuclear? Será que existe um planejamento competente de evacuação da população em torno e nas adjacências dessas usinas de energia nucleares brasileiras?  E pessoas treinadas para uma situação desta envergadura em nossas usinas nucleares brasileiras? Nunca se sabe se vivemos em segurança ou no despreparo? Está-se em prevenção contínua ou em situações de perigo como está? Se por imperícia venha ocorrer um acidente destes, em que situação nós brasileiros estamos, nunca saberemos. Esperamos que já mais um dia isso pudesse acontecer porque realmente não sabemos se estamos prudentemente seguros ou totalmente sem prevenção.

Goiânia - GO, em 1987 viveu a tragédia do Césio 137.

 

 

Lembram das cápsulas de césio 137, em uma Rua da Cidade de Goiânia - GO, em 13 de setembro de 1987. Mais uma imprudência na segurança. Desta vez de responsabilidade de um hospital da cidade.  Uma maneira inconsequente deixou este material radioativo ser jogado em um ferro velho. Por desconhecimento do perigo, estas cápsulas de césio foram reaproveitadas e até mesmo o pó radioativo foi ingerido no pão por crianças inocentes e lembram-se das terríveis consequências. Até hoje para aquela família e muitas pessoas que mantiveram contato com o material radioativo.

Em relação aos acidentes ecológicos quais as prevenções que o governo já tem feito em relação à exploração do cobiçado pré-sal brasileiro. A própria produção de petróleo em nosso oceano até que ponto está seguro e não nos apresentam riscos ao meio-ambiente.

As catástrofes naturais que ocorrem em nosso país todos os anos, nos mesmos locais com quase data e hora marcadas e as autoridades simplesmente se comovem no momento dos fatos, com as baixas de vidas que foram ceifadas. Depois cai tudo na vala da burocracia gerando um esquecimento total e tudo volta ser relembrado quando o ciclo destrutivo da natureza volta a se repetir. Perante tudo isso, o Brasil continua sem prevenções sérias contra as enchentes, secas, incêndios, epidemias de gripe, dengue e tantas outras coisas que fogem ao nosso conhecimento de momento. 

 

Infelizmente os brasileiros vivem em total insegurança.
 

Portanto, vivemos em um país continental rico, um povo trabalhador, mas vivendo na insegurança do dia a dia. São imprudências de todas as espécies. Em todos os locais de convivência, seja no trabalho, no entretenimento, na rua ou em casa, sempre corremos o risco de acontecer algo catastrófico.

Seja por tragédias no âmbito humano provocadas por imprudência dos responsáveis que gerenciam tais locais, com desdobramentos impensáveis. Seja no próprio local de trabalho ou também gerado através das imperícias de quem esteja no controle da produção. Seja por catástrofes naturais que atingem milhares de pessoas e as autoridades não fazem nada, simplesmente ficam cegas, surdas e mudas. E em tantas outras coisas que podemos ser vítimas. O mais preocupante é de fato o despreparo, a acomodação, a falta de planos de prevenção bem pensadas e planejadas em todo o país.

As nossas autoridades dos governos de todas as esferas administrativas, responsáveis em planejar e ficarem atentos a todos esses imprevisíveis acidentes danosos a população pouco ou nada fazem preventivamente.

“Brumadinho chora por seus mortos, vítimas de mais um crime ambiental da mineradora Vale. O primeiro ocorreu em 5 de novembro de 2015 no Município de Mariana. Nesse crime foi de proporções devastadoras para o meio ambiente, vitimou   18 pessoas e deixou uma desaparecida. O segundo crime ambiental foi agora em 2019 de dimensões arrasadoras para a região rica na sua fauna e flora. Além das águas doces dos rios que abastecem, todos aqueles municípios adjacentes, e atualmente tudo permanece contaminado de lama venenosa, dessa empresa Vale; a destruidora do meio ambiente e de vidas humanas”. (Fonte: analiseagora).

 

Apenas se mexem quando uma tragédia acontece e o mundo toma conhecimento. Aqui sim, começa desesperadamente tomar alguma atitude mais urgente e depois, tudo vai para as gavetas da burocracia governamental, iniciando um interminável jogo de responsabilidades.

 

Todos poderiam ser bem mais prudentes para prensar todas as formas de prevenção e se por imprudência, imperícia vierem acontecer, que estejam preparados para o socorro imediato e eficiente.    

Comentários

  1. O presente estrangeiro é um derivado da Vitamina B12 (cianocobalamina).
    O novo substrato chama-se Hidroxicobalamina. Ele é novo mesmo. Ainda não chegou no Brasil, pois ainda está sob “vigilância” no Canadá e EUA. Os nossos pacientes já estão tomando a Cianocobalamina, que é a Vitamina B12 pura, que tem efeito exatamente igual. A diferença é a potência, muito maior na “hidróxi”, a droga doada pelo governo estadunidense. Quando os químicos trocam o radical “ciano” pelo “hidróxi”, acabam por potencializar o efeito “Cobalamina”, pertencente à vitamina B12.
    Pois bem, mas a droga vai ficar sob a tutela de médicos canadenses, com permissividade nossa. Na realidade acaba sendo não só uma corrente gaúcha ou nacional, mas mundial, pois tenho acompanhado essa extensão humanística desses casos. Aproveita-se e se estuda os efeitos da droga num números de pacientes estatisticamente (mais) significante. Certamente esse trabalho será motivo de novas publicações médicas. Teremos que esperar. É assim que a ciência funciona.

    Por Geraldo Roger



    ResponderExcluir
  2. Prezada leitora Ana Elisa,Boa noite!
    Muito obrigado por ter lido o meu trabalho e fiquei muito feliz pelos excelentes esclarecimentos sobre a medicação Hidroxicobalamina. São dados técnicos e científicos que são desconhecidos para mim e provavelmente para outras pessoas.A ciência tem suas entranhas totalmente desconhecidas por nós leigos.No entanto queremos soluções rápidas em casos extremos como aconteceu em Santa Maria-RS.Porém as coisas funcionam lentamente,seja na parte das descobertas da ciência,seja por problemas relacionados a burocracia governamental.Contudo, a VIDA não espera e exige soluções urgentes,principalmente em situações dessa envergadura.A vida deve está acima de tudo e todas peculiaridades que os leigos desconhecem.Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu comentário é muito importante para nosso trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.