A união dos servidores públicos gaúchos gera a greve unificada.

OS SERVIDORES GAÚCHOS DÃO EXEMPLO DE UNIDADE CONTRA OS DESMANDOS DO GOVERNO DO PMDB.

Assembleia unificada dos servidores públicos do RS. foto: Cpers/sindicato  

A semana se iniciou em grande união histórica entre os servidores gaúchos. Esta unidade entre os sindicatos dos servidores somente vem a fortalecer a luta contra as políticas intransigentes  do governo do PMDB do RS. O arrocho salarial vem aniquilando lentamente os servidores que fazem movimentar o progresso e o desenvolvimento deste Estado. Em contra partida vem recebendo salários de fome. E para piorar ainda mais a situação o governo coloca nos ombros dos funcionários públicos a sua incompetência de governar um estado gigante e rico.

Ontem dia 18/08/2015, sem sombras de dúvidas foi um dia histórico para os gaúchos, onde mais de 43 sindicatos que representam os servidores se uniram para protestar fazer greve geral de três dias. Os educadores também lotaram o Ginásio Esportivo o Gigantinho num total de 15 mil e votaram em assembleia seguiram o mesmo ritmo dos demais servidores, decretaram a greve geral unificada de três dias. É um grande começo de lutas unificadas para pressionar este governo que responsabiliza os trabalhadores públicos pela inércia do Estado do RS, lavando as mãos de suas responsabilidades.

Este é um ótimo inicio para o fortalecimento de todas as categorias rumo à greve geral por tempo indeterminado. Somente assim este governo começará a respeitar os funcionários pagando salário digno sem parcelamento. E principalmente não mexer nos planos de carreira de todos os trabalhadores púbicos do RS.
A unidade entre os servidores certamente fará corrente forte entre os trabalhadores e terá um grande peso politico contra o governo peemedebista, que desde que assumiu o comando do executivo estadual tem aterrorizado a sociedade gaúcha. Até agora somente anuncia noticias ruins pessimistas e derrotistas. As suas primeiras medidas foram deprimentes para os fornecedores do Estado. Aplicou calote geral durante seis meses. E para completar puxou o tapete dos funcionários, aparcelado os seus ínfimos salários.  Somente sabe pregar o terror da crise e mais crise, criando pânico entre os servidores e a sociedade gaúcha.


os funcionários públicos do RS recebem salários de fome.  

Portanto, a situação está aí de lado à greve durante três dias é um bom recado ao governador do PMDB que as coisas estão mal administradas. A culpa da pobreza do Estado recai sobre os servidores e a população gaúcha sabe que isso não é verdade. As grandes empresas sonegadoras de impostos estaduais são as maiores responsáveis pela crise do Estado e fica tudo por isso mesmo e ninguém faz nada.  
O governo já determinou o corte do ponto dos grevistas, esta atitude vem acirrar ainda mais a situação. Aqui fala mais alto o autoritarismo do que o diálogo. Agora é a vez de todos manterem o diálogo respeitoso.  O governo deveria convidar as lideranças para sentar-se à mesa e juntos encontrarem uma saída, o governo toma sua primeira medida autoridade cortando os salários dos servidores grevistas. Todavia, a única solução daqui para frente é a mobilização geral para conduzir definitivamente uma greve geral por tempo indeterminado até que o governador atenda as reivindicações justas dos servidores.