Pular para o conteúdo principal

Antes nos negócios a palavra falada tinha seu valor, hoje nem a palavra escrita é honrada.

A palavra de honra era mais valiosa do que um contrato em cartório.

Antigamente o valor da palavra falada era respeitada.

Havia uma época em que o valor da palavra falada entre as pessoas era irrevogável. Atualmente nem os rígidos contratos são honrados plenamente. Semelhante ao valor da honra. Após concluir uma venda ou uma compra o combinado de boca era definitivo. Não existiam contratos registrados em cartórios na presença de testemunhas para validar qual quer negócio. O que realmente prevalecia era a palavra dada ou falada. Na grande maioria das negociações o que entrava em cena, honrar a palavra combinada entre as partes.
Como tudo há exceções, muitos descumpriam com a palavra combinada, automaticamente uma das partes arcava com os prejuízos, e o calote.  Surgiu então à necessidade de os contratos serem redigidos por advogados, tudo conforme manda a lei. Para garantir os direitos, os deveres, proteger a todos.

Inclusive no Brasil foi elaborado o código do consumidor. Sancionada como a lei de nº 8.078 de 11 de setembro de1990. É fundamental que todos os brasileiros leiam atentamente esta lei, para saber utilizar, no momento, de quaisquer negócios e que possam saber dos seus direitos e deveres para os colocar em prática nas eventuais divergências comerciais. Esta realidade onde o valor da palavra predominava era mais entre as pessoas humildes que horavam o que falavam, mantinham o respeito e a vergonha na cara. Infelizmente este sistema da palavra de honra, entre os grandes nunca deu certo não mais funcionará. Ente os poderosos jorram muito dinheiro. O dinheiro geralmente corrompe as pessoas sem caráter. Estes roubam um milhão como se rouba um centavo. Entretanto, para as pessoas honestas, os valores são os mesmos. Ela não roubará nenhum valor por quer à consciência sofrerá igualmente. Não importa o valor o peso da dor é igual ou maior; tanto para um centavo quanto para um milhão de reais.  O desonesto, isso não o interfere em sua consciência. Tanto faz roubar um centavo ou poder roubar um milhão como se tudo fosse algo igual e natural. Agora imagine fazer algum tipo de negócio com um cidadão de uma estirpe dessas! É prejuízo anunciado urgente.

O valor da palavra perdeu-se no olho do furacão da desonestidade generalizada entre as pessoas. Hoje se você faz qualquer negócio seja de pequeno, médio ou de grande valor tudo deve ser conforme manda a lei. Tudo, necessária e obrigatoriamente devem ser documentadas em cartório, todas as páginas dos contratos rubricados, carimbados, e assinados pelas testemunhas presentes. É uma prevenção para um eventual litigio, para que se tenha provas documentais autenticadas para se fazer cumprir os contratos e aplicar as penalidades conforme as cláusulas lidas, concordadas e assinadas.

Atualmente o valor da palavra seja falada ou escrita não se cumpre mais.

Os precatórios são exemplos de desrespeito a lei.
Portanto, atualmente caiu por terra o valor da palavra falada em transações comerciais.  Convivemos na desconfiança de tudo e de todos. Ora!   Os péssimos modelos de desonestidade vêm de quem deveria ser honesto, mas são os primeiros a darem maus exemplos, os políticos de todas as esferas governamentais brasileira. Quantos contratos são rompidos em todos os setores da sociedade? Quantas brigas judiciais existem por descumprimento de contratos de compras e vendas? Os tribunais estão abarrotados de processos aguardando solucionar problemas nas áreas de negócios onde ocorreu rompimento de uma das partes. Geralmente as grandes empresas são as campeãs dos descumprimentos dos contratos entre seus clientes. Exemplo: as concessionárias de telefonia, internet, energia, comércio em geral, as imobiliárias, construtoras, bancos e financeiras de cartões de créditos. Uma vergonha nacional.
No setor público existem milhões de processos dos servidores contra os governos municipais, estaduais e federais. Simplesmente deixaram de cumprirem com pagamentos dos precatórios e salários parcelados; neste setor existe uma injustiça vergonhosa. Pense bem, quando o cidadão tem uma dívida para qual quer esfera pública, a justiça manda uma intimação para quitar o débito dentro de um prazo máximo de 15 dias. O inverso da situação o público não tem prazo para quitar o débito com o cidadão. Os casos clássicos de injustiças dessa natureza são os precatórios, óbvio além de outros.

Muitos servidores chegam a falecer sem receber dos governos essa dívida. Eles não se preocupam em quitar a dívida com o servidor que tem direito a receber precatórios.   Infelizmente podemos chegar à conclusão que poucos honram o que disse. Isto é nem a palavra falada e nem a escrita em rígidos contratos são deveras cumpridas. Todavia muito cuidado no momento de selar qual quer negócio. Porque existem, muitas pessoas desonestas e golpistas no comércio e nos setores das administrações públicas. Quem podem lesar quaisquer cidadãos, que ainda confiam na boa fé, no momento de selar uma compra ou venda e poderá está a entrar num grande golpe e ir à falência. Todos os cuidados são poucos. 

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Indiferença sentimento negativo presente nas relações humanas.

A indiferença está presente na vida humana e   setores da sociedade. A indiferença um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimentonegativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos.
Podemos perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. No plano social há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos humanos reagirem indiferentemente frente os problemas alheios. No âmbito governamental o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente entre nação dominante …

Quando a ganância vem ofuscar a razão.

Quando a razão é ofuscada pela ganância do ter, o homem caminha para autodestruição do ser.A ganância um dos sentimentos inatos dos homens carregados de muitas perversidades próprias de sua natureza pecaminosa e insaciável para querer tudo que os sentidos percebem. Averiguada, desde o início da humanidade até os dias de hoje, tem causado muitas dores e sofrimentos ao ganancioso e a sociedade. Na atualidade surge com mais intensidade e métodos extremamente nefandos para conseguir os desejos materiais impossíveis, muito dinheiro e poder sem limites. O brilho das moedas recebidas de maneira fraudulenta vem ofuscar a razão deixando a entorpecida para qualquer tentativa de chamar a reflexão, a sanidade humana, fundamentada nos valores éticos e morais.