Pular para o conteúdo principal

Depressão a doença da discriminação e do preconceito familiar e social.

http://www.analiseagora.com/
Depressão a doença da discriminação na atualidade.
A depressão afeta milhões de pessoas no mundo e no Brasil. Familiares e amigos se afastam da pessoa depressiva de maneira desumana. Entretanto, todos os depressivos ainda são vistos estupidamente por muitas pessoas de uma forma preconceituosa e discriminatória.
Quem não tem esta doença, não sabe o que o que fazer e principalmente o que está a falar e julgar os pacientes de maneira preconceituosa. Geralmente, através de pura ignorância. Mas infelizmente têm alguns casos onde pessoas que tem orientação e conhecimento dos médicos psiquiatras que agem com má fé. Estas situações acontecem na família e com muita frequência em todos os setores da nossa sociedade movida pela falta de compreensão e desumanidade.   A pessoa depressiva se sente totalmente a margem de tudo e de todos. Em algumas situações é objeto de chacota entre amigos, no trabalho, na própria casa, entre os parentes mais próximos.
A pessoa quando é depressiva e quando tenta se aproximar dos grupos de relacionamentos, para iniciar um processo de entrosamento social imediatamente é banida pela discriminação e preconceito generalizado. Tanto a família quanto a sociedade a rotulam de uma maneira cruel, que provoca um veloz aumento da doença, chegando ao estágio severo de desespero até surtar. Aqui se inicia as dramáticas internações em clinicas particulares ou do SUS. Dependendo do grau de desenvolvimento de alteração do moribundo os médicos psiquiatras procuram proceder aos tratamentos leves aos de grandes proporções como o famoso “choque” para acalmar a pessoa para uma terapia medicamentosa com determinações contínuas. A depressão mesmo sendo a moléstia da modernidade com tendências de propagação progressiva que foge ao controle da ciência, ainda é discriminatória entre a família e a sociedade.
A tendência é que estes dois substantivos discriminação e preconceito possam navegar com os mesmos patamares de velocidade da enfermidade entre os humanos. Para travar esta tendência maléfica aos portadores de depressão é fundamental uma ampla campanha educacional e esclarecedora sobre o que é de fato esta doença e conscientizar a todos a terem mais respeito e compreensão aos pacientes. Imprescindível ser um trabalho permanente, que deve ter a iniciativa, por parte das autoridades da saúde pública começando pela OMS. Os ministérios da saúde de cada país, envolvendo as Secretarias dos estados e municípios. Abordar com clareza, a população para dizer que o depressivo em primeiro lugar é um ser humano enfermo.

Esta pessoa necessita de absoluta estima, inclusão familiar e social. Somente a partir de uma campanha de envergadura internacional usando todos os meios de comunicações, hoje disponível no Planeta Terra. Todos terão como transformar, lentamente a mentalidade mesquinha das pessoas em relação a essa epidemia mental. Pois a qualquer momento um indivíduo pode está depressivo sem saber. Às vezes quando vai perceber já está em estágio avançado. Isso acontece muito devido o fato de não admitir a própria condição de doente depressivo. Para muita gente, alguém ser uma pessoa depressiva é sinônimo de vergonha, loucura, doença de mulher, etc. Existem ocorrências também em âmbito do sexo masculino, porém não admitem devido o próprio machismo que prevalece sobre a dor e angústia inexplicável.

Há muitos casos entre casais quando a esposa é surpreendida pela depressão, após muitos anos de tratamentos e os profissionais darem um diagnostico de uma depressão grave, o esposo a abandona e corre em busca de outras emoções, ou seja, se separam e procuram mulheres sadias. Também acontecem casos em que não existem rompimentos da relação, mas predomina a indiferença, a falta de humanidade, de solidariedade, de atenção do esposo com a esposa que está sofrendo com uma doença invisível, dor profunda da alma humana, que só sente quem realmente a tem. Nesta situação quem está doente tem o quadro com um agravante maior, que é a falta de compreensão do ente mais íntimo, no momento mais crítico da vida, não tem apoio esperado daquele com quem compartilharam anos de convivências, e agora se sente rejeitada e simplesmente é tratada com uma brutal insensibilidade. Estas situações onde se transferem para os demais membros da família. As mães agora sendo depressivos, muitos filhos, não a valorizam, não a compreende, não a respeitam, muitos saem de casa por quer não suporta a chatice da mãe.

http://www.analiseagora.com/
A imagem diz: angústia humana, uma característica da pessoa com depressão.  
Muitos nem acreditam na doença e pensam que é fingimento. Os filhos casados não à visita mais. Os parentes em geral abandonam completamente e entre eles, a doente é motivo de discussão, cada um querendo sentenciar seus pareceres recheados de preconceitos discriminatórios. A situação chega ao certo grau de desespero para quem está em estado depressivo, que ela só consegue enxergar algumas saídas. Exemplo: pedir para morar em uma clínica especializada, abanar o lar e viver como andarilho sem rumo. Alguns procuraram ajudas em outros lugares como os C A.Ps  (Centro de Atenção Psicossocial).

O depressivo é visto como uma pessoa incapaz para exercer qualquer função no mercado de trabalho e outras atividades que exige um pouco mais de concentração. Nem mesmos os médicos psiquiatras, com longos e árduos anos de formação, pesquisas em medicações e experiências com pacientes dão créditos ao que os seus próprios pacientes sentem e relatam em seus consultórios. Às vezes se prende muito as teorias acadêmicas dedicadas à depressão e esquecem-se do aspecto sentimental e humano do paciente e são incapazes de traduzir com exatidão o verdadeiro sofrimento do doente sofredor da doença da alma. Existem casos em que médicos de todas as especialidades inclusive psiquiatras e profissionais da área da saúde, que não escapam de uma profunda depressão, estes sim, podem traduzir com transparência a angustia, desânimo, revolta, raiva, agressividade, exclusão, vontade de morrer, que as maiorias dos depressivos carregam de uma maneira muito amarga para o resto da vida.

Por que estes experimentam na alma todos estes sentimentos característicos da depressão que muitos profissionais da área só conhecem e sentem através dos manuais do departamento de medicina das universidades. Por isso é muito simplório dizer para um paciente, tome este ou aquele medicamento, é lançamento é excelente de tal laboratório! Vai resolver a situação, tem casos que agrava ainda mais, provocando reações imagináveis. Faça este ou aquele tipo de terapia ocupacional que vai curar. No dia-a-dia é bem diferente, é como se fosse um legitimo paliativo no outro dia tudo volta ao marco zero. Tudo é válido para ajudar no tratamento, mas é necessário haver uma relação muito compreensiva dos profissionais da psiquiatria com seus pacientes e não simplesmente, impor algo que seja um desconforto a quem já está em terríveis sofrimentos contínuo. Acima de tudo deve levar em consideração a vontade do moribundo fazer um tratamento, que venha sobretudo, levar um processo de cura, se é que existe.

Há muitos casos entre casais quando a esposa é surpreendida pela depressão, após muitos anos de tratamentos e os profissionais darem um diagnostico de uma depressão grave, o esposo a abandona e corre em busca de outras emoções, ou seja, se separam e procuram mulheres sadias.
A  imagem diz: depressão a doença da discriminação.

Portanto, a depressão é uma doença séria que deve ser tratada, como uma questão de saúde pública em todo o mundo, pois os dados da (OMS) são alarmantes, aproximadamente são “350 milhões” (OMS) de habitantes do planeta que sofrem em consternação com esta enfermidade psíquica. Um dado espantoso e específico de um transtorno depressivo, a síndrome do pânico, afeta entre “2% a 4%” (OMS) da população da terra. Sendo que por ano ocorrem mais de “800 mil” (OMS) depressivos que buscam saídas extremas, provocando o suicídio. No Brasil os dados são ajustadores brasileiros que são afetados encontra-se no patamar de “13 milhões” (OMS) de pessoas que sofre com depressão sem esperança de uma cura em curto prazo, muitos até vivem a base de medicações que produz um efeito extraordinário, mas simplesmente é o controle e não a cura definitiva. O paciente deve está sempre vigilante para não sofrer uma nova crise ou surto, por pouco tempo ou por um período de tempo indefinido. 

Resolvi minutar este artigo, a pedido de alguém muito íntimo que tenho um carinho especial, que sofre com depressão há muitos anos e compartilhou algumas informações do seu sofrimento diário. Não é nada de científico é apenas um registro de vários relatos que procurei descrever mais próximo possível de acordo com seu pensar depressivo.

Postagens mais visitadas deste blog

Vender cosméticos é excelente opção para derrotar a crise econômica pessoal e familiar.

Alternativas para derrotar a crise econômica.  Nos momentos de crise econômica não se pode permanecer parado. A venda direta de cosméticos ao consumidor é uma ótima opção de renda e ganho rápido. Não adianta permanecer parado em situações de crise econômica que afetam diretamente o núcleo familiar e pessoal, esperando as coisas acontecerem sem partir para uma incisiva ação. Esta atitude não resolverá em absolutamente nada. Pelo contrário provocará desanimo, ansiedade e muitas doenças imagináveis que impedirá de fazer qualquer coisa. Neste momento são necessárias atitudes ousadas, criativas, sobretudo muito esforço visando aumentar a renda mensal.
Melhor do que pensar em fazer empréstimos neste momento para quitar dívidas, somente irá piorar a situação para todos. Ao mesmo tempo entrar numa bola de neve monetária sem fim, para somente enriquecer os bancos e financeiras.

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Indiferença um sentimento negativo presente nas relações humanas.

A indiferença presente nos diversos setores da vida.A indiferença um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimentonegativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos.
Podemos perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. No plano social há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos humanos reagirem indiferentemente frente os problemas alheios. No âmbito governamental o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente entre nação dominante em relação à naç…