Pular para o conteúdo principal

O Brasil pagou um alto preço pela sua independência política.

O feriado da independência do Brasil.

07 de setembro de 1822. Independência politica do Brasil.
Hoje é feriado nacional por que os brasileiros estão comemorando os seus 195 anos de independência política, foi ao dia 07/09/1822, que o nosso país deixou de ser subordinado a Portugal. Um bom momento para todos os cidadãos refletirem nos antecedentes a proclamação deste fato e seus desdobramentos ao longo da nossa história sobre todos os aspectos que nos envolvem até os dias atuais.  O Brasil para conquistar sua independência política contraiu uma dívida externa de dois milhões de libras esterlinas. Um alto preço para época onde o país vivia no contexto histórico de ser colonizando e sem dinheiro para quitar sua independência. Hoje em pleno século XXI sofre mais um golpe de estado em função disso todos brasileiros devem lutar para reconquistar mais uma vez a independência da democracia.

A independência do Brasil foi onerosa.

Toda a independência seja humana, econômica ou política tem um preço elevado a pagar, para o nosso país não foi diferente. Naquela época o Brasil pagou 2 milhões de libras esterlinas   pela   ousadia de se livrar da dependência política dos   portugueses. Quando uma nação explorada decreta sua liberdade à nação exploradora, geralmente quem abusa ainda exige uma indenização onerosa e injusta, um valor enfadonho para selar o fim do monopólio. Na época como o Brasil era colônia agroexportadora, alimentava o status quo das elites europeias, era uma espécie de fundo de reserva econômica, uma poupança externa e por isso que Portugal perderia esta base de exploração enriquecedora das riquezas brasileiras; era o fim desta fonte econômica através da declaração de independência brasileira.

Os desdobramentos da independência brasileira.

O grito de liberdade no dia 07/09/1822 as margens do riacho Ipiranga em São Paulo, tiveram seus desdobramentos políticos, sociais e econômicos até os dias atuais. A histórica dívida externa brasileira teve sua origem naquele brado de ‘independência ou morte’ de D. Pedro I. A consequência deste dia gerou uma grande dor de cabeça para o monarca brasileiro, que se viu obrigado a pedir a Inglaterra para entrar no processo de negociação da bilionária indenização cobrada por Portugal ao Brasil. Através do famoso ‘Tratado de Amizade e Aliança firmado entre Brasil e Portugal’. Neste tratado continuava a dependência total a Inglaterra.   O Brasil se livrou da subserviência política de Portugal, mas por outro lado continuaríamos presos às ordens inglesas durante muitos anos. E permaneceu sendo um país exportador de matéria prima e importador de todos os produtos manufaturados preferencialmente dos ingleses.

Ao gritar Independência o Brasil assumiu uma grande divida externa.

07/09/1822,independência politica do Brasil. 
Portanto, nesta negociação política e monetária a Grã-Bretanha levou sua parte. Ora!  Foi muito simples para os britânicos fazerem esta transação. Como Portugal devia dois milhões de libras esterlinas para a Inglaterra eles deram a ideia para que o Brasil assumisse a dívida; como segurança os portugueses reconhecerem a independência brasileira. Mas como pagar esta dívida sem dinheiro, à única solução foi fazer este primeiro empréstimo a Inglaterra. E para o pais recém-emancipado país, poder dar continuidade a administração foram feitos desde aquela época muitos e muitos empréstimos ao longo de toda a história brasileira.


Ninguém sabe ao certo até que ponto foi quitado o endividamento externo, nestas últimas administrações brasileiras. Pagaram-se tudo então valeu o grito do primeiro Imperador brasileiro, agora somos uma nação livre da dívida externa, não podemos esquecer-nos do endividamento interno que é um montante desconhecido do povo. Todavia internamente há muito para se gritar para que sejamos uma nação plenamente independente e principalmente, que as riquezas brasileiras sejam de fato distribuídas equitativamente entre os cidadãos que trabalham e pagam árduos impostos. 


Hino da Independência do Brasil.



*O Hino da Independência é uma canção patriótica oficial comemorando a declaração da independência do Brasil, composta em 1822 por Dom Pedro I. A letra foi escrita pelo poeta Evaristo da Veiga. Segundo diz a tradição, a música foi composta pelo Imperador às 4 horas da tarde do mesmo dia do Grito do Ipiranga, 7 de setembro de 1822, quando já estava de volta a São Paulo vindo de Santos*. (Fonte: Wikipédia)

Autor: Evaristo Ferreira da Veiga.

Já podeis da Pátria filhos,
Ver contente a Mãe gentil!
Já raiou a Liberdade
No Horizonte do Brasil,
Já raiou a Liberdade
Já raiou a Liberdade
No Horizonte do Brasil!
Refrão
Brava Gente Brasileira
Longe vá, temor servil;
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.
Ou ficar a Pátria livre,
Ou morrer pelo Brasil.
2
Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil,
Houve Mão mais poderosa,
Zombou deles o Brasil.
Houve Mão mais poderosa
Houve Mão mais poderosa
Zombou deles o Brasil.
(Refrão)
3
O Real Herdeiro Augusto
Conhecendo o engano vil,
Em despeito dos Tiranos
Quis ficar no seu Brasil.
Em despeito dos Tiranos
Em despeito dos Tiranos
Quis ficar no seu Brasil.
(Refrão)
4
Ressoavam sombras tristes
Da cruel Guerra Civil,
Mas fugiram apressadas
Vendo o Anjo do Brasil.
Mas fugiram apressadas
Mas fugiram apressadas
Vendo o Anjo do Brasil.
(Refrão)
5
Mal soou na serra ao longe
Nosso grito varonil;
Nos imensos ombros logo
A cabeça ergue o Brasil.
Nos imensos ombros logo
Nos imensos ombros logo
A cabeça ergue o Brasil.
(Refrão)
6
Filhos clama, caros filhos,
E depois de afrontas mil,
Que a vingar a negra injúria
Vem chamar-vos o Brasil.
Que a vingar a negra injúria
Que a vingar a negra injúria
Vem chamar-vos o Brasil.
(Refrão)
7
Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil:
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.
Vossos peitos, vossos braços
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.
(Refrão)
8
Mostra Pedro a vossa fronte
Alma intrépida e viril:
Tende nele o Digno Chefe
Deste Império do Brasil.
Tende nele o Digno Chefe
Tende nele o Digno Chefe
Deste Império do Brasil.
(Refrão)
9
Parabéns, oh brasileiros,
Já com garbo varonil
Do Universo entre as Nações
Resplandece a do Brasil.
Do Universo entre as Nações
Do Universo entre as Nações
Resplandece a do Brasil.
(Refrão)
10
Parabéns; já somos livres;
Já brilhante, e senhoril
Vai juntar-se em nossos lares
A Assembleia do Brasil.
Vai juntar-se em nossos lares
Vai juntar-se em nossos lares
A Assembleia do Brasil.

(Refrão)

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Indiferença é este sentimento negativo presente nas relações humanas.

Este sentimento ruim, a indiferença está presente na vida e setores sociais. A indiferença é um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando é despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimento negativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos. Podem-se perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. 
No plano social, há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes, em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos homens reagirem indiferentemente frente aos problemas de outrem. No âmbito governamental, o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente ent…

A quinta sinfonia de Beethoven.

Beethoven e a quinta sinfonia.Beethoven compôs suas obras musicais eruditas na liberdade quebrando velhos paradigmas. O grande gênio da música clássica erudita Ludwig van Beethoven alemão nascido na cidade de Bonn em 1770 e faleceu em 1827 aos 56 em Viena. Um dos grandes compositores do estilo musical erudito, onde no conjunto de sua obra impera a liberdade, ele escrevia suas composições, suas obras quebrando velhos paradigmas da música clássica abrindo novos horizontes para a música erudita.