Pular para o conteúdo principal

Solução para combater a violência está na educação e não a redução da maioridade penal.


http://www.analiseagora.com/
Em vez de prisão educação de qualidade

A redução da maioridade penal não vai eliminar a violência entre os adolescentes. O caminho é investir pesado em educação de qualidade e gratuita. Nestes últimos dias a sociedade brasileira está sendo conduzida a discutir e se posicionar contra ou a favor da redução da maioridade penal para os adolescentes de 18 para 16 anos. As redes sociais estão cheias de debates que defende e aqueles que são contra. Percebem-se também muitas posições claras de várias autoridades que são contra a redução da maioridade penal. Por quer sabem que este não é o caminho para erradicar ou minimizar a violência juvenil, o norte correto é sem sombra de dúvidas investirem em educação de qualidade para todos.
Pela espécie do conteúdo podemos notar que esta discussão vai longe até a sua aprovação ou não. Certamente muitos debates ocorrerão simultâneos a pressões da sociedade organizadas a essa legislatura eleita pelo povo para o Congresso Nacional. Já considerada a mais retrógrada dessas últimas décadas. 

Nota-se que é um tema muitíssimo polêmico por quer entra em cena o personagem principal o adolescente. E o adolescente nessa sua fase de vida vive uma colossal polêmica existencial. Fazer com que esses jovens assumam uma responsabilidade de um adulto é realmente algo mais complicado do que possamos imaginar.
Impressão é que essa PEC nº 171/93, criminaliza e classifica os jovens como se todos fossem iguais no comportamento, no caráter, na formação, e na orientação familiar.  Põem todos no mesmo patamar comportamental, faz uma equiparação péssima de todos.  A partir do momento que for sancionada como lei, somente basta qualquer humano ser adolescente para ser rotulado de criminoso. Certamente muitas injustiças, discriminações e abusos de poderes poderão ser realizados pelas autoridades, a muitos adolescentes inocentes.

É sabido que nem todos os adolescentes são iguais. Existem sim aqueles que comentem crimes horríveis, mas é uma minoria que já vivem em um ambiente que o leva a praticar atos de violência. Entretanto, as grandes maiorias não comentem infrações; tem uma vida regrada e bem orientada junto aos seus familiares. Realmente esse serão os mais prejudicados. Podem por um motivo ou outro que não caracterize crime serem injustiçados e não conseguirem provar sua inocência.   Algumas pesquisas mostram que os jovens infratores estão torno de 10% e uma grande maioria sofre violência dos adultos. Tem aqueles que comentem crimes bárbaros e todos os dias a mídia policial anuncia essa triste realidade. Estes devem sim, ser reeducados para reaprender a conviverem em sociedade como manda a lei. Mas, para que isso venha acontecer o estado brasileiro têm que assumir a responsabilidade de proporcionar uma reeducação adequada e humana para reconduzir esses jovens infratores ao convívio social.

http://www.analiseagora.com/
Em vez de prisão educação para reduzir a violência

Analise esse trecho da Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC) “Nós temos uma média de 30 mil jovens de 15 a 29 anos, mortos por ano, desses 77% são negros e 93% são homens. Esta medida não atenta para as responsabilidades do Estado. É preciso uma política de educação com qualidade e estrutura capaz de manter crianças e adolescentes na escola. Esta é a porta de saída da violência”.
Reduzir a maioridade penal de 18 para 16 anos não vai resolver e eliminar a violência entre os adolescentes pelo contrário tudo tende a piorar ainda mais a situação já existente. Vamos pensar melhor! O sistema prisional brasileiro não está preparado humanamente para receber mais jovens infratores. Quem já viu um jovem infrator sair de qualquer casa prisional reeducado para continuar uma vida social correta? Geralmente muitos saem mais revoltados e determinados a continuar na vida da errada para sempre. Isso por quer essas casas são pessimamente inadequadas para reeducar os infratores, a mudar de comportamento e muito menos de vida. Óbvio que em tudo há exceções uma pequena quantidade até volta a conviver socialmente digno, mas são raros.

O problema é muito mais sério do que muita gente pensa. Muita gente pensa erroneamente, que simplesmente uma lei para reduzir a maioridade penal vai resolver o problema da violência e criminalidade entre os menores até 16 anos.  Os jovens precisam de educação e não de prisão. Prisão não reeduca ninguém e principalmente os adolescentes. Os legisladores deveriam focar atentamente em mais educação do que prisão. Educação é o grande passo para atacar o mal pela raiz. O governo e os legisladores poderiam até trabalharem juntos para abrir mais possibilidades de proporcionar educação de qualidade para todos os jovens; do que discutirem formas e idades para aprisioná-los.
 
A educação neste nunca foi e nunca será valorizada.
Investir na educação pode resolver muito a violência no Brasil.

Investir pesado em um novo sistema de ensino para produzir transformações positivas para todos os nossos jovens é o pesar sensato. Todavia deve ser uma educação real e não simplesmente um faz de conta. Em vez de construir presídios que se construíssem mais e mais escolas e universidades gratuitas para oferecer aos nossos jovens. Sabemos que a educação em nosso país é precária e onerosa para nossos jovens. Muitos nem conseguem concluir o ensino médio por quer existem diversos entraves que desestimulam os alunos a estudarem e logo pensam em trabalhar. Imediatamente percebem que não existe mais futuro. Vão simplesmente trabalhar em serviços que somente os exploram e vivem sem perspectiva de não receber um salário digno. Quem consegue entrar pelas portas de uma faculdade e universidade para realizar o sonho do ensino superior. Passa por grandes dificuldades, para quitar as mensalidades. E quando não conseguem são obrigados a desistirem, abortando o sonho de uma graduação. Os programas do governo ainda são tímidos em relação ao universo dos candidatos a uma vaga no ensino superior. O governo federal deveria investir pesado na educação é a melhor forma de reduzir a violência. Dinheiro existe para pagar o ensino para todos os brasileiros. Desde a creche ao ensino médio incluindo também todo o material didático e salário digno aos professores. O problema é que todo o dinheiro que poderia ser investido na educação está abastecendo a corrupção geradora da violência e criminalidade.

Todavia, em vez de se está discutindo PEC para a redução da maioridade penal, que todos se concentrassem para pensar numa lei que destinasse verbas pesadas para construir um novo sistema de educação para todos gratuitamente. A solução é educação para todos os jovens e não prisão. Ninguém é obrigado a concordar com a minha posição, mas sou radicalmente contra essa redução da maioridade penal. Sou a favor de mais educação grátis para todos, em todos os níveis. Podem até afirmar que é uma grande utopia, eu digo que é possível sim, pensar em mais educação do que em prisão. Pense quantos bilhões pagamos de impostos ao governo esse dinheiro vai para onde? O que falta então é vontade política para priorizar a educação de qualidade para reduzir a violência. §&%§

Postagens mais visitadas deste blog

A queima de fogos na virada do ano.

Queimar fogos de artifícios na acolhida do novo ano é linda, mas causa graves acidentes.As explosões dos fogos coloridos de artifícios no último dia e minutos do ano que está para ser encerrado tem seu auge exatamente as 23:59, quando der início a contagem regressiva para a chegada do novo ano.  É uma tradição que marca o advento do novo ano; ela é colorida, bonita e perigosa ao mesmo tempo, quando manipulada por imperícia, provoca sérios acidentes.  Ao longo dos anos vem aumentando o índice de acidentes graves durante a queima de fogos, geralmente por pessoas que não seguem as regras de segurança indicadas pelos fabricantes.

Você já rotulou alguém de burro?

Esta atitude é preconceituosa, machuca o sentimento de outrem, pare com isso.
Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas tem uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.  Esta expressão preconceituosa já feriu e continua ferindo o sentimento de muita gente. Atualmente o preconceito vem sendo praticado de maneira escancarada, e com muito mais força, do que em outras épocas. A hostilidade entre as pessoas sempre existiu de forma velada no país, mas agora está passando dos limites nas redes sociais. Provavelmente em certos momentos da vida, alguém já o chamou de “burro”, na pura intenção de ofe…

O alcoolismo é uma enfermidade destruidora do ser humano.

Os alcoólatras não surgem da noite para o dia, mas a partir dos contínuos goles das bebidas alcoolizadas.  Os pacientes alcoólatras necessariamente precisam reconhecerem que o alcoolismo é uma doença. Porém, esse é o primeiro passo para todos os alcoolistas sofredores, iniciarem uma longa caminhada rumo a sanar esta enfermidade; que atormentam as suas vidas. Todos os seres humanos padecedores, através do uso compulsivo do álcool, não se geram da noite para o dia, mas começam a se desenvolverem a partir de um processo embrionário lento. E comumente muito cedo na vida, especialmente, as fases da adolescência e   juventude que atravessam a maioridade; até o fim da vida.

Sorte não existe o que existe é oportunidade e competência.

Todos devem saber construir a sua história com competência.A vida é uma permanente construção, saber administrar as oportunidades que surgem para fazer uma construção sólida é uma questão de competência e não de sorte. Nenhuma pessoa pode deixar que as coisas possam acontecer através da sorte; algo simplesmente ilusório e inexistente. Ninguém jamais poderá prever o futuro, mas com absoluta certeza precisa planejar com antecedência e perfeição os próximos dias, meses e anos. Fazer esta árdua tarefa sempre; enquanto permanecer respirando fôlego de vida neste mundo. Principalmente numa comunidade de gente submergida em status social avarenta e egoísta. Para viver dignamente nesta sociedade materialista, consumista e competitiva é imprescindível que cada pessoa, seja agente provedor de sua própria história, construtor de seu futuro.

A família Barros no Brasil e no mundo.

APELO DESAFIADOR.
Após vários apelos de familiares, amigos, descendentes da Família Barros que pediram para pesquisar e escrever um artigo sobre as nossas raízes. Agora tomei coragem e assumi esta responsabilidade de fazer este trabalho. Uma missão desafiadora e ao mesmo tempo, muito interessante conhecer as nossas raízes. Em psicologia podemos entender esta busca do homem por sua identidade familiar. Faz parte do ser humano acalentar esta curiosidade de saber onde somos e de onde viemos e que estirpes saíram. Uma tarefa dificílima, mas aos poucos fui construindo esta trajetória histórica. Quero adiantar que é um trabalho de análise histórica genérica e não uma genealogia de uma única família específica. Por isso, considero incompleto este singelo trabalho, devido à grandiosidade desta família espalhada pelo o Brasil e o mundo, mas que pode ser aperfeiçoado através da colaboração dos leitores.

O homem e seus vícios que os conduzem a humilhação.

Todos os homens carregam em sua essência o peso da desobediência com o Criador. O homem carrega em sua essência a natureza pecaminosa herdada desde a criação dos primeiros humanos Adão e Eva. Eles foram gerados, a imagem semelhança de Deus perfeitíssimo, mas infelizmente pecaram. Porém se travou na história humana uma luta feroz e constante contra o pecado. Através do pecado a história da humanidade mudou e desde aquela época até hoje, todos sofrem com as consequências da desobediência dos primeiros homens para com Seu Criador. Os humanos adquiriram vários vícios que os oprimem e os deixam em situações de humilhações e escravidões diante da família, amigos e a sociedade.   Tem muitos casos sem volta, outros, no entanto existem soluções quando os próprios viciados se conscientizarem dos seus estados doentios, mas   de livre e espontânea vontade procuram ajuda.

Favicon do blog analiseagora.

Todo blog necessita de uma identificação na web para melhor o público encontrar com facilidade. Esta é a favicon do blog analiseagora. Podem perceber que o título do mesmo, contém quatro letras repetidas [a] então resolvi personalizar como ícone do blog. Essa letra está na fonte Georgia na cor branca com o fundo azul escuro. Como o blog ainda está na sua fase inicial tudo é realizado às pressas e também de maneira simples, mas certamente o blog será reconhecido com muita facilidade pelos leitores quando realizarem suas buscas na internet.
Ainda que seja simples, mas foi criado com muito esmero e carinho a partir do meu conhecimento em design. Posso garantir ao meu público que me esforçarei para a curto prazo, criar uma outra favicon. Tudo terá novo visual, e seguramente deverá ser equivalente ou superior a altura do padrão de qualidade do blog analiseagora. Tudo para agradar a todos aqueles que aqui chegarem, e possam despertar seu interesse de permanecer por muito tempo pesquisando n…

O chorinho é a música arte refinada e popular do Brasil.

Chorinho a música arte e popular do Brasil.A música é uma das alas da arte mais refinada que traduz fielmente a cultura, os costumes, os sentimentos e principalmente a história de todos os povos. Ela dispõe de uma lâmina afiadíssima para romper barreiras intransponíveis de outras culturas e interagir com facilidade junto as outras nacionalidades.  Alguns gêneros musicais que nascem em uma determinada nação, em época definida, se espalham por toda a parte contagiando a todos de uma forma unanime, sem precedentes de gerações para gerações, isso sim; é de fato arte em forma de música. A música que nasceu   e se constitui em expressão cultural de certos povos, não morre no tempo e no espaço por que tem conteúdo artístico e é imortal. Contudo, a música arte, representa a vida das pessoas. Ela em todos os momentos se rejuvenesce diariamente.

Natal focalizado no consumismo e distante do real sentido cristão.

O período natalino é especial para a reflexão e descobrir o verdadeiro sentido cristão.
O natal momento de reflexão ou simplesmente de consumoimpulsivo? O nascimento de Jesus é o maior mistério teológico da humanidade! Deus Soberano se fez humano e gerou-se no ventre de uma mulher Maria. Tudo para em breve nascer, derramar seu sangue santo em uma bruta cruz, morrer e ressuscitar gloriosamente, para salvar a humanidade da morte eterna; provocada através do pecado. Neste mistério está o legitimo sentido do natal para a humanidade cristã. E não no consumo descontrolado da sociedade contemporânea na época natalina. Mais uma vez o natal chegou sobre os sons das badaladas dos sinos do papai Noel. Anunciando mais uma celebração cristã que vem se perdendo seu legitimo sentido para o comércio e o consumo impetuoso todos os anos numa acelerada intensidade.

Finalmente 2018! E agora?

O ano recém chegou, mas é necessário traçar metas e planejamentos. Após tantas crises econômicas, financeiras, e morais do país. Além dos aumentos de preços em tudo finalmente chegou o novo ano. Foram muitas as badalações, euforias, estresses e ansiedade do ano que se findou, a festa e a decepção da mega sena da virada para quem sonhou e errou. Aqueles que acertaram os números das probabilidades maravilha e quem não acertou tem que continuar a sonhar durante o ano até chegar a próxima mega da virada do fim do ano. Porém, finalmente chegou mais um ano novo o de 2018. Agora é o momento de todos organizarem seus objetivos a serem desenvolvidos no decorrer desse novo clico do calendário que guiará todos os negócios das pessoas e toda a engrenagem do funcionamento da sociedade, durante esses 365 dias. Muitos acontecimentos sejam eles bons ou ruins estão por vir durante esse novo ciclo e marcará para sempre a história da humanidade.