Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

Iluminando Mentes é uma jornada da Alegoria da Caverna à Educação Moderna.

  Da Caverna à Luz: transformando a Educação de forma, compaixão e criatividade. A cena criada por IA da alegoria da Caverna de Plantão. A Alegoria da Caverna de Platão, narrada em A República*, é uma metáfora filosófica atemporal que explora o caráter da realidade, do conhecimento e da educação. Nesta história, os prisioneiros acorrentados desde o nascimento só têm acesso às sombras projetadas na parede de uma caverna, acreditando serem a realidade. Ao se libertar, um prisioneiro experimenta a luz do sol e a diversidade da realidade, retornando à caverna para compartilhar suas descobertas com os outros. A educação moderna, sob diversos aspectos, se assemelha à caverna platônica. Muitas vezes, os estudantes estão confinados em um espaço limitado, recebendo informações sem contexto ou aplicação prática, como se estivessem presos a uma parede. A abordagem superficial limita o desenvolvimento do pensamento crítico e da compreensão mais aprofundada do mundo, perpetuando a ignorância e a al

A fragilidade da vida humana.

É o foco desta discussão, a fragilidade da vida.


A imagem de fundo azul e caracteres nas cores cinzas está inscrito: A vida humana é frágil.
Na imagem está inscrito: a vida humana é frágil.


Ainda que, existam detalhes na vida diária, tais como as enfermidades podem parecer insignificantes, para alguns seres, são necessários cuidados especiais e valiosos permanentes, demonstrando o quão frágil é a existência humana.

Apesar de, os pesquisadores da saúde tenham feito diversas descobertas relevantes para compreender e curar as doenças dos seres humanos e prolongar a existência, as conquistas ainda são iniciais e, a cada instante, somos surpreendidos com as novas debilidades que desafiam o conhecimento humano. Dessa forma, nas áreas das ciências médicas, que investigam a existência, elas certamente caminham em direção à compreensão e valorização de uma vida melhor. Uma vez que há uma abundância de trabalhos de pesquisa a serem realizados neste campo.


Há doenças que desafiam a ciência e os cientistas.


Os cientistas se esforçam para encontrar a cura para as doenças que, há muitos anos, os desafiam e os deixam no vazio. Uma luta permanente está sendo travada. Visando realizar descobertas inéditas que sejam imprescindíveis numa abordagem de busca incansável para responder aos desafios das doenças desconhecidas e letais. Contudo, os cientistas têm sempre aperfeiçoado as suas pesquisas a partir da realidade e das experiências vividas ocular e diariamente, para encontrar soluções que parecem impossíveis. Eles vão a campo buscar soluções ou curas para as doenças que, até então, eram incuráveis.


A fragilidade humana pode não ser objeto de estudo científico ou de outras ciências humanas, mas, como seres humanos, somos apenas mortais. Dessa forma, elegeremos este aspecto da vida como relevante e de reflexão profunda, apesar de não haver uma resposta, uma vez que ninguém escapa à realidade existencial, a finitude.


A vida humana é forte, mas é perceptível o seu caráter frágil, semelhante e valioso ao cristal.


A vida, sem dúvida, é insuperável, mas, ao mesmo tempo, há momentos de exaustão, o que é comparável à fragilidade de um cristal. Contudo, este texto não aspira estabelecer uma definição sobre a vida, uma vez que existem diversas. Contudo, é possível refletir sobre o sentimento que habita o nosso ser, a fragilidade existencial.


Ao analisar a história das atividades entre os grandes pensadores e cientistas para formular uma interpretação persuasiva e harmônica sobre a vida, percebe-se que todos se distanciam a passos largos de um consenso entre si e suas mais divergentes ideias sobre o conceito de existência.


É perceptível que existem tratados de grande relevância, repletos de teses científicas extraordinárias a respeito da vida. Contudo, apesar de haver muitas mortes, há tentativas de estabelecer definições claras e objetivas da vida, seja no âmbito religioso, científico ou em todas as áreas do conhecimento humano. No entanto, isso parece muito distante devido ao pensamento divergente de cada indivíduo, baseado em suas convicções ideológicas bem definidas.


Há uma vasta literatura que visa aprimorar a compreensão da vida de uma perspectiva mais ampla.



É admirável existir uma literatura universal dedicada à busca de elucidar o que é a vida, diante de diversos conceitos variados e enfoques diferenciados. No entanto, parece-me que ainda estamos longe de uma definição abrangente e perfeita. Há um longo caminho a ser trilhado, buscando material para pesquisas aprofundadas e tranquilos, em parâmetros científicos e frenéticos, para decifrar e compreender alguns mistérios da vida.


Diante da complexidade que é a vida maravilhosa, focarei apenas em um único detalhe, o que me despertará a atenção, como leigo e mero observador. Isso me deixa em momentos de introspecção, quando retornei às revisões médicas. Em geral, nos deparamos com situações semelhantes às nossas, que revelam a fragilidade da vida. São os últimos instantes em que se tem a impressão de que as pessoas estão em estado de debilitação, a sua morte física. Cenas naturais e normais das mais diversas causas que afetam o estado de saúde. Essas realidades sempre me deixam impressionado, reflexivo e questionador quanto à frágil natureza da vida.


É possível perceber a vulnerabilidade da vida humana ao visitar os enfermos nos hospitais.

Os melhores lugares para perceber esta fragilidade humana in loco são em hospitais públicos. Seja para visitar os enfermos, seja para comparecer às consultas mensais ou semestrais, na tentativa de encontrar as curas para as nossas enfermidades; é ali que se percebe o quão frágil a vida é.


Esses lugares estão lotados diariamente por semelhantes humanos em busca dos mesmos recursos oferecidos pela inovação na área da medicina para tratar as diversas doenças.


Só se percebe o quanto a vida é frágil, nas situações    difíceis, que surge o sentimento de impotência. 

Ao comparar e estabelecer uma relação entre causas e efeitos, é possível notar que a minha patologia ainda é inferior à de muitos outros pacientes. Contudo, enfrentamos um excesso de pessoas, algumas delas até mais fracas que nós. Há uma projeção de que somos mais fortes, estamos em posição melhor diante das fragilidades da saúde do outro. Ainda assim, o sentimento que permanecem nas nossas mentes é de grande frustração e imponências por não poder auxiliar os outros semelhantes.


A vida é como uma engrenagem, mas composta por células perfeitas, que trabalham sincronizadamente para que tudo funcione perfeitamente. Qualquer desajuste existe, não funciona mais adequadamente e o nosso organismo é invadido por agentes bacterianos que, se não forem corrigidos a tempo, podem causar doenças e até o óbito.




Se puder observar de perto as mais diversas áreas de um hospital, terá a oportunidade de ver de perto a fragilidade humana estampada em cada expressão de dor e sofrimento, mas sempre há uma chama de esperança para curar as mais complexas enfermidades. Quando estamos saudáveis, parecemos invencíveis, como uma rocha, mas, quando estamos doentes, definhamos moribundos por qualquer doença. A fragilidade humana estará presente na nossa pele. Temos a impressão de que somos o ser mais frágil entre todos os outros seres insignificantes do mundo. Apesar de sermos invencíveis, caímos do trono da empáfia e tudo desmorona por completo. Se formos arrogantes, logo despertaremos um sentimento de simplicidade e teremos a certeza de que temos uma vida fundamentada na fragilidade.



Uma bactéria desconhecida e sem controle pode ser mais poderosa do que o homem que se julga o senhor do mundo, o dono supremo, com a postura de superioridade sobre os seus semelhantes. A fragilidade da vida é uma característica existencial e real que está presente em todos os seres humanos. O bom é que não damos muita importância a isso no nosso dia a dia. Todavia, nem sempre é benéfico para ninguém e, sobretudo, para a nossa mente cultivar algo desse tipo de existência.


A vida é fascinante e frágil, mas todos devemos desfrutar dela com alegria e qualidade até o fim.


Sendo assim, a vida é maravilhosa, complexa e cheia de falhas, por isso, o prazer é, sim, apreciar a existência de uma forma sempre saudável, excluir tudo o que é ruim para a saúde e incluir tudo o que avaliamos ser bom para termos qualidade no viver. Somente dessa forma, poderemos ter uma existência melhor e com mais qualidade de vida.


A vida deve ser vivida com alegria, harmonia e simplicidade. Sendo assim, o sentimento de arrogante e orgulho nos impede de desenvolver a humildade necessária para produzir a emoção da felicidade em nosso ser. Apesar de sermos fortes, não podemos nos deixar enganar pela audácia da prepotência e lembrar que temos uma vida perseguida permanentemente devido à fragilidade humana inerente.

Comentários

  1. "À vista disso, o sentimento arrogante e orgulhoso tende não nos permitir a gerar em nossa essência a sensação de humildade para produzir em nosso ser a emoção da felicidade". (Fonte:https://www.analiseagora.com/2013/04/a-fragilidade-da-vida-humana_27.html )

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O arrogante não vai longe! Quanto mais alto estiver a queda será maior e nem perceberá nada!!

      Excluir

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu comentário é muito importante para nosso trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.