Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

O Muro da Mauá: Sentinela de Porto Alegre entre Memória e Futuro

  A majestade do Muro da Mauá protege Porto Alegre desde 1974. A Rodoviária de Porto Alegre, alagada pelo enchente do Guaíba, em 2024. O Muro da Mauá , majestosamente erguido entre o Cais Mauá e a Avenida Mauá, no coração de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, ostenta algo muito além de sua imponente estrutura de concreto. Sua história, entrelaçada com as águas revoltas do Rio Guaíba , iniciou-se na década de 1970 como resposta à devastadora enchente de 1941 . Hoje, este gigante de concreto se ergue como guardião da cidade, enfrentando os desafios climáticos e preservando a memória coletiva. Mais que proteção contra enchentes: um marco histórico e social Embora sua função primordial seja proteger a região central da cidade de inundações causadas pelo Guaíba, o Muro da Mauá assume um papel muito mais amplo: Desenvolvimento urbano: O sistema de diques e comportas associado ao muro possibilitou o desenvolvimento seguro de áreas adjacentes ao rio, impulsionando o crescimento da cidade. Valor

Nicolau Maquiavel e “O Príncipe”: Uma Análise Atualizada

 A Itália, a favor do renascimento

A foto mosta a  capa do livro de Maquiavel, o Príncipe.
A capa do livro de Maquiavel, o Príncipe.


No cenário de agitação política da Renascença italiana, Nicolau Maquiavel (1469–1527), um filósofo político, emergiu com “O Príncipe”, um tratado seminal sobre a arte de obter e manter o poder. Escrito em 1513, o livro foi mal interpretado e gerou controvérsias, mas ainda é considerado um pilar no pensamento político, oferecendo opiniões valiosos sobre a natureza do poder e a dinâmica entre líderes e liderados.

Contexto Histórico e Político

A Itália do século XV ao XVI era um emaranhado de cidades-estado beligerantes. A experiência de Maquiavel em Florença, uma cidade marcada por essa instabilidade, influenciou profundamente sua concepção de política, voltada para a formação de um governo robusto e estável que unificasse a nação.

Obra e Vida de Maquiavel.

Como diplomata e funcionário público, Maquiavel foi um observador astuto dos meandros políticos. Sua obra não se limita a “O Príncipe”; ele também é autor de “Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio”, “A Arte da Guerra”, entre outros, refletindo sua erudição e agudeza política.

“O Príncipe”: Ideias Centrais

Maquiavel aborda a política de maneira pragmática em “O Príncipe”, enfatizando a capacidade do líder em preservar sua posição. Ele defende que o governante deve ser virtuoso e, se necessário, disposto a empregar força e engano. A sorte, ou “fortuna”, também é um tema recorrente, destacando seu papel no jogo político.


Virtù e Fortuna: A “virtù” de Maquiavel não se refere apenas à virtude no sentido moral, mas à qualidade de um líder de ser ágil, astuto e estratégico. É a habilidade de um governante de responder eficazmente às mudanças, aproveitando oportunidades e minimizando riscos. A “fortuna” é o elemento de sorte ou acaso na vida política, algo que pode ser moldado, até certo ponto, pela “virtù”. Maquiavel acredita que, embora não possamos controlar completamente a “fortuna”, podemos preparar-nos e adaptar-nos para influenciá-la a nosso favor.


Ser Amado ou Temido: Maquiavel argumenta que, embora seja ideal ser tanto amado quanto temido, isso raramente é possível. O medo é mais confiável porque depende menos da vontade das pessoas e mais do controle do governante. No entanto, ele adverte contra o uso excessivo do medo, pois isso pode levar ao ódio, o que é perigoso para o governante. A crueldade deve ser bem calculada e usada apenas para manter a ordem e a autoridade.


A Importância das Aparências: Para Maquiavel, as aparências podem ser tão importantes quanto a realidade. Um governante sábio deve parecer virtuoso e justo, mesmo que suas ações internas sejam diferentes. Isso ajuda a manter a ordem e a lealdade, pois as pessoas tendem a ser influenciadas pelo que veem e percebem.


A Conquista e Manutenção do Poder: Maquiavel oferece conselhos pragmáticos sobre como um governante pode conquistar e manter territórios. Ele sugere que novos territórios devem ser governados com uma mistura de força (para dissuadir os descontentes) e astúcia (para ganhar apoio). A manutenção do poder também envolve a prevenção de ameaças internas e externas, mantendo as forças armadas fortes e o povo satisfeito.


Desconstruindo Mitos sobre Maquiavel e “O Príncipe”: Maquiavel é frequentemente associado ao cinismo e à crueldade política, mas essa visão é simplista. Ele era um realista que entendia a complexidade do poder e a necessidade de um governo estável. Seu trabalho não é um manual para tiranos, mas um guia para governantes que querem entender melhor as realidades do poder e como navegar por elas com eficácia.

O Estigma Maquiavélico: O adjetivo “maquiavélico” tornou-se sinônimo de manipulação e crueldade, distorcendo o verdadeiro significado do trabalho de Maquiavel. É crucial compreender o autor como um analista perspicaz da política, e não como um conspirador. Sua obra deve ser interpretada com uma mente aberta, contextualizando suas ideias e adaptando seus conceitos aos desafios atuais.

A Relevância Contínua

“O Príncipe” ainda é um guia vital para políticos e estrategistas, oferecendo lições sobre liderança, adaptabilidade e assumem político. As visões de Maquiavel são atemporais, fornecendo orientação valiosa para a governança em qualquer era, particularmente em períodos de incerteza política.

Considerações Finais

O legado de Maquiavel é complexo e multifacetado, mas sua contribuição à filosofia política é incontestável. “O Príncipe” fornece visões profundos sobre o poder e a governança que, quando lidos criticamente e no contexto adequado, podem iluminar o caminho para um futuro mais equitativo e próspero.


O Príncipe é um livro importante para políticos e estrategistas. Ele ensina sobre liderança, flexibilidade e conhecimento. A obra oferece percepções valiosos sobre os desafios da governança em qualquer época, especialmente em tempos de turbulência política.

__________

Referências:


Virtù e Fortuna:

MAQUIAVEL, Nicolau. O Príncipe. Tradução de Lívio Xavier. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

Ser amado ou temido:

MAQUIAVEL, Nicolau. Discursos sobre a primeira década de Tito Lívio. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1982.

A Importância das Aparências:

MAQUIAVEL, Nicolau. Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. Tradução de Gabriel Nocchi Macedo. Petrópolis: Vozes, 2013.

A Conquista e Manutenção do Poder:

MAQUIAVEL, Nicolau. A Arte da Guerra. Tradução de Domício Proença Filho. Rio de Janeiro: Ediouro, 1996.

Desconstruindo Mitos sobre Maquiavel e “O Príncipe”:

BERLIN, Isaiah. As ideias políticas na era romântica: ascensão e influência no pensamento moderno. Tradução de Helena Martins. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

O Estigma Maquiavélico:

BOBBIO, Norberto. Maquiavel e o maquiavelismo. In: BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. Tradução de Carmen C. Varriale et al., Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1992.

BARROS. O príncipe: o livro mais controvertido da política universal. analiseagora, 23 maio 2016. Disponível em: O livro mais controvertido Acesso em: 27 abr. 2024.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.