Pular para o conteúdo principal

O príncipe o livro mais controvertido da política universal.

http;//www.analiseagora.com/
livro O Príncipe de Nicolau Maquiavel  
Neste mês de maio os apaixonados das leituras politicas terão muito a recordarem, falarem e discutirem sobre o pensador italiano, “Niccolò di Bernardo dei Machiavelli” a tradução para o português Nicolau Bernardo Maquiavel. Autor do mais controvertido compêndio de ensinamento político "o príncipe". Seu nascimento foi no dia 03, de maio de 1469 na Itália, falecendo em 21 de junho de 1527 em Florença. 

Este ano   são comemorados mais de meio século de consistência desta obra da literatura política clássica, do período renascentista.  Repleta de grandes polêmicas no palco da política mundial. Há uma vasta literatura sobre esta obra impactante entre os pensadores e cientistas políticos. Cada tem elabora uma versão de interpretação de acordo com sua ideologia e sua área de atuação e vivência como ser político. Uns enaltece outros condenam a proposta política de Nicolau, porém existe uma unanimidade que reconhecem esta obra como o verdadeiro referencial para todos os cidadãos que almejam chegar e se manter ao poder possuir as verdadeiras virtudes para agir em determinadas situações mantendo-se no poder conquistando adesões que os fortaleça como governante autêntico.
Porém o fato imperioso no campo político sem dúvida é a comemoração da conclusão e publicação do livro mais lido por quase todos os políticos do mundo. Esta obra magnânima da arte da política foi concluída em 10 de dezembro de 1513. Este ano especificamente em dezembro, este tratado sobre política faz um aniversário de 503 anos de história no meio político mundial. Nesta matéria não irei analisar o mérito precioso do conteúdo deste clássico mundial da literatura política e muito menos fazer uma resenha do livro. Apenas quero fazer outra leitura, tentar esclarecer as formas desprezíveis e preconceituosas como este compêndio maravilhoso foi repassado ao longo da história, desmotivando muita gente a ler esta obra prima da política como arte de governar.   Meu objetivo é procurar desmitificar essas ideias erradas e incentivar a leitura deste arquétipo da arte de governar e sobre a visão de Nicolau para os nossos dias.

Para que o leitor adquire o interesse em ler esta excelente obra é fundamental que se volte à contextualização histórica em passava a Itália da época em que foi escrito este livro. A Itália dos séculos XV e XVI estava no auge do renascimento cultural e intelectual, mas atravessava uma fase perturbada por guerras, assassinatos violentos, conspirações e traições entre os poderosos. Dentro de uma Itália dividida Maquiavel vivenciou estes conflitos que certamente os trouxeram dissabores e ao mesmo tempo, fizeram renascer o desejo a este grande intelectual o sentimento da unificação plena de seu país.  Em todo este contexto histórico que Nicolau arquitetou sua obra o governante, o Príncipe sábio, virtuoso e forte para manter o poder único e estabilizado utilizando os caminhos corretos para se concretizar este desejo como cidadão e pensador da época.

Devido as grandes perseguições que Maquiavel sofreu durante sua vida, esta obra foi considerada pelo poder dominante da época como sendo um livro subversivo, até certo ponto compreensiva diante dos mais ambiciosos interseres dos governantes da época. E principalmente para o contexto histórico em que Maquiavel escreveu esta obra visando à volta de um príncipe ao poder. Infelizmente os poderosos deturparam de uma maneira ideológica direcionada a minar a expansão do pensamento de Nicolau Maquiavel no campo político. Pelo seu brilhantismo, as tentativas dos poderosos foram improfícuos.   O pensamento de Nicolau traspassou as entranhas da política e continua sendo vigorosa durante estes mais de quinhentos anos de existência.

Desde aquela época conseguiram estigmatizar e propagarem eficientemente para o povo até os nossos dias, esta visão negativa do grande pensador e criador da política moderna.  Este pensamento é plenamente difundido principalmente entre as pessoas, e entre as nações que lê pouquíssimo e geralmente as obras deste nível e estilo como “O Príncipe de Maquiavel”.  Para ler e compreender esta obra o leitor obrigatoriamente deve ter uma formação que possa chegar o grau de compreensão que o escritor exige. Muitos até tentaram ler, mas desistem por quer não dispõe de uma formação apropriada. As melhores formas que encontraram para excluir da história foram geradas ao longo deste período, as críticas principalmente póstumas, instituindo, a partir de seu próprio nome o adjetivo maquiavélico, que é extremamente pejorativo, passando a ideia de astúcia, esperteza, aleivosia, sagaz, má fé, logro e atrocidade, fingimento, etc.

Tem muitas pessoas que nunca leram o livro “O príncipe de Maquiavel”, e muitos nem sabem o significado deste adjetivo pejorativo "maquiavélico" e enchem o peito e dizem levianamente isto é uma estratégia maquiavélica, aquele sujeito parece   ser um   excelente conhecedor do pensamento de Maquiavel. Agora se entende por quer os políticos são maquiavélicos, etc. e assim por diante sempre se ouve expressões que são verdadeiras pérolas da ignorância em relação a um grande autor de um esplêndido manual de política para todos os políticos e a população que deseja conhecer os meandros do poder.

Há um bordão popular inspirado em Maquiavel, ”os fins justificam os meios” esta sentença nunca foi escrita por Maquiavel no livro “o príncipe” no decorrer da história no meio político criou essa interpretação pseud. sobre suas ideias de criar um país unificado. Esta frase deve ser compreendida dentro de todo o contexto histórico e político que vivia o escritor na época. E não simplificar nesta frase gerada por interpretações errôneas como se fosse à base do conteúdo do livro espetacular sobre fundamentos da política moderna.   O que ele pretendia explicar era: que o monarca deveria ser alguém dotado de capacidades para agir sem medir esforços para atingir os objetivos de governar aguerridamente para unificar a nação italiana despedaçadas em desavenças. Essa era a justificativa ele buscava a união e estabilidade do governo e nada mais. Durante muitos anos ouve muitas interpretações para este objetivo de Maquiavel e muitos sintetizaram esta frase que tornou um celebre bordão para muitos que se dizem entendidos em Maquiavel. Uma das pérolas mais citadas: “os fins justificam os meios”, pronto esta pessoa já se acha um perito das obras de Nicolau sem ao menos ter lido absolutamente nada ou por simplesmente em uma “rodada de bate papo” ter ouvido esta expressão estranha. 

No entanto, ressalto que existem muitas pessoas que por natureza são autodidatas e tem uma persistência inabalável quando começam a ler uma obra por mais complexa que seja desperta em seu ser um desejo absoluto de ir até o fim e, além disso, procura ajuda de quem possui uma compreensão sólida sobre o assunto. Por quanto, diante de todas estas barreiras impostas ao grande autor Maquiavel e seu manual político moderno, sua obra transcendeu a história e continua sendo um dos grandes referenciais dos políticos estrategistas, que pensam chegar ao poder e permanecer no poder segundo suas formas e regimes de governos de cada nação.

O livro é sem dúvida um excelente receituário cientifico da política moderna e certamente muitos políticos tem muito que apreender com este grande pensador estrategista principalmente neste período em que nosso país se prepara para novas eleições gerais no próximo ano. Muitas articulações políticas estão sendo feitas a partir dos estrategistas que certamente tem como fonte de inspiração para elaborarem suas abordagens visando o poder a partir do livro “o príncipe” de Nicolau. Quem ama a política como ciência os faço encorajar a todos lerem este manual desprovido de qualquer conceito pré-constituído, fundamentado principalmente por comentários de segundos ou terceiros em relação ao autor e principalmente sobre este manual cientifico que traça linhas gerais para se estabelecer um governo. Indispensável ir até a fonte para ler e procurar colher o néctar da obra para aplicar aos nossos tempos.


Óbvio que há muitas controvérsias sobre o pensamento de Nicolau, e nem poderia ser diferente devido sua grandiosidade como o mesmo descreve cientifica, filosófica e politicamente: passo a passo a posição de um governante, as divergências são evidentes surgirem porque nem todos comungam das mesmas ideias, isso é mais que natural, até gerar o bom debate entre os formadores de opiniões. Entretanto, sobretudo é imprescindível a leitura sempre focada no contexto histórico da época para fazer aplicações práticas para o momento atual. E pensar a política como arte e ciência a nível mundial. Somente através da leitura que se formará uma nova hermenêutica atualizada partindo da realidade de cada nação, para gerar políticas públicas reais, tendo como fundamentos teóricos para adaptações o pensamento de Maquiavel. Desejo a todos uma boa e minuciosa leitura do livro o príncipe.  

Postagens mais visitadas deste blog

O alcoolismo é uma enfermidade destruidora do ser humano.

Os alcoólatras não surgem da noite para o dia, mas a partir dos contínuos goles das bebidas alcoolizadas.  Os pacientes alcoólatras necessariamente precisam reconhecerem que o alcoolismo é uma doença. Porém, esse é o primeiro passo para todos os alcoolistas sofredores, iniciarem uma longa caminhada rumo a sanar esta enfermidade; que atormentam as suas vidas. Todos os seres humanos padecedores, através do uso compulsivo do álcool, não se geram da noite para o dia, mas começam a se desenvolverem a partir de um processo embrionário lento. E comumente muito cedo na vida, especialmente, as fases da adolescência e   juventude que atravessam a maioridade; até o fim da vida.

A queima de fogos na virada do ano.

Queimar fogos de artifícios na acolhida do novo ano é linda, mas causa graves acidentes.As explosões dos fogos coloridos de artifícios no último dia e minutos do ano que está para ser encerrado tem seu auge exatamente as 23:59, quando der início a contagem regressiva para a chegada do novo ano.  É uma tradição que marca o advento do novo ano; ela é colorida, bonita e perigosa ao mesmo tempo, quando manipulada por imperícia, provoca sérios acidentes.  Ao longo dos anos vem aumentando o índice de acidentes graves durante a queima de fogos, geralmente por pessoas que não seguem as regras de segurança indicadas pelos fabricantes.

Você já rotulou alguém de burro?

Esta atitude é preconceituosa, machuca o sentimento de outrem, pare com isso.
Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas tem uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.  Esta expressão preconceituosa já feriu e continua ferindo o sentimento de muita gente. Atualmente o preconceito vem sendo praticado de maneira escancarada, e com muito mais força, do que em outras épocas. A hostilidade entre as pessoas sempre existiu de forma velada no país, mas agora está passando dos limites nas redes sociais. Provavelmente em certos momentos da vida, alguém já o chamou de “burro”, na pura intenção de ofe…

Sorte não existe o que existe é oportunidade e competência.

Todos devem saber construir a sua história com competência.A vida é uma permanente construção, saber administrar as oportunidades que surgem para fazer uma construção sólida é uma questão de competência e não de sorte. Nenhuma pessoa pode deixar que as coisas possam acontecer através da sorte; algo simplesmente ilusório e inexistente. Ninguém jamais poderá prever o futuro, mas com absoluta certeza precisa planejar com antecedência e perfeição os próximos dias, meses e anos. Fazer esta árdua tarefa sempre; enquanto permanecer respirando fôlego de vida neste mundo. Principalmente numa comunidade de gente submergida em status social avarenta e egoísta. Para viver dignamente nesta sociedade materialista, consumista e competitiva é imprescindível que cada pessoa, seja agente provedor de sua própria história, construtor de seu futuro.

As mentiras da classe política da direita é esclarecida através da história.

A história revela as mentiras da classe política direitista do Brasil.
A história da humanidade é marcada através da polarização ideológica entre esquerda e direita. O Brasil não é diferente. Essa bipolaridade ideológica se acirrou veementemente na história recente. A tendência é aumentar esse incitamento naturalmente daqui para frente na disputa pelo poder entre esquerda e direita. A direita do Brasil é uma ampla classe política e partidária formada através de um conjunto de setores sociais direitistas, que pensam e agem contra os interesses da população carente e que pensam ao contrário deles. Ela é constituída com todos os partidos de direita, a burguesia retrógrada, a elite reacionária e dominante, mais a mídia golpista brasileira e muitos grupos minoritários e ultradireitistas que estão infiltrados nos mais diversos setores da sociedade nacional.

A família Barros no Brasil e no mundo.

APELO DESAFIADOR.
Após vários apelos de familiares, amigos, descendentes da Família Barros que pediram para pesquisar e escrever um artigo sobre as nossas raízes. Agora tomei coragem e assumi esta responsabilidade de fazer este trabalho. Uma missão desafiadora e ao mesmo tempo, muito interessante conhecer as nossas raízes. Em psicologia podemos entender esta busca do homem por sua identidade familiar. Faz parte do ser humano acalentar esta curiosidade de saber onde somos e de onde viemos e que estirpes saíram. Uma tarefa dificílima, mas aos poucos fui construindo esta trajetória histórica. Quero adiantar que é um trabalho de análise histórica genérica e não uma genealogia de uma única família específica. Por isso, considero incompleto este singelo trabalho, devido à grandiosidade desta família espalhada pelo o Brasil e o mundo, mas que pode ser aperfeiçoado através da colaboração dos leitores.

O homem e seus vícios que os conduzem a humilhação.

Todos os homens carregam em sua essência o peso da desobediência com o Criador. O homem carrega em sua essência a natureza pecaminosa herdada desde a criação dos primeiros humanos Adão e Eva. Eles foram gerados, a imagem semelhança de Deus perfeitíssimo, mas infelizmente pecaram. Porém se travou na história humana uma luta feroz e constante contra o pecado. Através do pecado a história da humanidade mudou e desde aquela época até hoje, todos sofrem com as consequências da desobediência dos primeiros homens para com Seu Criador. Os humanos adquiriram vários vícios que os oprimem e os deixam em situações de humilhações e escravidões diante da família, amigos e a sociedade.   Tem muitos casos sem volta, outros, no entanto existem soluções quando os próprios viciados se conscientizarem dos seus estados doentios, mas   de livre e espontânea vontade procuram ajuda.

Favicon do blog analiseagora.

Todo blog necessita de uma identificação na web para melhor o público encontrar com facilidade. Esta é a favicon do blog analiseagora. Podem perceber que o título do mesmo, contém quatro letras repetidas [a] então resolvi personalizar como ícone do blog. Essa letra está na fonte Georgia na cor branca com o fundo azul escuro. Como o blog ainda está na sua fase inicial tudo é realizado às pressas e também de maneira simples, mas certamente o blog será reconhecido com muita facilidade pelos leitores quando realizarem suas buscas na internet.
Ainda que seja simples, mas foi criado com muito esmero e carinho a partir do meu conhecimento em design. Posso garantir ao meu público que me esforçarei para a curto prazo, criar uma outra favicon. Tudo terá novo visual, e seguramente deverá ser equivalente ou superior a altura do padrão de qualidade do blog analiseagora. Tudo para agradar a todos aqueles que aqui chegarem, e possam despertar seu interesse de permanecer por muito tempo pesquisando n…

Finalmente 2018! E agora?

O ano recém chegou, mas é necessário traçar metas e planejamentos. Após tantas crises econômicas, financeiras, e morais do país. Além dos aumentos de preços em tudo finalmente chegou o novo ano. Foram muitas as badalações, euforias, estresses e ansiedade do ano que se findou, a festa e a decepção da mega sena da virada para quem sonhou e errou. Aqueles que acertaram os números das probabilidades maravilha e quem não acertou tem que continuar a sonhar durante o ano até chegar a próxima mega da virada do fim do ano. Porém, finalmente chegou mais um ano novo o de 2018. Agora é o momento de todos organizarem seus objetivos a serem desenvolvidos no decorrer desse novo clico do calendário que guiará todos os negócios das pessoas e toda a engrenagem do funcionamento da sociedade, durante esses 365 dias. Muitos acontecimentos sejam eles bons ou ruins estão por vir durante esse novo ciclo e marcará para sempre a história da humanidade. 

O chorinho é a música arte refinada e popular do Brasil.

Chorinho a música arte e popular do Brasil.A música é uma das alas da arte mais refinada que traduz fielmente a cultura, os costumes, os sentimentos e principalmente a história de todos os povos. Ela dispõe de uma lâmina afiadíssima para romper barreiras intransponíveis de outras culturas e interagir com facilidade junto as outras nacionalidades.  Alguns gêneros musicais que nascem em uma determinada nação, em época definida, se espalham por toda a parte contagiando a todos de uma forma unanime, sem precedentes de gerações para gerações, isso sim; é de fato arte em forma de música. A música que nasceu   e se constitui em expressão cultural de certos povos, não morre no tempo e no espaço por que tem conteúdo artístico e é imortal. Contudo, a música arte, representa a vida das pessoas. Ela em todos os momentos se rejuvenesce diariamente.