Pular para o conteúdo principal

Conheça a origem do pila no RS.

O imaginário popular é abastecido de lendas e contos que fazem história.

A foto mostra uma cédula de (Cinquenta) 50 pila gaúcho, equivale a 50 Reais da moeda nacional brasileira.
A foto mostra Cinquenta (50 pila gaúcho), equivale a 50 Reais da moeda do Brasil.


O Estado do Rio Grande do Sul é rico em lendas e causos que entram para o cotidiano popular do gaúcho e dos brasileiros. Neste gênero literário o maior escritor gaúcho é Simões Lopes Neto. Entre os livros mais famosos e lidos estão as compilações dos contos gauchescos e lendas do Sul. Entretanto, o nosso país tem uma diversidade literária grandiosa nas cinco regiões geográficas as quais compõem este Brasil continental. Todas essas regiões são abrilhantadas com os grandes escritores em todos os gêneros literários que enriquecem a cultura nacional e são espraiadas em todo o mundo.

O Brasil tem grandes escritores, escritoras, poetas, poetisas e romancistas que estão na lista dos melhores autores internacionais.

A nação brasileira tem excelentes escritores e só falta apoio para terem mais.

 

O Brasil tem uma sementeira de produtores literários enormes, o que está faltando atualmente é mais incentivo aos novos escritores que surgem diariamente. Infelizmente, não tem apoio do governo federal, via Ministério da Educação e Cultura. Muitos talentosos escritores que estão espalhados em todas as escolas brasileiras, terminam desistindo de realizarem os seus sonhos de ver publicados suas obras porque não há incentivo dos governos.

 

Os professores fazem os seus esforços colossais ao notarem em sala de aulas grandes talentos. Eles dão todos os incentivos aos seus alunos, mas muitos se frustram porque não conseguem seguir adiante com suas produções. Muitas campanhas literárias são realizadas em salas de aula, são realizados concursos literários na escola e ao nível regional. Todavia, essas produções terminam cair no esquecimento porque não há interesses das editoras públicas e privadas para publicar as obras dos novos escritores.

 

Essa realidade ocorre desde o ensino infantil, fundamental, médio e nas universidades. Os escritores existem em todo o Brasil, o que falta é o amparo, o incentivo financeiro a literatura brasileira para que o país possa ter novos literatos os quais tenham as suas obras impressas e divulgadas para serem lidas no Brasil e no mundo.

 

A origem do sinônimo “PILA” para dinheiro gaúcho de 1835.

 

O, pila é muito conhecido no Sul do Brasil como dinheiro, creio que já está se espalhando nas demais regiões brasileiras.

Aqui no Rio Grande do Sul o (pila) é como se fosse a moeda gaúcha, seria uma espécie de câmbio o valor de 1 pila equivale a 1 real. É muito corriqueiro entre a população se expressar assim: hoje o preço da gasolina custa 7 pila em vez de sete reais. O quilo de pão custa 5 ou 6 pila, em vez de (R$ 6) reais. O diálogo entre as pessoas é assim: este produto vale tantos pilas, aproveite que baixou de preço antes valia 30 pilas e agora equivale a 20. O adolescente ou jovem chega bem perto da mãe e diz: mãe me dá 5 pila para comprar sorvete. O jovem que começa a namorar não trabalha, mas precisa ir ao cinema com a namorada e diz para o pai. Paizão me arruma aí algumas pilas porque hoje vou sair com a minha amada!

 

Uma excelente ilustração é a origem da moeda pila no Sul.

 

A foto mostra 10 pila uma espécie de dinheiro no linguajar regional do Rio Grande do Sul. Na cédula de 10 pila está inscrito: Republica Rio-Grandense 20-09-1835.
Na foto 10 pila, a cédula de 10 pila, está inscrito: Republica Rio-Grandense 20-09-1835.


Para ilustrar e incentivar aos novos escritores trouxe aqui este pequeno recorte literário e lendário do grande escritor gaúcho José Clemente Pozenato, sobre a lenda do (pila).

O termo pila vem de Pilla, que foi um político Raul Pilla, secretário da agricultura do RS em 1936, que segundo consta, em determinada eleição distribuía metade da nota de dinheiro para os eleitores que estavam prestes a votar, na promessa de entregar a outra metade se fosse eleito. Os cabos eleitorais entregavam a metade da nota dizendo o nome do candidato “Pilla” … e este termo para dinheiro chamado de “Pila” foi rapidamente assimilado pelos populares, espalhando-se como sinônimo de “dinheiro”, inclusive em (SC) e depois pelo resto do Brasil, já que muitos gaúchos com o passar do tempo migraram para outros estados do país.”

Fonte: Irmão Elvo Clemente, pró-reitor da PUCRS, poeta, escritor, membro da Academia Rio Grandense de Letras — Brasil.

 

Naquela época a venda e a compra de votos eram abertas.

 

Portanto, o interessante desse recorte literário e lendário que está fixado no imaginário popular é o aspecto político. Neste pequeno trecho sobre a definição do e sinônimo do termo pila, está a esperteza do político da época. Até pouco tempo, muitos políticos sem escrúpulos procuravam comprovar os votos dos eleitores. Seguindo o mesmo ritmo da falta de consciência, sobre o poder do voto, muitos eleitores vendem seus votos por valores irrisórios ou trocas de favores. Ainda que, não fosse punido, por crime eleitoral, tanto para o comprador, quanto para o vendedor de votos, em razão das grandes dificuldades da justiça eleitoral, da época punir a todos os contraventores eleitorais. Portanto, era crime sim, porque essa ação é de cidadão desonesto, tanto daquele período e principalmente atualmente.

A impressão que fica é que nada acontecia de punições naquele era que tudo era realizado com votos de papéis e escrito a punho e jogado na urna confeccionada de couro, tecidos e lonas.

As apurações para saber o resultado de uma eleição presidencial como vai ocorrer agora, levaria meses para conhecer o vencedor. Hoje é questão de horas para saber o eleito, após terminar o fim da votação e com segurança de 100%.

Todavia, hoje a justiça eleitoral pune com o rigor da lei qualquer candidato ou eleitor que tentar praticar este tipo de crime.

O voto do cidadão é algo tão sublime e poderoso que merece todo o zelo possível tanto do eleitor, quanto do candidato concorrente a algum cargo eletivo no Brasil. A justiça Eleitoral está de prontidão (24h) para receber qualquer tipo de denúncia neste sentido.

Na hora de praticar o ato de votar você é soberano. Na cabine de votação está sozinho, você e sua consciência, na mais perfeita liberdade de expressão democrática.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.