Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

Iluminando Mentes é uma jornada da Alegoria da Caverna à Educação Moderna.

  Da Caverna à Luz: transformando a Educação de forma, compaixão e criatividade. A cena criada por IA da alegoria da Caverna de Plantão. A Alegoria da Caverna de Platão, narrada em A República*, é uma metáfora filosófica atemporal que explora o caráter da realidade, do conhecimento e da educação. Nesta história, os prisioneiros acorrentados desde o nascimento só têm acesso às sombras projetadas na parede de uma caverna, acreditando serem a realidade. Ao se libertar, um prisioneiro experimenta a luz do sol e a diversidade da realidade, retornando à caverna para compartilhar suas descobertas com os outros. A educação moderna, sob diversos aspectos, se assemelha à caverna platônica. Muitas vezes, os estudantes estão confinados em um espaço limitado, recebendo informações sem contexto ou aplicação prática, como se estivessem presos a uma parede. A abordagem superficial limita o desenvolvimento do pensamento crítico e da compreensão mais aprofundada do mundo, perpetuando a ignorância e a al

Venha conhecer a lenda do espeto defumado.

O Brasil é rico em lendas  que enriquecem o imaginário popular.

A imagem mostra uma churrasqueira lotada do tradicional churrasco gaúcho.
O autentico Churrasco gaúcho.


A matéria apresenta a lenda antiga dos povos originários, a lenda do espeto defumado, que permaneceu oculta por 400 anos e, com o advento da internet, foi revelada através da interceptação de um e-mail de um indígena. 

O Brasil e o Estado Gaúcho são ricos em lendas populares. Além das fábulas, o Rio Grande do Sul tem os magníficos contos gauchescos do escritor João Simões Lopes Neto¹. Todos eles são extraordinários e enriquecem a cultura popular dos gaúchos.

A lenda do espeto defumado é antiga, mas, até pouco tempo, era desconhecida pelos rio-grandenses; ela apareceu repentinamente com o advento da “internet”. Desde o momento em que as pessoas começaram a se comunicar virtualmente através das trocas de correio eletrônico, umas com as outras. Esta lenda foi interceptada por meio da espionagem dos Estados Unidos.


Recentemente, estava em uma rodada de chimarrão e, entre as conversas, surgiram as lendas que fascinam o nosso povo brasileiro. Contudo, durante a célebre conversa, alguém relatou um caso (estória) que culminou na descoberta desta lenda, uma relíquia relatada por um indígena, descendente da tribo guarani. Tudo ocorreu num dos acampamentos tradicionais da Semana Farroupilha, em Porto Alegre.

O segredo familiar remonta a mais de quatrocentos anos, o que incluía a culinária rio-grandense: o churrasco e a lenda do espeto defumado. Essa lenda é antiga e não era conhecida por todos os gaúchos, mas foi recentemente revelada.

A revelação e o mistério da lenda do espeto defumado.

Em geral, ao preparar um churrasco em casa ou com os amigos, não é adequado que todos os espetos que contêm carne sejam submetidos ao fogo para assar. A lenda sugere que se separe um dos espetos disfarçadamente, para ser defumado após a saída dos convidados. Esta carne defumada deve ser consumida gradualmente durante a semana; entre a família, interessada a atrair um novo churrasco. É como uma espécie de talismã. O proprietário da residência deve posicionar o espeto próximo à churrasqueira disfarçadamente. Guardar de forma rápida o espeto e ninguém   o perceba. Este espeto, depois, será colocado de volta a churrasqueira para a defumação. É   por isso que estou sempre à procura de recursos para comprar um novo churrasco, disse o remanescente guarani. Conforme o descente indígena, se fizer este ritual, nunca mais haverá falta de churrasco nos finais de semana e nas outras ocasiões especiais ao longo do ano.

Sendo assim, ao saborear o suculento churrasco, é importante deixar aquele espeto como talismã para efetuar a defumação. Ele será um recurso misterioso para uma próxima churrascada. Este mistério da fábula permaneceu sob segredo por mais de quatro séculos.

Apenas recentemente foi divulgada através do uso da “internet” nas tribos indígenas. Contudo, se é verdade ou não, não tenho certeza. Apenas estou relatando o que ouvi e não me recordo do nome do contador de causos. A lenda do espeto defumado, remonta aos tempos da catequização realizada pelos jesuítas aos indígenas Guaranis no Rio Grande do Sul.

O chefe dos padres jesuítas costumava deixar um espeto sem colocar no fogo em cada churrasco que fazia entre os indígenas. Esta lenda teria surgido por volta do ano de 1549. Nesse período, os padres jesuítas colocaram os pés no solo gaúcho.


A curiosidade do indígena resultou na descoberta do segredo que envolve a lenda do espeto defumado.


Havia um indígena curioso que, desde o início, observava a atitude do chefe dos padres jesuítas, mas nunca teve a coragem de questionar o motivo pelo qual ele não atirou todos os espetos ao fogo. Os povos originários assavam sempre com a recomendação de que deixassem um espeto sem assar a carne. Em geral, selecionavam pedaços grandes de carne crua e a defumação sempre na churrasqueira de chão. Os padres recolhiam para suas casas e os povos originários nunca tinham conhecimento do motivo nem do que era realizado com o estranho espeto de carne já desfiada.


Naquela época, ainda não existiam churrasqueiras modernas. 

Em geral, tudo era organizado num buraco, enchido com lenha, e se fazia um fogo de chão para preparar o churrasco. Era costume entre os povos indígenas assarem a carne sob o fogo de chão. Era comum que os espetos fossem realizados com varas ou lascas de taquaras naquela época. No entanto, não existiam espetos especiais, eram rústicos, produzidos a partir de ferro. Estes produtos são recomendados para serem guardados sob a churrasqueira ou sob o fogo de chão.

Este indígena curioso permaneceu à espera daquela atitude suspeita do chefe dos jesuítas. Então começou a ouvir com mais atenção as conversas entre os padres após cada churrascada.


Em seguida, começou a se aproximar, mas era bastante tímido. Lentamente, foi se tornando amigo, mas apenas balbuciava algumas palavras e frases até se tornar bem cortes dos padres. Passado algum tempo, já não tinha tanto medo, mas pouco questionava, apenas se contentava em ouvir. Ao ouvir este indígena, aprendeu muitos ensinamentos e descobriu muitos mistérios. A principal descoberta foi a lenda do espeto de carne defumada, que é repleta de mistérios e aprendizado.

Em um belo dia de sol de primavera, sob a sombra de uma grande figueira (árvore típica do sul do Brasil), os padres reuniram todos os povos originários guaranis para realizar uma enorme celebração. Logo após, haveria uma grande churrascada para todas as reduções das missões. Após esta grande comilança, a maioria sesteou no dialeto gaúcho (pequeno sono, depois do almoço) em suas ocas.

No entanto, o indígena curioso, como de costume, permaneceu entre os padres e a conversa ia e vinha regado a um amargo chimarrão para auxiliar na digestão.


O descendente dos povos originários, curioso e inquieto, porém, criou coragem e dirigiu-se ao padre chefe para solicitar algumas curiosidades. O chefe respondeu: pergunte, filho. Poderia, senhor padre, explicar-me o motivo pelo qual não é possível levar todos os espetos ao fogo? Precisamos deixar um espeto com carne para não ser assado, mas é importante para a defumação. Por que é importante não assar um espeto com carne e deixar para ser saboreado depois? Esse é especial porque contém os melhores cortes de carne? Observei a repetição em todas as ocasiões em que se faz churrasco.


O padre observou o olhar atento do indígena, repleto de curiosidades, e, calmamente, pronunciou-se com tranquilidade. Disse-lhe: posso responder, meu filho. No entanto, antes de responder, responda com uma única palavra: já houve a falta de churrasco aqui na redução em algum momento?

O indígena, apavorado, com a voz embargada, respondeu que não, não, não. Seu padre, a cada dia, a quantidade de carne assada está disponível para todos os habitantes da nossa aldeia e de outras localidades estão aumentando. Há uma grande variedade de animais para churrasquear, sempre que temos a vontade de comer uma boa carne assada ou celebrar as nossas lembranças.


A explicação da lenda do espeto defumado é apresentada.

É aqui que está a explicação para o motivo de não se poder queimar todos os espetos, uma vez que um deles deve permanecer sem assar a carne, mas conduzir à defumação, agora com o fogo brando até o ponto de defumação. Repetir isso para esperar o novo churrasco. Se assarmos todos, nunca mais sentiremos o gosto da carne, esqueceremos e perderemos a vontade de fazer churrasco. Não haverá mais animais e nem assados especiais para todos comerem e saciar a nossa fome, mantendo a nossa tradição e as nossas recordações.


O espeto a ser defumado traz a lembrança dos animais sacrificados para matar a fome e cultivar a tradição. O espeto defumado tem a função de atrair outros animais, como os bovinos, os suínos, os caprinos, os ovinos e as aves, para poderem crescer saudáveis e permanecer perto de nós, sem nunca se afastarem para longe destes magníficos e verdes pampas. No entanto, dessa forma, todos ficariam apenas com a vontade de comer uma porção de carne assada à lenha.

O espeto defumado tem o poder misterioso de multiplicar, atrair e prender os animais vivos próximos aos nossos filhos. São caçadas fáceis, para fornecer alimento para todos os viventes carnívoros deste torrão gaúcho. Sempre nos finais de semana e em ocasiões especiais, como nas grandes festas, poderemos celebrar os nossos rituais e selar as amizades.



A partir daí, inicia-se a transmissão da lenda às gerações futuras.

Sinta-se em paz e transmita este ensinamento para o seu povo confidencialmente. O remanescente dos guaranis, imediatamente, saiu da redução depressa para a sua aldeia. O descendente dos guaranis, visando encontrar o seu povo, que era repleto de mistérios e ansioso.


No presente momento, ele já havia sido agraciado com o título de cacique de sua honrada tribo guarani. O cacique havia voltado do churrasco muito pensativo! Convocou os seus principais líderes auxiliares e ordenou a convocação de uma assembleia extraordinária.


Nesta assembleia, foi discutido e revelado o significado oculto do espeto defumado. No entanto, solicitou expressamente o sigilo absoluto e a informação fosse divulgada apenas para o seu povo e não para os homens brancos. Esta lenda era transmitida de geração em geração entre os indígenas guaranis e os remanescentes das missões, jesuítas.


A narrativa foi divulgada na internet.

Após anos de uso da “internet” e, sobretudo, da espionagem americana, que inspecionava os correios eletrônicos (e-mail) da humanidade, os povos indígenas também foram vítimas dessa violação maligna. Um cacique contemporâneo, da tribo guarani, que usa dispositivos móveis da era digital, sendo desavisado e fissurado nas redes sociais, interagindo com outros caciques do mundo através das ferramentas da tecnologia da informação, foi fisgado pela espionagem americana sem saber.


Um dia, como todos os mortais, caiu na tentação de enviar mensagens eletrônicas para um amigo de outra tribo, relatando os últimos acontecimentos da aldeia. No entanto, em determinado momento, alguém enviou um “e-mail” secreto contendo a lenda do espeto defumado para outro cacique de uma tribo do (amazonas). No entanto, os espiões americanos interceptaram essa antiga mitologia e a revelaram publicamente.


Todos os gaúchos começaram a tomar conhecimento desta antiga e desconhecida lenda. Atualmente, ela é compartilhada de forma rápida na “internet” em todo o estado do Rio Grande do Sul e no mundo.



Epílogo: A Lenda Revelada e Seus Reflexos.


A Revelação Inesperada:

Por mais de quatro séculos, a lenda do espeto defumado permaneceu guardada em segredo pelos Guaranis, transmitida oralmente entre as gerações. No entanto, com o advento da internet e a crescente interconexão global, essa tradição ancestral transcendeu os limites da tribo, alcançando um público amplo e diverso.

A revelação da lenda, embora ocorrida inesperadamente através da espionagem americana, não diminuiu sua importância. Pelo contrário, sua divulgação contribuiu para a preservação e valorização dessa narrativa rica em simbolismo e significado, assegurando que ela seja transmitida para as novas gerações.


Um Impacto Cultural Profundo:

A lenda do espeto defumado gerou um impacto cultural significativo, principalmente no Rio Grande do Sul. Gaúchos de todas as origens puderam conhecer essa narrativa ancestral, aprofundando sua conexão com a cultura indígena e a história da região.

A lenda nos ensina sobre a importância da tradição, da família, da comunidade e da conexão com a natureza. Ela também nos lembra da força e da resiliência do povo indígena, que mesmo após séculos de colonização e assimilação, manteve viva sua cultura e seus costumes.


Um Legado Preservado:

A revelação da lenda do espeto defumado serve como um lembrete da importância da preservação cultural. As tradições ancestrais, como essa lenda, são um patrimônio valioso que deve ser protegido e valorizado pelas novas gerações.

Ao conhecermos e compartilharmos essas histórias, podemos fortalecer nossa identidade cultural e construir um futuro mais justo e inclusivo, onde a diversidade seja respeitada e celebrada.


Um Símbolo de Resistência:

A lenda do espeto defumado também pode ser vista como um símbolo da resistência indígena. Mesmo após séculos de opressão e marginalização, os Guaranis mantiveram viva sua cultura e seus costumes, transmitindo-os através das gerações.

A revelação da lenda é um ato de resistência cultural, que demonstra a força e a determinação do povo indígena em preservar sua identidade e seus valores.


Um Ponto de Reflexão:

A história do espeto defumado nos convida a refletir sobre a importância da preservação cultural e do respeito à diversidade. A lenda nos ensina que cada cultura possui seus próprios valores, crenças e tradições que merecem ser respeitadas e celebradas.

Em um mundo cada vez mais globalizado e interconectado, é fundamental que reconheçamos a riqueza da diversidade cultural e que trabalhemos para protegê-la.


Um Futuro Promissor:

Com a lenda do espeto defumado agora conhecida por um público mais amplo, novas oportunidades surgem para o seu estudo, valorização e difusão. Pesquisas podem ser realizadas para aprofundar o conhecimento sobre essa tradição, enquanto iniciativas podem ser criadas para promover a cultura indígena e o respeito à diversidade.

A lenda do espeto defumado, mesmo tendo sido revelada inesperadamente, representa um capítulo importante na história da cultura indígena e gaúcha. Sua preservação e valorização são essenciais para manter viva a memória dos nossos antepassados e construir um futuro mais justo e inclusivo.


Vale ressaltar que:

A lenda do espeto defumado é uma narrativa ficcional, inspirada em tradições e costumes indígenas.

É importante ter cuidado ao consumir carne crua, ao haver riscos de contrair doenças.

A preservação da cultura indígena é fundamental para a construção de uma sociedade mais justa e diversa.



Notas e referências:

________


LOPES NETO, J. S. Contos Gauchescos. North Charleston, SC, EUA: Createspace Independent Publishing Platform, 2015.

Comentários

  1. Super interessante .
    Não conhecia .Mais um aprendizado e muito curioso
    Abraço
    marina-sieschi.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É simplesmente uma lenda não conhecida entre a população. Eu mesmo nunca li essa estória em livros das lendas e contos dos gaúchos. Até permaneci na dúvida se realmente é verdadeira ou não. Até penso que são os legítimos causos (estórias) que surgem durante as alegres e descontraídas conversas nas rodadas de chinarão. Avaliei interessante relatar no blog.

      Excluir

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu comentário é muito importante para nosso trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.