Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

Iluminando Mentes é uma jornada da Alegoria da Caverna à Educação Moderna.

  Da Caverna à Luz: transformando a Educação de forma, compaixão e criatividade. A cena criada por IA da alegoria da Caverna de Plantão. A Alegoria da Caverna de Platão, narrada em A República*, é uma metáfora filosófica atemporal que explora o caráter da realidade, do conhecimento e da educação. Nesta história, os prisioneiros acorrentados desde o nascimento só têm acesso às sombras projetadas na parede de uma caverna, acreditando serem a realidade. Ao se libertar, um prisioneiro experimenta a luz do sol e a diversidade da realidade, retornando à caverna para compartilhar suas descobertas com os outros. A educação moderna, sob diversos aspectos, se assemelha à caverna platônica. Muitas vezes, os estudantes estão confinados em um espaço limitado, recebendo informações sem contexto ou aplicação prática, como se estivessem presos a uma parede. A abordagem superficial limita o desenvolvimento do pensamento crítico e da compreensão mais aprofundada do mundo, perpetuando a ignorância e a al

O Dilúvio Gaúcho: Uma Cantiga de Esperança

 Dilúvio Gaúcho: Uma Cantiga de Esperança


A foto criada por IA, mostra o resgate da Égua Caramelo o ícone de esperança, resistencia e resiliencia nas enchentes gaúchas de maio de 2024.
O resgate da Égua Caramelo, criado por IA.


Céus rasgados, feridas abertas!

Raios faíscam na noite escura,

Trovoadas rugem como feras famintas,

Chuva implacável, dilúvio sem cura.


O Rio Grande, gigante adormecido,

Transborda em fúria, monstro desperto!

Engolindo casas, sonhos e memórias!

Em marcha implacável para o mar aberto.


Gritos ecoam na noite tenebrosa,

Suplicando ajuda em vão, em clamor!

Famílias separadas pela correnteza impura,

Lares desfeitos, futuro em suspenso, dor.


O luto paira no ar úmido e pesado!

Lágrimas brotam como flores murchas, sem cor.

Memórias de vidas que se foram num segundo.

Em um piscar de olhos, tudo tragado, sofrimento e horror.


Mas no meio da dor, um brilho teima em surgir.

A força do povo gaúcho, inabalável, sim, senhor!

Unidos em laços de fraternidade e amor.

Reconstruindo vidas com fé e bravura, um novo ardor.


E lá, em meio ao caos, um cavalo ergue-se!

Caramelo, bravura em meio à fúria das águas.

Resistindo com garra e tenacidade, farol de esperança!

Na escuridão, com toda a sua simplicidade.


Mãos calejadas erguem tijolos e sonhos.

Sorrisos tímidos brotam em rostos cansados, sem desenganos!

A esperança renasce das cinzas da tragédia!

Um novo amanhecer se anuncia, radiante e sem agonia.


O Rio Grande, ainda marcado pelas cicatrizes.

Ergue-se majestoso, pronto para recomeçar!

Símbolo de resiliência e força sem iguais.

Farol de esperança para o futuro desabrochar, jamais.


O sol nasce, banhando a terra em tons dourados.

Prometendo um novo dia, cheio de promessas e agrados.

Um futuro onde a dor se transforma em força!

E o Rio Grande do Sul renasce mais forte, sem nenhuma torça.


O dilúvio gaúcho, melodia que ecoa na alma do povo.

Com pujança, lembrando a força da natureza e da fibra humana.

Um hino à vida que sempre encontra um caminho, bela e ufana.


E o cavalo Caramelo, símbolo eterno dessa fibra.

Sua história entrelaçada com a do povo, que vibra!

Exemplo de bravura, resistência e esperança.

Para sempre vivo na memória do Rio Grande, sem nenhuma lembrança.


Da tragédia brota um amanhã promissor.

Unidos, reconstruiremos com amor e fervor.

Um Rio Grande ainda mais forte e unido!

Com um povo guerreiro, jamais vencido.


Com garra, suor e determinação!

Ergueremos pontes, casas e cada cantinho com emoção!

Um futuro de paz, justiça e prosperidade.

Para nossa gente, com toda a felicidade.


Guerreiros, bombeiros, médicos e enfermeiros.

Voluntários e doadores, expressamos gratidão eterna!

Em cada coração, lembrando que juntos somos mais fortes.


O dilúvio gaúcho nos ensina:

Da força da união e da reconstrução!

Que juntos somos mais fortes, nada nos derruba.

E que a esperança sempre acende, como labaredas.


Rio Grande, chão de bravos e forte!

Em teu seio acolhedor, recomeçaremos nossa sorte!

Com fé, amor e trabalho, construiremos um futuro grandioso.


Nas colinas verdes e campos dourados.

As águas recuam, deixando marcas profundas.

Mas também fertilidade, renovação, sonhos renovados.


Nas praças e vielas, erguem-se mãos unidas.

Tijolo por tijolo, erguemos lares e memórias.

A coragem do povo, como um hino entoado.

Resiste à tormenta, escrevendo novas histórias.


E quando a noite cai, sob o céu estrelado.

O cavalo Caramelo, símbolo de bravura.


E quando a noite cai, sob o céu estrelado! 

O cavalo Caramelo, símbolo de bravura! 

Relincha, lembrando-nos da força que carregamos. 

E da esperança que nunca se apaga; 

mesmo na mais escura sepultura.


O Rio Grande do Sul, renascido da tragédia,

 Ergue-se altivo, com a garra do gaúcho em seu ser; 

Pronto para construir um futuro grandioso!

 Onde a paz, a justiça e o amor sempre florescerão.


Que o dilúvio sirva como lição e aprendizado;

 De que a união e a força do povo podem tudo superar; 

E que a esperança, como um farol a iluminar o caminho! 

Nos guiará sempre em direção a um amanhã melhor.


Viva o Rio Grande do Sul! 

Terra de bravos e guerreiros! 

Que a chama da esperança;

 jamais se apague em nossos corações!



Comentários

  1. "Nas praças e vielas, erguem-se mãos unidas.
    Tijolo por tijolo, erguemos lares e memórias.
    A coragem do povo, como um hino entoado.
    Resiste à tormenta, escrevendo novas histórias".

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu comentário é muito importante para nosso trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.