Pular para o conteúdo principal

A fúria dos impostos brasileiros sobre os parcos salários.

Os brasileiros trabalham simplesmente para pagar impostos e sem retorno social.


A imagem mostra uma tabela de alguns impostos do Brasil.
A fúria dos impostos brasileiros é semelhante ao um filme de terror, uma novela sem fim repleta de surpresas desagradáveis. Sempre é reprisado todos os anos, para todos os cidadãos e cidadãs, honestos e trabalhadores; que procuram quitar suas dívidas com o Fisco nacional. Geralmente trazem novos elementos que causam episódios negativos e impactantes nas vidas do povo honesto, que fazem de tudo para ficar em paz com a Receita Federal.

O retorno nas políticas publicas essenciais no âmbito social é praticamente nulo. As pessoas sofrem com falta de ensino de qualidade, saúde, habitação, trabalho, transportes e segurança para todos viverem em paz e andarem tranquilos nas ruas das grandes cidades e capitais do país. A grande maioria desses bilhões em tributos são desviados criminosamente para a corrupção dos políticos e agentes corruptores da elite nacional que manda no capital brasileiro.
Porém, o mais revoltante é saber que as grandes fortunas são as que pagam menos e sonegam mais impostos. Esta é uma grande das injustiças a ser corrigidas neste país. Pois, quem é rico paga menos e quem é pobre paga mais, um absurdo, incompreensível. Uma desproporcionalidade vergonhosa e injusta que está na hora do Congresso Nacional dar um fim nesta situação insuportável. Somente uma reforma fiscal justa, é possível para equilibrar e corrigir este absurdo nacional.
Somando as dívidas antigas juntamente mais as novas que não param de chegar de todas as espécies deixam a todos em pânico.

O planejamento do orçamento doméstico é essencial para evitar problemas financeiros.

A ausência de planejamento orçamentário doméstico é uma realidade para muitos brasileiros que não têm este hábito da organização de seus créditos e débitos. Essa desorganização leva muita gente a entrarem numa verdadeira bola de neve. Num buraco sem fundo, em relação às suas despesas particulares e do lar. O acúmulo das inúmeras compras realizadas no mês de dezembro, geralmente os gastos excessivos e inconsequentes faz muitas pessoas entrarem em pânico.
A maioria dos consumidores se esqueceram que ao entrar em janeiro, início do novo ano, chegam juntos as novas dívidas. Também vem junto às novas contas dos impostos que recolhem todo o salário dos primeiros meses trabalhados.  Pouco dinheiro sobra para manutenção da família com qualidade de vida. E a manutenção dos negócios. É o período crítico onde se fecham muitos postos de trabalho aumentando o desemprego em todos os setores da cadeia produtiva da economia.

Ano novo, novos débitos dos pesados impostos a serem pagos.

A imagem mostra alguns impostos do Brasil.
Permaneçam atentos pois basta iniciar o primeiro minuto do novo ano, mudam-se as taxas de aumento de impostos. O novo ano nasce trazendo uma avalanche de impostos obrigatórios a pagar sem subterfúgio, mesmo não quitando em parcela única às dívidas municipais, estaduais e federais. Elas são diluídas em pequenas parcelas, com a mais alta taxa de juros de mercado a perder de vista pelo contribuinte. 
Nesta negociação o devedor, termina no final, pagando o dobro ou o tripulo, dependendo dos mais diferentes índices que se aplicam em uma negociação para uma dívida pública em atraso. O agente arrecadador geralmente é o grande bem-sucedido, tem em seu poder o devedor. 
O devedor que não tem opções de quitar no ato da renegociação.  Se obriga a virar refém dos mais pesados índices em que foram reajustadas as dívidas atrasadas. 
Tem aqueles que mesmo após uma renegociação não conseguem honrar o combinado, não por desonestidade ou má fé. Todavia por motivos imprevisíveis como perder o emprego, doenças e outras. Como consequências entram para a lista da dívida ativa de qualquer domínio administrativo público. 

O parco salário mínimo não suporta a carga tributária do governo.                                     

Ano novo é sinônimo de novas dividas.
Portanto, nesta situação predomina mais um agravante preocupante para todos os contribuintes.  O parco salário mínimo definido em lei que está aquém do poder aquisitivo, não acompanha os reajustes das taxas de impostos. Assim, o reajuste do salário mínimo nacional não acompanha aos pesados índices inflacionários, embutidos em todos os tipos de tributos, onde o cidadão é penosamente obrigado a pagar para o governo de todas as esferas administrativas deste país. O cidadão que não tem grandes recursos somente resta uma saída deixar de comprar a alimentação, medicação, educação e o lazer para sua família. Contudo, retira do bolso o pouco dinheiro que possui e dar para os governos. Esse dinheiro certamente irá engordar os cofres públicos, e manter a corrupção nacional.

A solução para esta injustiça existe, mas a iniciativa deverá partir do governo federal. O mesmo tem poderes para editar uma medida provisória para reajustar a tabela do imposto de renda. Falta vontade política para o governo decretar a isenção do pagamento do imposto de renda para quem ganhasse, anualmente cinquenta mil reais. E começar a cobrar quem recebesse acima deste valor, e pagasse sim imposto. Tudo dentro de uma tabela escalonada até atingir as grandes fortunas. Óbvio que isso não resolveria tudo, mas já é um bom início para aliviar a pesada carga tributária dos brasileiros, até que se faça uma reforma equitativa para todos os cidadãos que produzem a riqueza deste país continental.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Você já rotulou alguém de burro?

É uma atitude preconceituosa para ferir o sentimento de outrem e ruim para o convívio social.Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas tem uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Indiferença é este sentimento negativo presente nas relações humanas.

Este sentimento ruim, a indiferença está presente na vida e setores sociais. A indiferença é um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando é despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimento negativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos. Podem-se perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. 
No plano social, há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes, em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos homens reagirem indiferentemente frente aos problemas de outrem. No âmbito governamental, o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente ent…