Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

O dia de receber o salário, para muitas pessoas é sofrimento.

No Brasil o dia de receber o salário, é de sofrimento e não de satisfação. A foto mostra dois reais do Brasil, que simboliza a pobreza e a miséria do povo. Pela falta de organização do orçamento, o dia do pagamento mensal pode se transformar em pesadelo, sofrimento em vez de alegria. O trabalhador após um mês de trabalho árduo, suado e exaustivo finalmente chegou o grande e merecido dia de receber o justo salário pelos trinta dias de labuta intensa. Para uma grande parcela dos trabalhadores este dia é mais penoso do que o mês todo de trabalho fadigoso. Contudo, para outros é fato é um dia de alegria, satisfação e compensação pelas suas forças de trabalho vendidas ao empregador em troca de uma remuneração que vai garantir sua manutenção e qualidade de vida. Os trabalhadores inativos a situação é mais complexa também depende da elaboração correta dos gastos e ganhos. Neste artigo se fixará nesta situação dos trabalhadores da ativa. Os empréstimos consignados causam muitas dores de cabeça

Falar em público é uma arte de excelência.

Discursar em público é uma excelência artística.


A imagem de fundo azul e caracteres em azul claro diz: Falar em publico e arte!
Falar em público é arte!


A arte para falar em público, com sabedoria, elegância e convencimento das ideias. 
Falar para o  público é a arte do convencimento ao interlocutor de maneira leve e cativante. Discorrer em público é a arte de excelência, privilégio de poucos humanos que exercerem na prática a plateia seleta ou diversificada. 
Neste momento saber aplicar técnicas para cativar a atenção de todos. Além do mais passar a mensagem de forma clara, objetiva e descontraída. Poucos humanos têm este dom artístico de discursar, falar, explicar durante horas, para as pessoas sem que as mesmas não comecem a dormir, cansar, olhar os minutos no relógio passarem lentamente ou até mesmo se estressar com o orador, preletor, professor, palestrante e etc.

O orador que não é nato, na prática aparece suas falhas.

Existem aqueles profissionais lapidados para trabalharem com o público, deixa transparecer em suas falas algo mecânico. Ainda que façam cursos e mais cursos de oratória não conseguem naturalmente falar bem, no momento que se depara com um auditório repleto de pessoas sedentas por formações ou informações gerais, discorrer sobre um tema atual, fazer a apresentação de certo produto ou plano de marketing específico. 
 


O palestrante nervoso esquece-se de todas as técnicas aprendidas e ensaiadas por muitas horas nos cursos de oratórias ou outras técnicas que se aprende falar em público. Neste instante ele passa por situações de pânico ao perceber o seu descontrole e a insatisfação do público espectador do seu discurso, palestra, apresentação ou a explanação de qualquer tema geral do conhecimento em debate.

O palestrante nato fala com naturalidade, é direito e objetivo.


O legítimo palestrante  nato não tem dificuldades de expor seus conteúdos com desenvoltura e tranquilidade.  
Entretanto, têm aqueles exímios palestrantes que são natos para falar com todos os indivíduos ouvintes que possuam menores ou maiores conhecimentos graduados. Estes têm de fato o dom, a vocação para se comunicar com qualquer nível de plateia de maneira desinibida, clara, objetiva e divertida. O público não percebe o passar do tempo. Esgota-se o tempo programado e todos permanecem no recinto exigindo bis! O verdadeiro orador usa suas técnicas de atrair os espectadores de maneira sutil. Interage com todos os participantes deixando o conteúdo que está sendo trabalhado de maneira leve, envolvente. Normalmente, os interlocutores compreendem de forma vibrante a palestra seja ele de formação, um assunto da atualidade de quaisquer áreas do conhecimento, treinamento de vendas, passando um plano de rede marketing de uma companhia ou de um produto especifica.
Falar com o  público, é assim a bela arte da comunicação.
Discursar para o público é fácil para o artista e difícil para quem não tem este dom.
Portanto, falar para o público é uma bela e complexa arte da comunicação. E por isso, deve ser feita como uma verdadeira obra de arte para que o espectador se sinta contemplado em suas buscas seja de formação, informação ou explicação de um tema em discussão da atualidade. No momento da explanação de qualquer conteúdo o exegeta usa o teatro na hora, no momento e na medida exata. Com o objetivo de chamar a atenção dos participantes das grandes convenções ou de     plenários menores.

A pior coisa que existe é participar de um evento onde o preletor é totalmente enrolado. O que era para ser um momento de acumular conhecimentos simplesmente se transforma em horas intermináveis de tédio e blá, blá, sem sentido. Você fica aliviado quando tal palestrante diz: até outro momento e  muito obrigado pela a atenção!  Isso quando há ainda alguém na sala de convenções.
E a melhor coisa é quando o palestrante realmente sabe fazer bem feito seu trabalho de maneira como se estivesse pintando uma obra de arte singular. 

O professor, palestrante, preletor, bem preparado e nato expõe com autoridade e conhecimento o assunto de maneira agradável onde todos permanecem do início ao fim sem se cansar e muito menos olhar para o relógio. O tempo passa na velocidade da explanação bem tranquila que ao chegar ao fim todos ficam com o gostinho de quero mais! Certamente  ocorreram excelentes aprendizados, e os comentários são realmente positivos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade. Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina , artefato antiquíssimo composta sobre duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Um desenho simplório num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal. Este utensílio domestica há muitos anos foram usados no país inteiro até chegar às primeiras transmissões de energia elétrica nas capitais e aos poucos foram se disseminado para o restante do país.