Pular para o conteúdo principal

O hábito da leitura facilita a escrever correto.

Apenas consegue escrever com clareza e objetividade, quem tem o hábito de ler.

A imagem de fundo preto e letras azuis diz: Ler é a arte das artes.
Ler é a arte das artes.


Alguém já parou para pensar como é bom fazer uma leitura que possui coerência textual? Como é bom quando as palavras são bem colocadas nos seus devidos lugares? Quando uma matéria é bem escrita, o leitor inicia a leitura, e faz sentir prazer em ler até o fim. Pois, ele compreende a ideia do autor que quer passar para o leitor.

Seja de uma tese, reportagem, livro, crônica, artigo, de “blog”. O poder da palavra está traduzido na comunicação transparente. A comunicação somente terá efeito quando a mensagem é clara, objetiva e direta ao público. Da mesma forma, a palavra na formatação de texto somente surtirá efeito desejado quando é bem elaborada seguindo os rigores das regras gramaticais oficiais de cada nação.

 

Para quem quer escrever clara e objetivamente não se iluda é necessário ler muito. Também tem uma formação acadêmica que o embasará num conhecimento específico. Óbvio! Nunca se pode esquecer dos superdotados e dos autodidatas. Eles têm uma capacidade extraordinária de pensar e redigir sobre qualquer artigo na área do conhecimento geral. Depois disso não existe uma alternativa a seguir, a não ser o caminho da formação e da leitura.

Criar o hábito da leitura diária de bons livros, jornais, revistas, “blogs”, crônicas, ouvir trechos de noticiários etc. ajudará a escrever bem. Imprescindível também criar o costume de pensar sobre o que se ler. A partir de aí começar a escrever, sobre o que se compreende das leituras realizadas. Somente assim se pode começar a escrever, fazer comentários, elaborar opiniões e críticas, sobre tudo que se ler e ouvir.

O hábito de ler bons livros ajudará a criar o domínio também na escrita.

 

Somente assim, através de boas leituras e ao longo do tempo criar o domínio da escrita, e gerar um estilo próprio. É uma tarefa árdua, mas se nunca treinar, nunca conseguirá escrever uma frase e opinar sobre qualquer assunto. Não existe receita pronta para escrever perfeitamente a não ser fazendo constantemente muitas leituras e diversificadas. É um lento processo de aprendizagem, mas adquire o domínio do conteúdo que se almeja dissertar. Sempre obedecer às regras gramaticais básicas para procurar transmitir com transparência, objetividade e precisão o que pensa comunicar ao público leitor.


A palavra escrita tem poder de comunicação extraordinário. Incrível poder de persuasão desde que seja feita dentro do rigor das regras da nossa língua portuguesa. Tão-somente assim, o leitor pode entender o que foi escrito. É fundamental compreender o que foi lido, para escrever opiniões sobre qualquer tema. A nossa formação acadêmica ou em qualquer nível é base, para desenvolver o gosto em ler. Entretanto, esta base deve ser estruturada, reforçada, atualizada permanentemente, através dos seminários, congressos, palestras, convenções e, sobretudo, de bastantes leituras complementares para que possa gerar o domínio da escrita. Se assim for, começará a nascer a comunicação transparente, com os leitores sem ambiguidades do que foi escrito.

 

Infelizmente hoje se lê muito pouco e consequentemente se escreve com qualidade. A precariedade, ser ver nos poucos textos, errados e de difícil compreensão do que é escrito por muitas pessoas que se aventura a escrever alguma coisa. Um ponto positivo é a aventura de escrever algo, mas é imperativo o aperfeiçoamento, esta peripécia de digitar correto, somente é possível no exercício contínuo da leitura.

O poder da palavra, tem poderes de comunicação incríveis quando bem escrita.

 

Portanto, a palavra tem poderes ilimitados na comunicação desde que bem escrita para uma perfeita compreensão do que se quer transmitir ao leitor. Todavia, devemos ter a consciência de que é uma tarefa extremamente árdua para quem pretende elaborar uma tese ou outra atividade de menor porte, na área do conhecimento onde envolve a palavra escrita ou a comunicação falada, gravada etc.

 

Contudo, é indispensável para quem se propõe a escrever ou falar para o público e principalmente da “web”, que é um alvo dinâmico, volátil e ilimitado; fazer esta atividade com muita dedicação, corretamente e, sobretudo dentro da prudência e responsabilidade. Porque não estamos interagindo simplesmente para um único grupo de pessoas, mas multidões desconhecidas e ecléticas. Geralmente quando escrevemos obrigatoriamente devemos pensar num público leitor universal.

O leitor é quem vai escolher o que interessa e chama a atenção para ler o que se escreve. Os escritores não têm poderes de selecionar uma população de leitores para ler o que foi escrito. Os textos melhores escritos contendo ótimo conteúdo, bem atrativos estes sim são os preferidos de todos os leitores.

 

Quando postar algum texto ou comentário seja de maior porte em conteúdo, ou simplesmente uma frase, contendo uma ótima qualidade, ou quem sabe de péssima virtude, o autor jogou isso para o universo ilimitado de leitores. Não tem mais controle do que foi postado, seja um texto escrito, falado, ou até mesmo uma imagem, onde muita gente tem acesso, vai disseminando sem domínio. Contudo, sabemos que na “web” há muitas pessoas boas e aquelas mal-intencionadas que podem fazer mal-uso do que é postado.

Por isso a importância de pensar, revisar todos os mínimos detalhes de uma postagem, não ter pressa, antes que apertemos o botão de decolagem de uma postagem em publicar. Após esta ação do que foi publicado você é responsável por tudo. Todavia perde-se o controle, ou melhor, não os pertence mais. É bom ter a consciência do poder das palavras escritas ou faladas que podem exercer em nossas vidas e nas de outras pessoas dependendo da maneira como tudo isso foi pensado, elaborado e postado.

Certamente as reações chegam imediatamente na velocidade da “internet”. Muitas delas são para simplesmente te destruir e uma minoria para te enaltecer, todavia, quando escrever para o público, está fora da exposição e dificilmente agradará a todos seja um texto bem escrito, mas o conteúdo divergente já começa as discórdias das ideologias. Aqui pode iniciar um debate sem fim ou simplesmente permanecer no ostracismo cibernético.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade. Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina , artefato antiquíssimo composta sobre duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Um desenho simplório num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal. Este utensílio domestica há muitos anos foram usados no país inteiro até chegar às primeiras transmissões de energia elétrica nas capitais e aos poucos foram se disseminado para o restante do país.