Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

Conheça a lenda do prefeito fujão

  A lenda que se alastra entre a terra e o mar O  barco do Zé das Marés,  navegando no Oceano Atlântico e sem norte. Nas noites escuras e chuvosas do litoral norte-grandense, os bares de bebidas ecoam piadas, brincadeiras e histórias. Entre o tilintar dos copos e o aroma de petiscos do mar, uma lenda se espalha como fumaça dos rastilhos de pólvoras: a saga do Prefeito Fujão. Não se trata de uma brincadeira ou uma mentira, mas sim uma realidade que desafia a lógica e a política. O homem em questão era o Zé das Marés, um candidato improvável. Nas eleições de 2020, ele não tinha chances reais de vencer. A sua campanha foi modesta, e quase esquecida entre os discursos inflamados dos adversários. No entanto, ocorreu um evento inesperado: Zé foi o vencedor. A população, cansada das promessas estúpidas, votou nele como forma de protesto. No entanto, o prefeito José das Marés não demonstrou aptidão para a função de prefeito. Ele era um ex-subprefeito de uma pequena cidade da região, conhecido

A lenda do espeto defumado: um mistério revelado

 

A foto mostra uma churrasqueira gaúcha cheia de churrasco delicioso.
A churrasqueira gaúcha cheia de churrasco delicioso.


O Brasil é um país rico em lendas e mitos que enriquecem o imaginário popular. O Rio Grande do Sul, em particular, é conhecido por sua tradição gaúcha, que inclui o churrasco.

Uma dessas lendas é a do espeto defumado, que remonta aos tempos da colonização portuguesa. Segundo a lenda, se um gaúcho deixar um espeto de carne sem assar, ele terá sempre churrasco para o resto da vida.

A lenda do espeto defumado teria surgido no século XVI, quando os jesuítas começaram a catequizar os povos indígenas guaranis. O chefe dos padres jesuítas costumava deixar um espeto de carne sem assar em cada churrasco que fazia entre os indígenas.

Um indígena curioso, que observava o comportamento do chefe dos padres, decidiu questioná-lo sobre o motivo de ele não assar todos os espetos. O padre explicou que o espeto de carne sem assar conseguia atrair outros animais para a região, garantindo assim que sempre haveria carne para os churrascos.

A lenda foi transmitida de geração em geração entre os indígenas guaranis e os remanescentes das missões jesuítas. No entanto, ela permaneceu oculta por mais de 400 anos.

Apenas recentemente, a lenda foi revelada ao público, graças à espionagem americana. Um cacique guarani, que usava dispositivos móveis e redes sociais, enviou um e-mail para outro cacique contendo a lenda. Os espiões americanos interceptaram o e-mail e o divulgaram publicamente.

A lenda do espeto defumado é uma estória curiosa que reflete a importância do churrasco na cultura gaúcha. Apesar de não haver evidências científicas que comprovem a veracidade da lenda, ela continua a ser contada e acreditada por muitos gaúchos.

________________

Nota: Esta versão da lenda do espeto defumado é uma adaptação da postagem original, publicada no dia 15 de janeiro de 2024 no site [https://www.analiseagora.com/]. A postagem original pode ser encontrada no link [https://www.analiseagora.com/2014/08/a-lenda-do-espeto-defumado.html].

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.