Pular para o conteúdo principal

A feira de livros em Porto Alegre RS.

Os livros invadem Porto Alegre nos meses de outubro e novembro.
 

A foto mostra o livro digital na feira do livro em Porto Alegre-RS, Brasil.
O livro digital vai a feira  e faz a integração com o impresso.


Porto Alegre respira cultura durante dezessete dias de feira dos livros, durante o mês de novembro todos os anos. A cultura tem encontro marcado em Porto Alegre e Rio Grande do Sul, todos os anos sempre nesta mesma data, entre o fim de outubro e a metade do mês de novembro. São em média quinze dias em que a cultura do mundo paira sobre o Rio Grande do Sul. Na mais tradicional e antiga feira de livros do nosso Brasil. 

Este casamento dos porto-alegrenses iniciou num namoro em um local bem aconchegante e romântico na famosa praça da alfândega. Debaixo das sombras de suas exuberantes árvores onde se destacam os imponentes jacarandás e suas flores que perfumam o ambiente convidativo ao um romance. 


No entanto, ao som da orquestra dos sabiás e outros pássaros ocorre a maior feira de livros da América Latina. Refrigerada através da serena brisa que vem do lago do (Guaíba), gerando um clima propício para brotar este eterno amor entre: expositores, leitores e uma imensidão de livros dos autores nacionais e internacionais.

Conheça a história da feira do livro porto-alegrense.
 

O cupido desse eterno amor cultural, a feira do livro de Porto Alegre foi o idealizador, jornalista Say Marques. Nesta época ele era o atual diretor e secretário do Diário de Notícias. Foi inspirado por uma feira de livros que visitou na Cinelândia no Rio de Janeiro. Este intrometido cupido tinha um objetivo nobre, o de popularizar os livros, pois, neste período eram elitizados; propôs à acessibilidade a leitura com a venda de compilações a preços populares. O lema desta primeira edição tem um objetivo: passar uma mensagem de apelo à leitura e seu clamor dizia, ‘se o povo não vem à livraria, vamos levar à população’.

Quando deu início a este romance sem fim, este era exatamente o dia 16 de novembro de 1955. Neste dia os portalegrenses experimentaram a força da paixão arrebatadora do primeiro amor aos livros. Os leitores a olhar apaixonadamente aquelas (catorze) bancas repletas de livros. Neste ambiente salutar foi dado o primeiro beijo inesquecível que marcou uma íntima relação e duradoura, entre leitores e os livros de todos os gêneros. Esta primeira edição reuniu 14 amigos amantes da cultura impressa e expuseram para a população a venda de múltiplos livros. Este namoro deu tão certo que se transformou em casamento cultural sólido, sendo inacessível a qualquer tentativa de divórcio.

As muitas transformações, as quais passaram a feira do livro.

 

Deste casamento cultural já nasceram e nascerão muitas outras edições desta feira que é um ponto de encontro da população gaúcha, do Brasil e do mundo com os livros.

A feira do durante estes anos passaram por grandes transformações consequências da sua estrondosa popularização, transportando sua grandeza e legado, do RS para o Brasil e o mundo. No ano de 2006, a feira do livro de Porto Alegre, foi reconhecida pela Presidência da República como um dos acontecimentos mais formidáveis do Brasil. Quatro anos depois, em 2010, a Secretaria Municipal da Cultura declarou a feira como patrimônio imaterial do município de Porto Alegre. A feira tem um patrono conhecido como xerife. Este tem a sagrada missão de abrir e encerrar a feira e solucionar todos os problemas. Além de recepcionar os convidados: escritores e editores nacionais e internacionais. Assumo a responsabilidade de comandar todas as atrações desta grandiosa feira da cultura do livro impresso.

As vendas mostram que a feira do livro se supera em cada edição.

 

A foto mostra a definição de biblioteca do grego antigo: Depósito de livros.
Definição de Biblioteca: depósito de livros.

A cada edição dessa magnífica feira de cultura, a quantidade de livros vendidos é superada em números de exemplares, em todas as feiras. Isto mostra que o povo gaúcho lê bastante e serve de exemplo para todo o país. Muitas cidades do Rio Grande do Sul, seguiram o modelo de Porto Alegre e criaram em seu calendário cultural a sua própria feira do livro. Seria muito importante que os demais estados brasileiros seguissem o padrão do RS e criassem a feira de cultura, a venda de livros na praça para seus habitantes, comparem publicações a preços acessíveis e criem o hábito da leitura. O povo que lê é gente que tem conteúdo e culto. Quem não ler não tem nada a dizer, a argumentar; a leitura é fundamental para aprimorar nossos conhecimentos e viajar pelos lindos romances, e inesquecíveis histórias de amor. Quem ler um livro preenche sua mente de conhecimentos, instigando cada vez mais o hábito saudável da leitura diária de bons livros.

Não perca seu tempo com besteiróis, mas leiam livros.

 

Quantas pessoas perdem seu precioso tempo assistindo besteirol na televisão em vez de começar a leitura de bons livros que irão abrir horizontes, aprender a formar sua crítica, sua opinião própria, pensar diferente e não repetir o que os outros falam ou pensam. O conhecimento se adquire nos livros. Os livros são a chave que abre a porta ao mundo, o do conhecimento. Quem não ler permanece recluso na cela da ignorância! Libertar — se desta prisão escura só consegue aquele que segurar a chave para abrir o cadeado da ignorância. Esta chave é o livro. Imperativo haver persistência para segurar e souber decifrar seu poder para sair da escuridão da ignorância para entrar na sala iluminada da sabedoria.

As chaves do conhecimento estão à venda em Porto Alegre.
 

Portanto, meus amigos leitores do “blog” analiseagora a Capital do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, está a vender as chaves do conhecimento, na sua mais extraordinária feira do livro. Quem estiver distante da capital da cultura verifique em sua casa, na sua estante, ou em sua biblioteca que deve, está repleta de chaves do conhecimento, os livros. Não perca tempo comece imediatamente a lê-los. Procurar não deixar que sirvam de enfeites, empoeirados, servindo de alimentos para as traças e ácaros. Separe um tempo da sua vida e comece a ler os resultados surgirão imediatamente, não irá se arrepender pelo contrário vai se surpreender com o mundo dos livros. Faça dos livros seus amigos verdadeiros de todas as horas. Eles fazem você se emocionar, sonhar, voar e, sobretudo, preencher sua mente de conhecimento que fará você viver melhor e feliz. Ame os livros lendo-os diariamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.