Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

As crises no Brasil é proporcional ao avanço da covid-19.

A crise da pandemia no Brasil.

Nunca se viu em toda históriado país; um drama de tamanha envergadura, igual a essa do novo Coronavírus, o gerador da doença respiratória letal, que recebeu a nomenclatura científica de covid-19.
A pandemia no país tem provocado o maior número de contaminações e óbitos, nunca visto na história recente. É dramático ver tantas vidas serem ceifadas durante um único dia no país.  As previsões dos técnicos da área da saúde tanto nacionais, quanto internacionais, asseguraram que o pico dessa doença ainda está no porvir entre fim de julho ou agosto. Diante dessa situação muitos Estados começam a abrir o comércio e todos os setores da economia, mas os efeitos dessas medidas precoces diante do avanço da pandemia será imprevisíveis nos próximos dias.

STF manda pagar precatórios em parcela única aos funcionários públicos.

O STF manda pagar os precatórios em parcela única.

A imagem mostra a sigla (STF) Supremo Tribunal Federal em decisão surpreendente manda os governos pagarem em parcela única os precatórios aos seus donos legítimos.
Muitos governadores e prefeitos descumprem a ordem do STF.
Finalmente o Supremo Tribunal Federal (STF) mandou os governos pagarem em parcela única os precatórios ao funcionalismo público de todo o país. Realmente foi   uma decisão sábia, justa e coerente para pôr fim ao sofrimento de quem tem um algum precatório a receber neste país. A Corte suprema considerou inconstitucional a emenda 62 de 2009, que alterou a forma de pagamento dos precatórios e que penalizava brutalmente a todos os trabalhadores públicos de todas as esferas administrativas do Brasil, além das outras pessoas com causas diversas. Todas as pessoas físicas ou jurídicas que tem suas ações ganhas nos tribunais que não cabem mais recurso da parte do réu devedor.
Todavia, nunca receberam os valores devido às eternas postergações que esta injusta emenda concedia aos réus devedores; prazos ilimitados para não pagarem ao cidadão o direito a receberem os pagamentos dos precatórios.


Agora o STF derrubou partes desta emenda inconstitucional de 2009 que prorrogava o pagamento dos precatórios aos ganhadores das ações com decisões judicias definitivas. Geralmente os agentes públicos devedores aos cidadãos, donos dos precatórios, esta emenda concedia um prazo de 15 anos; e humilhantes parcelamentos que não faziam diferença nos contracheques quando alguém tinha a “zebra” de recebê-los.
Porém, isso dependendo das tramitações judiciais e outras ações que os réus impetravam este prazo ultrapassava esse tempo de 15 anos para um período indeterminado. Em muitos casos os donos legítimos não chegavam a receber faleciam e o dinheiro passava para os parentes.
Através desta decisão do STF, obrigando os governos respeitarem a Constituição de 1988 a pagarem os precatórios no ano seguinte após decisão final da justiça, em parcela única; foi de fato uma vitória da cidadania e um resgate da dignidade do cidadão; que estava sendo injustiçada por não receber um pagamento que já foi decidido definitivamente pela justiça.

No entanto, os governos retinham por muitos anos este dinheiro nos tesouros públicos, usando o mesmo para tudo e obtendo lucros exorbitantes em aplicações através de aplicações financeiras do dinheiro dos trabalhadores e de outras causas judiciais do cidadão. Este lucro às vezes eles aplicavam em obras que não teriam serventia nenhuma para o cidadão e isto quando não é investido em coisas abstrusas que ninguém conhece ou até mesmo alimentando a corrupção nos meandros governamentais.

http://www.analiseagora.com/
O ponto de interrogação nos deixa uma dúvida será que a lei será cumprida?

Portanto, de momento esta decisão é uma verdadeira luz no fim do túnel que se acendeu para todos que já haviam perdido definitivamente a esperança de um dia receberem este direito legitimo. Uma luz de esperança para os trabalhadores públicos do Brasil e todos que esperavam por um recebimento de um precatório em sua conta bancaria. Quem encerrava a esperança de nunca mais receber esta dívida do poder público, novamente reacendeu a esperança em receberem o que os tribunais decidiram como causas procedentes; porém nucas pagas pelos governos municipais, estadual e federal.

Segundo o Conselho Nacional de Justiça hoje, o governo municipal e estadual tem uma dívida de precatórios que chega o montante de R$ 94,3 bilhões em precatórios aos cidadãos brasileiros que entraram com ações contra o governo e ganharam. Contudo, como ainda faltam serem decididos alguns itens e certamente muitos governos estaduais e municipais vão procurar alguma brecha para tentarem entrar com ações e postergarem por mais alguns anos o pagamento deste tão almejado dinheiro, por todos aqueles que esperam há muitos anos.

Quem tem algum precatório a receber dever ficar atentos as mobilizações dos governos e seus lobistas para não cumprirem mais esta decisão da corte suprema da justiça brasileira. Exemplos de descumprimentos das descrições do STF existem no Brasil. O Caso mais conhecido, recente e polêmico é do piso salarial do magistério. Até agora alguns governadores dos Estados da Federação do Brasil estão fora da lei. Não cumpriram com a decisão do Supremo Tribunal Federal e não pagaram o piso do magistério. Sãos os governadores dos Estados do RS, SC, MS, MG, GO e PI. Entraram com ADIM foram derrotados e mesmo assim, ainda permanecem sem cumprirem a esta Lei federal. Sempre encontram subterfúgios para não cumprirem com a lei e apresentam um péssimo exemplo para a população de desobediência as decisões judiciais.


Portanto é melhor todos ficarem atentos e se por ventura isto venha se materializar em descumprimento. Sem hesitação todos os prejudicados devem se organizar irem às ruas, as redes sociais denunciando este descumprimento dos administradores públicos e também exigirem o cumprimento da lei, mobilizando-se indo as ruas e gritar pelo cumprimento da decisão da suprema da justiça brasileira.  

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Você já rotulou alguém de burro?

É uma atitude preconceituosa para ferir o sentimento de outrem e ruim para o convívio social.Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo composta sobre duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Um desenho simplório num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.
Este utensílio domestica há muitos anos foram usados no país inteiro até chegar às primeiras transmissões de energia elétrica nas capitais e aos poucos foram se disseminado para o restante do país.