Pular para o conteúdo principal

O homem e seus vícios que os conduzem a humilhação.

O homem carrega em sua essência a natureza pecaminosa herdada desde a criação dos primeiros humanos Adão e Eva pois foram gerados, a imagem semelhança de Deus. Mas pecaram.
Entre tantos vícios o do jogo de azar já levou muitas pessoas a ruína.
O homem carrega em sua essência a natureza pecaminosa herdada desde a criação dos primeiros humanos Adão e Eva pois foram gerados, a imagem semelhança de Deus. Mas pecaram. Contudo, como consequências da desobediência os humanos adquiriram vários vícios que os oprimem e os deixam em situações de humilhações e escravidões diante da família, amigos e a sociedade.   Tem muitos casos sem volta, outros, no entanto existem soluções quando os próprios viciados se conscientizam dos seus estados doentios, mas   de livre e espontânea vontade procuram ajuda.

Quando ocorreu a   desobediência e pecaram contra o Criador, a partir deste ponto todos os humanos adotaram este legado pecaminoso. Tudo ocorreu no instante quando os dois foram enganados pelo satanás e comeram do fruto proibido, que segundo a Bíblia em gênesis no capitulo três; era da árvore do conhecimento do bem e do mal. Esta indisciplina custou muito caro para todos os humanos desde a sua origem aos dias atuais e para sempre.
Contudo, os humanos levam em sua alma o preço do pecado, mas Jesus o Filho de Deus assumiu este ônus quando se fez humano, foi assassinado numa cruz e ressuscitado gloriosamente para derrotar definitivamente a morte eterna e nos salvar. Obviamente todo este plano perfeito de salvação de Deus, somente é aceitável para quem crer nesta verdade divina. Eu creio, aceito e proclamo esta verdade. Porém, respeito a todos que pensam ao contrário e reciprocamente solicito a todos que respeitem a minha fé.  

Este temperamento fundamentado no pecado é a responsável pela geração de todos os pecados humanos e uma lista intermináveis de vícios que os escravizam de maneira humilhante todos os humanos. Entre tantos vícios irei nesta matéria explanar sobre o vício de jogar, o jogo de azar. Nem seria azar, mas em razão de uma tradução errada do idioma espanhol para o português ficou conhecido como jogo de azar. O correto seria o jogo das probabilidades entre os acertos e a sorte dos jogadores. Já defendi uma tese em meu blog de que sorte não existe. Em vez de acaso o que existe de fato na realidade, é responsabilidade e competência em tudo o que se faz nesta vida. 
O jogo de azar que se subdivide em muitas categorias tem levado muitas pessoas ao fundo do poço e os especialistas na área da psiquiatria os classificam como doença. É uma doença que se iguala a qualquer outra quando se foge do autocontrole como por exemplo o consumo de álcool que infelizmente é licito e também o uso de drogas químicas ilícitas que levam muitas pessoas a destruição total.

O jogo de azar ou das probabilidades não foge deste mesmo parâmetro e também leva muita gente a se transformar em jogador compulsivo levando a perder tudo. Inclusive o patrimônio adquirido com muitos esforços ao longo da vida.
O ponto de interrogação questiona o por quer de tantas pessoas se tornarem compulsivas nos vícios?

O jogo de azar ou das probabilidades não foge deste mesmo parâmetro e também leva muita gente a se transformar em jogador compulsivo levando a perder tudo. Inclusive o patrimônio adquirido com muitos esforços ao longo da vida. Existem muita gente rica que perde tudo nas bancas e mesas dos jogos de azar entre os amigos viciados. No meio destes viciados existem aqueles que ainda não chegaram ao nível da compulsão e se encarrega de ganhar trapaceando de os estilos os outros jogadores compulsivos.
O problema é tão sério que muitos jogadores compulsivos no decorrer do tempo eles se empobrecem material e moralmente. E o mais dramático perdem também a família que os tantos prezam e em seguida os “amigos”, aqueles que faziam companhia nas noites e mais noites de intensos jogos. No momento da perda de tudo aquela “amiga” os desconhecem e os tratam como estranhos e até mesmo delinquentes é o preço do maldito vicio do jogar compulsivamente.

Existem em nossa sociedade muitos casos de empresários que perderam completamente o patrimônio nos jogos de azar e hoje são mendigos de rua. Já conheci muitos andarilhos das ruas e após uma longa conversa eles revelaram o grau de instrução geralmente do nível superior formados em mestrado e alguns em doutorado em disciplinas especificas do conhecimento humano. Hoje muitas pessoas em função do jogo das probabilidades vivem nas ruas.  São histórias dramáticas que começaram cedo, mas de maneira lenta e contínua até alcançarem a ruína e serem abandonados pelas famílias na rua experimentam os maiores vexames antes nunca conhecido quando ostentavam alto padrão de vida. 

Hoje muitas pessoas em função do jogo das probabilidades vivem nas ruas.  São histórias dramáticas que começaram cedo, mas de maneira lenta e contínua até alcançarem a ruína.
A imagem mostra a palavra homem e muitos vivem na ruína dos vícios. 

Portanto, avalio o jogo de azar ser igual a qualquer doença como o alcoolismo e todas dependência química de outras drogas. No alcoolismo a pessoa   se inicia cedo e de gole em gole permanente até se transformar em alcoólatra. No jogo de azar também tem o mesmo processo com pouquíssimas diferenças que variam de pessoa para pessoa. Alguns jogadores começaram cedo e outros iniciaram o vício após uma certa idade e também para compensar algo que foi perdido numa certa circunstância da vida como por exemplo a perda de um negócio, ente querido ou uma decepção amorosa. Além de tantos outros casos que os levam a procurar novos amigos errados para preencher certa lacuna. Todavia, como procuram o caminho errado, estas pessoas doentes; os levaram ao precipício, para a derrota irreversível da vida.
O jogo de azar ou das probabilidades é considerado uma doença pela psiquiatria quando o jogador perde a noção de lazer e parte para o patamar da compulsão. Geralmente todos estes comportamentos ao atingir esta envergadura de sofrimento é considerado patologia pelos especialistas da medicina e especificamente desta especialidade. É Bom saber que como doença provocadora de inúmeros sofrimentos devastadores da psique, todas elas têm cura. Agora é imprescindível que todos dependentes necessariamente precisam, eles mesmos se auto conscientizarem que estão doentes e precisam procurarem a ajuda dos médicos da psiquiatria e fazer o tratamento correto como eles mandarem para alcançar a libertação desta humilhante escravidão e voltar apara os braços da família e ser cidadãos ou cidadãos respeitados e com autoestima, e sentir o valor da vida.

Comentários