Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

A história do cinema no Brasil está nas cinzas.

O prejuízo é inumerável para a sétima arte brasileira. Fogo na cinemateca Brasileira/Créditos/Rede Brasil Atual.   Este infeliz episódio do incêndio sobre o galpão da Cinemateca Brasileira, que está localizado, na zona oeste da Capital paulista, São Paulo, nesta última quinta-feira dia 29 de julho de 2021, apagou em definitivo, parte da história do cinema do país. Este dia será marcado como a destruição através do fogo do maior acervo cinematográfico do cinema do Brasil. Mais uma vez a sétima arte do país sofre o pior golpe em seus anos de existência. O que foi queimado ficará sem volta desta coleção de 250 mil rolos de filmes, documentos históricos, e outros que se transformaram em cinzas e certamente pouca coisa deve ter sido salva. No entanto, os poucos que foram salvos, certamente devem ter sido danificados, a sua qualidade, porque foram atingidos, com a temperatura do fogo e a água sobre os rolos. Materiais sensíveis que dificilmente serão recuperados. Foram 100 anos de histór

A comunicação em cartas havia emoções.

Na era digital excluíram-se a distância e as emoções nas comunicações.

 

A imagem mostra um envelope dos correios brasileiro e nas cores também do Brasil, verde, amarelo e azul.
Envelope antigo dos Correios para cartas. 

A comunicação antigamente na sua grande maioria entre remetente e destinatário era através de cartas escritas à mão, mas eram totalmente emocionantes, atualmente são todas eletrônicas, porém, frias e descartáveis.

Na era da tecnologia da informação se excluíram as distâncias, o tempo e as emoções. Contudo, incluiu-se a frieza nas formas e nos meios de comunicação digitais velozes. As gerações mais experientes podem relembrar como eram emocionantes em tempos de outrora as comunicações a distância.

Por mais demorado que fosse a espera para receber uma carta de amor ou comercial, um cartão de datas especiais de todos os gêneros, os convites bem trabalhados para todas as ocasiões festivas, telegramas inesperados de boas notícias ou até assustadoras, todos eram repletos de emoções.

A emoção de ler uma carta escrita à mão vinda de longe.

A emoção de ler uma carta de um familiar ou de uma namorada que moravam distantes simplesmente, era indescritível. Tudo incluía pleno sentido e sentimento de ter a certeza de que aquela carta foi escrita com muito carinho, pensamento voltado para quem estava a escrever a força da mão firme. Na medida em que a pessoa sentiu saudades, ou através de muitos outros motivos se aprovisionam de todos os cuidados para elaborar uma linguagem clara e objetiva que de fato expressassem todos os sentimentos, emoções ou outros pretextos para se direcionar ao destinatário com anseio, conhecimento, expressar todas as ternuras. Preservar a clareza da comunicação requintada do remetente para o destinatário.

 

Geralmente quem morava distante dos familiares, das amadas ou de alguma relação comercial sempre permanecia na angustiante demora para ter notícias. No momento, era decepcionante quando o carteiro passava direto na rua sem trazer nada de notícias.

Não obstante, no momento o qual o carteiro depositava qualquer correspondência na caixa do correio o coração começava a pulsar descontroladamente até chegar e apanhar à carta ou cartão para saber do conteúdo do qual chegariam tais comunicações.

Quantas recordações ao receber uma carta elaborada a mão?

 

A imagem mostra a palavra e-mail, ou correio eletrônico.!
O e-mail a correspondência rápida. 

Todos os saudosos devem lembrar como era diferente pegar a carta, olhar o nome do remetente e a procedência e numa rapidez abria o envelope, os olhos fitavam no conteúdo do início ao fim. Quando era uma carta de amor sempre perfumada para construir um cenário real e aumentar o elo amoroso? Geralmente, lembrar vigorosamente a presença da pessoa amada e reavivar na mente o semblante da namorada relembrando os momentos inesquecíveis mesmo a longa distância.

 

Assim aconteciam com as demais correspondências, ainda que formadas através de outros motivos sempre a emoção estava presente. Saber quem remeteu se precaveu de todos os cuidados para escrever, envelopar e ir até às agências dos correios, por que para muitos a agência permanecia a quilômetros de distância da casa. Depois da primeira leitura era guardada em uma gaveta especial, com muito zelo para ser lida e relida muitas vezes. Observar o selo comemorativo, colecionar ou doar para um filatelista conhecido completar sua coleção de selos únicos, ou simplesmente trocar alguns diferentes para aumentar sua própria filatelia.

A ansiedade do remetente na certeza de que a carta chegou ao destinatário.

Quem remeteu continuava na ansiedade para ter a certeza de que sua correspondência chegou às mãos do destinatário? Esta dúvida só terminava quando o destinatário respondia e a assim era uma sucessão interminável das emoções nas comunicações de mil novecentos e antigamente. Tudo era carregado de emoção e calor humano.

 

Nas datas especiais havia trocas de cartões em calorosas mensagens dependendo da ocasião e o objetivo da amizade. As inesquecíveis viagens de férias, lua de mel ou turismo era praxe mandar um cartão da cidade e lindas dedicatórias. Tudo era demorado e leva muito tempo para enviar e receber a resposta de volta, mas tudo tinha expectativa e emoção.

 

Conheça este importante tópico histórico.

 

Quanto tempo o rei de Portugal levou para se obter notícias da comitiva de Pedro Álvares Cabral ao Brasil? Porquanto, deve ter sido emocionante ter lido a Carta de Pero Vaz de Caminha, exímio escritor português, relatando com precisão os detalhes das terras brasileiras.

A era gelada e veloz da comunicação.

 

A era da tecnologia da informação eliminou a distância é o lado positivo, agora tudo é instantâneo e em tempo real, mas negativo, exterminou as emoções, as curiosidades, a ansiedade do tempo de espera. Contudo, estamos na era do gelo virtual! Tudo é gélido sem emoção e rapidamente descartado. Ainda que tudo permaneça gravado nos diálogos dos (e-mails) correios-eletrônicos, caem no esquecimento na mesma velocidade que entram na caixa do correio eletrônico. Quantas e quantas correspondências virtuais não são lidas nem a metade do primeiro parágrafo?

Neste, instantemente já entram enxurradas de várias outras que também não são lidas e vão direto para a lixeira eletrônica, pois, muitas são os detestáveis spams que atormentam e trazem grandes prejuízos para todos os donos de computadores e dispositivos móveis conectados à “internet”. Quantas vezes nuns simples descuidos os usuários deram um clique em quaisquer desses abomináveis spams, os estragos serão consumados. Todavia todos eles são maliciosos e vêm cheios de vírus perigosos quase invisíveis. Gente do mal que vivem a causar problemas a todos os internautas.

Hoje as cartas têm uma nova função: a do temor e não do amor.

 

A foto mostra um envelope antigo dos correios do Brasil  nas cores também do Brasil, verde, amarelo e azul.
A foto mostra um envelope antigo dos correios do Brasil para cartas.


Portanto, o correio hoje tem uma função de mensageiro meramente comercial, pois, raramente trazem boas e saudosas correspondências. Os correios chegam a nossa casa sem que nem percebamos e geralmente trazem correspondências que já aguardamos rotineiramente. São aquelas corriqueiras e bem específicas cobranças, contas mensais, intimações policiais e judiciais, multas de trânsito e muitas propagandas indesejáveis que invadem e entopem a caixa de correspondência. Em tempos de espionagem as grandes empresas descobrem os nossos cadastros e começam a mandar suas campanhas de ‘marketing’ de seus conglomerados.

 

São os dois lados de uma mesma realidade. A comunicação de antes era atrasada em relação ao tempo e velocidade, mas eram recheadas de grandes surpresas e emoções românticas. Hoje tudo é modernizado e com tecnologias de última geração, se faz e reproduz uma comunicação em tempo real, mas gélida, sem surpresa e sem emoção logo se perde a expectativa e vira banalidade. Sem contabilizar os perigos de violação e espionagem quem anda oculto nos correios-eletrônicos  e que entopem nossas caixas eletrônicas dos computadores e dispositivos móveis conectados a “web”. Ainda prefiro receber uma carta escrita à mão para relembrar os tempos antigos meio no atraso, mas seguro e com uma grande dose de romantismo.

Quero deixar bem claro que jamais sou contra as novas tecnologias que facilitam a nossa vida na contemporaneidade, apenas estou comparando e mostrando as diferenças próprias entre uma forma de comunicação e outra e este aspecto da emoção que vivi nas antigas correspondências e nossa geração desconhece.✉⏳☎

Comentários

  1. Quanta beleza e poesia. As cartas sempre me emocionam. Quando o envelope é aberto , podemos sentir o perfume das mãos que escreveram cada palavra retirada do mais fundo coração. Antes, quando o correio gritava nossos nomes, os corações disparavam. E vinham notícias cujas páginas recheadas perfumavam nosso dia. As palavras vibravam, vibravam...até hoje, ao abrir um livro, encontro uma carta intacta, meio amarelada pelo tempo, mas com o mesmo aroma da juventude. E cartas são valentes, não se apagam suas letras, independem de tomadas, chips, estão lá vivas e revivendo as melhores memórias. Lindo artigo. Lindo. Muito obrigada por me lembrar dos anos mais tenros da vida...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia! Seja bem-vinda minha amiga Margarida Rios ao blog analiseagora. É uma alegria te receber. Espero que esta seja a primeira de muitas e muitas visitas para ler os artigos aqui postados e que os mesmos venham te interessar e completar as tuas buscas dos mais diversos assuntos que amas e estejas procurando respostas. Espero que as matérias do blog sejam de fato excelentes para complementarem as tuas pesquisas.
      Há este grande contraste entre a comunicação antes e depois do advento da web. Tudo mudou e tem seus dois lados: a velocidade da informação instantânea e a saudade que surge em nossos corações das cartas escritas a mão ainda que eram demoradas tanto para remeter quanto para receber, mas havia emoções. Hoje na velocidade da informação tudo se perdeu. Todavia devemos aprender a conviver com a tecnologia que é necessária nos dias atuais sem perder o romantismo. Algo um tanto difícil para a conhecida “geração arroba” ou da tecnologia da informação. Bom dia e volte sempre ao nosso blog. Beijos querida em teu coração

      Excluir
  2. Até currículo era enviado por carta .
    E os correios eram eficientes .
    Ótima publicação

    ResponderExcluir
  3. Verdade minha amiga. Eu mandei vários curriculum vitae para muitas empresas e geralmente recebia respostas. Um dos empregos consegui via currículo enviado pelo correio e foi uma alegria enorme ao receber a resposta positiva e a marcação para entrevista. São coisas marcantes que ficaram na nossa história e os correios ajudaram a construir. Porém, temos que nos adaptar a era da velocidade, a era digital, do tudo online e manter nossos negócios em crescimento de acordo com as exigências do tempo presente.

    ResponderExcluir
  4. Ainda uso escrever cartas /cartões e enviar pelo correio .
    Tem muitas pessoas que gostam .Fica mais personalizado.

    ResponderExcluir
  5. Olá, continuo com o velho hábito de escrever cartas, cartões de aniversário de boas festas. Aguardo ansiosa muitas respostas que não chegam... muitos gostam de receber, não curtem responder. A tecnologia está a disposição para um tanto de pessoas. No entanto o acesso não é totalmente global como dizem.
    Deixei de conhecer muitos familiares pois não eram alfabetizados. Minha mãe não se alfabetizou, perderam se os contatos com as mudanças. Ela sempre valorizou o encontro entre os irmãos. Alguns encontros foram possíveis por conta da oralidade.
    Poderia continuar comentando muito mais...
    Por ora ainda hoje fico feliz de saber que as cartas enviadas em 2020 chegaram com sucesso aos destinatários. Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei quem é, mas mesmo assim, seja bem vindo(a) ao nosso blog analiseagora.com volte sempre. Só pediria por gentileza que se identificasse para que pudéssemos estabelecer uma comunicação mais segura e pessoal. Eu fiquei muitíssimo feliz e grato em saber que gostou do texto e continua com este hábito maravilhoso de escrever cartas, cartões e esperar receber. Realmente são poucas pessoas que cultivam esta prática maravilhosa e emocionante de escrever cartas, cartões e boas mensagens para diversas ocasiões em plena era digital. É um hábito estranho para as gerações da tecnologia da informação, mas cultivo com muito orgulho. Geralmente todas as pessoas que me comunico com as boas e as amadas cartas, retornam e assim aos pouquinhos vai se restabelecendo essa antiga e boa forma de comunicação.

      Excluir

Postar um comentário

Por gentileza deixe seu comentário é muito importante para nosso trabalho.

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade. Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina , artefato antiquíssimo composta sobre duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Um desenho simplório num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal. Este utensílio domestica há muitos anos foram usados no país inteiro até chegar às primeiras transmissões de energia elétrica nas capitais e aos poucos foram se disseminado para o restante do país.