Pular para o conteúdo principal

Postagens mais visitadas deste blog

Você já rotulou alguém de burro?

É uma atitude preconceituosa para ferir o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas tem uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes.  Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo composta sobre duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Um desenho simplório num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.
Este utensílio domestica há muitos anos foram usados no país inteiro até chegar às primeiras transmissões de energia elétrica nas capitais e aos poucos foram se disseminado para o restante do país. 

Governadores e prefeitos desmotivam os professores.

Os professores são os formadores de todos os demais profissionais. Ainda assim, não tem seus direitos e suas conquistas reconhecidos, respeitadas através de todos aqueles eleitos pela vontade da população.
A educação no Brasil nunca foi e nunca será prioridade.
O gestor público de todas as esferas administrativas deste país tem o prazer de eliminar proposital e absurdamente os direitos dos professores. São conquistas árduas, e resultados de muitos anos de mobilizações e grandes lutas. Os professores são os formadores de todos os demais profissionais. Ainda assim, não tem seus direitos e suas conquistas reconhecidos, respeitadas através de todos aqueles eleitos pela vontade da população. Na democracia os povos passam uma procuração através do voto para os representar e defender   no poder executivo e legislativo. Os políticos recebem também   a caneta do poder para simplesmente revogar os direitos dos trabalhadores em educação.

Existem muitos governadores e prefeitos que foram eleitos para proteger os mestres, mas quando chegam ao poder cortam o diálogo nas negociações. E se transformam em governos extremamente violentos e usam a força policial, para reprimir de maneira truculenta os professores. Os docentes, simplesmente como educadores vão defender na pratica seus direitos, uma verdadeira aula de democracia e cidadania para ser exemplo de educador para seus discentes. Contudo, são vistos pelos seus patrões públicos, como bandidos de alta periculosidade. O exemplo recente de violência foi no Paraná onde se tem um governador violento, de direita radical que usou da força policial e mandou bater em seus professores, em vez de dialogar democraticamente.  Em outros estados e em outras épocas os mestres foram recebidos com muita violência por aqueles que deveriam zelar pela segurança do cidadão, dos educadores e da educação.

Os administradores públicos atacam os professores em várias frentes, salarias, estruturais, pedagógica, etc e etc.  Entretanto, a mais sensível e visível é a questão salarial. Observem o que está ocorrendo greves confrontos em todos os estados e municípios brasileiros. Atualmente existem seis estados em greve são Pará, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Goiás, e Sergipe, além de muitos municípios brasileiros.

O motivo principal é o descumprimento da Lei do Piso, que neste ano estabelece o reajuste de 13,01%, garantindo um salário inicial R$ 1.917,78.  Esta situação possui forte tendência de aumentar os movimentos das greves em todo o país.  Isso por quer os governadores e prefeitos unicamente abandonaram a realidade dos professores, e da educação, que é dramática em todo o seu sistema de ensino e aprendizagem.



O motivo principal é o descumprimento da Lei do Piso, que neste ano estabelece o reajuste de 13,01%, garantindo um salário inicial R$ 1.917,78.  Esta situação possui forte tendência de aumentar os movimentos das greves em todo o país.
A lei do piso do magistério.


Patrões públicos do Brasil desmotivam seus professores pagando baixos salários e usando de violência policial.  Aqui no RS até o momento não se cogita nenhum um centavo de aumento salarial para os trabalhadores em educação. Este mês foi determinado o parcelamento dos salários. A Justificativa falaciosa, o Estado está quebrado. Uma espécie de aviso penoso aos professores. Nem pensem e não venham pedir aumento e muito menos exigir o pagamento integral da lei do piso salarial nacional dos professores. Somente há uma alternativa a não se fazer uma greve forte e unida de toda a categoria. Igual às greves de vários anos a partir de 1979 e fins das décadas de 80 e 90. Nestas greves históricas o Cpers/sindicato conseguia unir o magistério gaúcho e mostrou sua força, por quer havia união da categoria e foram nestas greves onde a categoria conseguiu obter seus principais direitos.
Portanto, vivenciamos mais terrível momento de crise econômica preocupante, mas mesmo nos períodos de bonança, o magistério nunca foi zelado pelos seus administradores como deveria ser. Com respeito e dignidade. Esta realidade cruel de desrespeito aos direitos dos trabalhadores em educação sempre existiu e sempre existirá de maneira intensa daqui para frente nos próximos anos. Esta desvalorização do magistério poderá contínua e cada vez mais rigorosa, pelo simples motivo os nossos governantes brasileiros, preferem um povo inculto. Uma nação culta pode se transformar num sério problema para quem está no poder. É fácil simplesmente investir em um ensino técnico, para formar mão de obra barata do que investir em um modelo de aprendizagem que ensino a pensar. Os governos sabem disso e a melhor maneira de implantar este “pão e circo” é desmotivando os professores pagando salário de fome. Ainda que o professor tenha vocação para o magistério em pouco tempo de trabalho pede exoneração e parte para outra profissão que o valorize como profissional e permita ter uma vida digna.