Pular para o conteúdo principal

Postagem recente.

O Muro da Mauá: Sentinela de Porto Alegre entre Memória e Futuro

  A majestade do Muro da Mauá protege Porto Alegre desde 1974. A Rodoviária de Porto Alegre, alagada pelo enchente do Guaíba, em 2024. O Muro da Mauá , majestosamente erguido entre o Cais Mauá e a Avenida Mauá, no coração de Porto Alegre, Rio Grande do Sul, ostenta algo muito além de sua imponente estrutura de concreto. Sua história, entrelaçada com as águas revoltas do Rio Guaíba , iniciou-se na década de 1970 como resposta à devastadora enchente de 1941 . Hoje, este gigante de concreto se ergue como guardião da cidade, enfrentando os desafios climáticos e preservando a memória coletiva. Mais que proteção contra enchentes: um marco histórico e social Embora sua função primordial seja proteger a região central da cidade de inundações causadas pelo Guaíba, o Muro da Mauá assume um papel muito mais amplo: Desenvolvimento urbano: O sistema de diques e comportas associado ao muro possibilitou o desenvolvimento seguro de áreas adjacentes ao rio, impulsionando o crescimento da cidade. Valor

Revisitando a Enchente de 1941 em Porto Alegre: Uma Ferida Aberta na Memória Coletiva com um Epílogo



Um Dilúvio Gaúcho: Revisitando a Tragédia de 1941







Em 1941, Porto Alegre foi palco de um dos eventos mais traumáticos de sua história: a enchente que submergiu a cidade por 22 dias implacáveis. As águas revoltas do Guaíba, em fúria incontrolável, inundaram casas, comércios e ruas, deixando um rastro de destruição e sofrimento que jamais se apagará da memória da capital gaúcha.


Um Retrato do Caos: Destruição e Desespero


A enchente de 1941 não foi apenas um desastre natural. Foi um dilúvio que varreu a alma da cidade, deixando 70 mil pessoas desabrigadas, 600 empresas paralisadas e causando prejuízos incalculáveis. Famílias foram separadas, sonhos foram tragados pela correnteza e a esperança se viu envolta na lama.


Lendas e Mistérios: Sussurros nas Águas


Como em toda grande tragédia, a enchente de 1941 alimentou a imaginação popular, dando origem a lendas e mistérios que persistem até hoje. Histórias de fantasmas que vagavam pelas ruínas, de tesouros escondidos nas profundezas do Guaíba e de seres sobrenaturais que emergiam das águas para lamentar a devastação ecoam pelos corredores do tempo, servindo como um lembrete permanente da fúria da natureza.


Muro de Contenção: Uma Cicatriz na Paisagem Urbana


Em resposta ao desastre, o Muro da Mauá foi erguido, uma cicatriz concreta na paisagem urbana que serve como um lembrete constante da vulnerabilidade da cidade. Com suas comportas metálicas e quilômetros de diques, o muro representa a luta do homem contra a fúria da natureza, uma batalha árdua que se trava dia após dia.


Lições Aprendidas e Desafios do Presente: Entre a Fragilidade e a Resiliência


A foto mostra uma visão parcial da Cidade de São Leopoldo alagada pelas águas do Rio dos Sinos.


A enchente de 1941, embora tenha sido um evento extremo com tempo de recorrência estimado em 370 anos, serviu como um alerta crucial. As inundações de 2023 e 2024, no entanto, demonstraram que, apesar dos esforços, ainda há muito a ser feito. O gigante adormecido, o Lago Guaíba, despertou sua fúria, expondo a fragilidade de Porto Alegre e a necessidade urgente de medidas mais eficazes para garantir a segurança da cidade.


Um Clamor por Segurança: A Necessidade Urgente de Ação


A urgência do momento é evidente. Ampliar o muro de contenção, modernizar os sistemas de monitoramento, aprimorar os planos de contingência e investir em obras de contenção em encostas e vales são medidas essenciais para proteger Porto Alegre de futuras tragédias. Ações conjuntas entre governos, sociedade civil e comunidade científica são cruciais para construir um futuro mais seguro para a capital gaúcha.


Um Futuro Mais Seguro: Construindo Resiliência com União e Investimento

Investir em infraestrutura resiliente, promover educação ambiental e conscientizar a população sobre os riscos de inundações são ações fundamentais para construir uma Porto Alegre mais preparada para os desafios do futuro. Somente através da união de esforços e da implementação de medidas eficazes será possível transformar a fragilidade em resiliência e garantir que a cidade esteja protegida contra as fúrias da natureza e as mudanças climáticas.


Epílogo: Uma Ferida Aberta que Clama por Cura

A história da enchente de 1941 serve como um lembrete permanente da força da natureza e da necessidade de estarmos sempre preparados. Mais do que um evento do passado, ela é uma ferida aberta na memória coletiva de Porto Alegre, um clamor por um futuro mais seguro e resiliente. É um chamado à ação, um convite à união para construirmos juntos uma cidade mais forte, capaz de resistir às intempéries do tempo e garantir o bem-estar das próximas gerações.


Lembre-se:


● A ferida da enchente de 1941 continua presente na memória de Porto Alegre.

● A história da enchente nos ensina a estarmos sempre preparados para os caprichos da natureza.

Precisamos construir um futuro mais seguro e resiliente para Porto Alegre.

● A união de esforços é fundamental para alcançarmos esse objetivo.

● Somente através da colaboração e do compromisso com a segurança poderemos transformar.

_________

Notas de rodapé e referências.


Artigo de Jornal Online:

SILVA, J. A. Enchente de 1941: Uma Tragédia que Marcou Porto Alegre. Correio do Povo, Porto Alegre, 15 abr. 2024.

AZEVEDO, M. C. A Enchente de 1941 e Seus Impactos na Cidade de Porto Alegre. Zero Hora, Porto Alegre, 20 abr. 2024, p. 5.


Artigo Científico:


SOUZA, A. F. de. A Enchente de 1941 em Porto Alegre: Uma Análise Histórica e Social. Revista Brasileira de Estudos Urbanos, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 547-568, set./dez. 2024.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe, para expressar, as suas qualidades.

As mães possuem suas qualidades no abc da vida.   A imagem diz o  abc da mãe  As mães, quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhecem esta árdua luta das mães e são gratos a elas. Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.   Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dando à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e lamentar a sua real importância quando elas morrem. Os filhos deveriam observar e valorizar as qualidades da mãe.   Neste simples abc da mãe, todos os filhos deveriam sempre obser

Candeeiro ou lamparina antiga, mas muito usado no Brasil.

O candeeiro fez parte da vida do povo nos tempos remotos e na atualidade.   Sem luz se usa o candeeiro. Candeeiro é a lamparina, artefato antiquíssimo, composta por duas partes simples. A sua base é feita de lata comum. Pode-se observar que é um desenho simplório, num formato de uma pirâmide. No topo desta pirâmide usa-se pavio de fabricado de algodão. Ele é umedecido com querosene, que é colocado na parte de baixo, como podemos observar tem uma forma redonda, mas como base piramidal.

Você já rotulou alguém de burro?

Essa atitude é preconceituosa, ela  ferirá o sentimento de outrem e ruim para o convívio social. A expressão Burro comprova o preconceito  entre as pessoas.  Quando alguém utiliza este vocábulo burro para qualificar outrem, somente vem comprovar como muitas pessoas têm uma mentalidade maldosa, preconceituosa e intolerante em relação aos seus semelhantes. É inaceitável como é usado no Brasil o termo “burro” entre as pessoas. Muitos usam de maneira intencional para ofender covardemente os seus semelhantes. Alguns humanos a utilizam de maneira maldosa, preconceituosa e ofensiva. Isso vem ocorrendo desde o início da colonização até os dias atuais.