Pular para o conteúdo principal

A intolerância entre alguns internautas é constante e tumultua a convivência nas redes socais.

http://www.analiseagora.com/
Barra de pequisa na internet.
Hoje a intolerância é extremamente presente entre muitos internautas nas redes sociais. Esta realidade ruim ascendeu de forma perigosa e de maneira descontrolada principalmente no Brasil a partir do ano de 2014. Quando foram realizadas as eleições gerais   e principalmente para Presidente da República. A partir do momento em que o TSE divulgou o resultado oficial das eleições presidências, ocorreu então uma enorme fenda entre a nação brasileira com tendências crescente.

Permaneceram de um lado os da direita reacionária, inconformados com a esmagadora derrota eleitoral.  Contudo, do outro lado, continuou a esquerda consagrada por uma vitória majestosa, ratificada pela vontade do povo, expressada nas urnas. A partir de então os derrotados começaram a semear entre os internautas a discórdia, o ódio, o pré-conceito, a inconformidade com a derrota e a intolerância partidária. Atualmente, já está ultrapassou todos os limites de convivência social na internet com algumas pessoas. Elas ultrapassam o âmbito partidário para o pessoal. Não somente nas redes sociais como também na vida real.    

O ano de 2014 entrou para a história com esse péssimo legado e marco realmente negativo, o da explosão da intolerância das ideias ideologias e políticas. Para constatar este maléfico comportamento entre os brasileiros é muito simples, basta postar algo sério e responsável que expresse ser do Partido dos Trabalhadores, que imediatamente vem uma avalanche de críticas ofensivas, raivosas, agressividades de todas as espécies. Muitos usam palavras torpes, com claro intuito de ofender e intimidar. Isso não condiz com uma sociedade democrática onde impera a liberdade de expressão, o livre arbítrio, o direito de ir e vir, credo religioso, partidário, etc.

Esta situação desagradável é evidenciada entre amigos de longas datas que foram adicionados, mas os mesmos não aceitam o pensar diferente, ter uma definição partidária transparente. Muitos não sabem conviver respeitosamente dentro do antagonismo de ideias.  Em vez de argumentar elegantemente, partem para a grosseria e a estupidez não permitindo de maneira nenhuma abrir espaço para o diálogo, respeitando as diferenças das ideologias políticas.



Já percebi está triste realidade quando escrevo posts em meu blog defendendo as minhas ideias políticas, o que penso, defendo e também discordo radicalmente do que está errado, mas por questão de justiça, o que está correto, exalto. Nunca em minhas postagens decidi por uma posição neutra ou morna. Não existe neutralidade política em qualquer sociedade. No instante em que alguém afirma que é neutro já expressou sua preferência de incapaz, mas nunca imparcial, isto é, morna. Este individuo   caminha de acordo com os sopros dos ventos ou das suas conveniências confortáveis. É um sujeito morno, serve apenas como marionete reacionária, não abre boca para falar nem contra ou a favor para não desagradar nem o lado x e nem o lado y quer agradar a todos de maneira interesseira. Esta criatura tem caráter tipicamente morna, ou age fundamentada na hipocrisia.

A própria bíblia condena este tipo de ser. Pense no que diz este versículo: Apocalipse 3.16. Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca. Então o indivíduo que se comporta desta maneira morna é vomitado até por Cristo no julgamento final. Isto por que nunca tomou uma posição na vida de segui-lo ou rejeitá-lo totalmente. Contudo, permaneceu sempre em cima do muro. É repugnante viver em cima do muro! A vida regrada por decisões é sim ou não.

No campo laico e secular também as coisas funcionam assim ou você defende a uma ideologia ou é simplesmente a condena. Neutralidade, apartidarismo isso nunca existiu e nunca existirá! Principalmente agora em nossa sociedade moderna. Onde você se identifica, participa direta ou indiretamente num partido que luta pelos seus ideais ou da mesma forma, você defende um partido que trabalha contra seus direitos. A escolha é naturalmente de cada cidadão, de maneira livre e espontânea como afirma a nossa Constituição Federal em seus artigos 1º parágrafo IV e artigo 5º. Agora quem se define como apartidário está se definindo integralmente como morno e de maneira velada ajuda os partidos geralmente os mais reacionários atrapalharem o desenvolvimento da nação e de todos os direitos sociais dos cidadãos e cidadãs brasileiras. São estes que indiretamente ajudam na formação de blocos políticos conservadores responsáveis pela intransigência, o preconceito e o ódio em nosso país.


Portanto, ao se definir e defender como politicamente de direita ou de esquerda não dar o direito a ninguém de ofender, agredir verbalmente aos amigos nas redes sociais ou na vida real. Pelo contrário, todos tem o dever de defender seu partido político, mas também usar de bom seno   e sabedoria para procurar conviver civilizadamente na adversidade das ideologias. Nunca em nenhuma hipótese usar de qual quer pretexto para desrespeitar, covardemente os amigos nas redes sociais.


http://www.analiseagora.com/
A imagem faz um apelo para o fim da intolerância na web.

Esta atitude revela alguém que vive na ignorância, na cegueira do radicalismo, não tem conhecimento do contexto histórico e político. Todavia, a única defesa sem argumentação são as agressões.  Diante de uma discussão deve-se sempre pensar no ser humano independente de sua opção política partidária. A amizade sempre deverá se sobrepor a qualquer ideologia partidária, o respeito, a tolerância, está acima de tudo numa sociedade constituída de pessoas virtuais e reais, porém de múltiplas ideias divergentes.  Todos devem procurar eliminar qualquer forma de rancor, ofensas e agressões nas redes sociais. Procurar sempre se relacionar civilizadamente respeitando o pensar e o viver diferente das pessoas que postam suas ideias na web. Ninguém tem o direito de comentar maldosamente e se comentar argumente com fundamentos de ideias esclarecedoras sempre procurar divergir de maneira elegante e não ofensiva somente assim se pode debater qual quer tema sensível e polemico sem machucar e ofender ninguém. Se não tem esta capacidade seja pretendente silencie. Esta decisão demonstra sabedoria.

Está na hora de todos viverem na paz respeitando uns aos outros, pois somos uma nação continental composta de seres humanos, imperfeitos e divergentes. Já mais pensar em prejulgar, rotular, a quem pensar diferente como opositor, mas ter a humildade e o bom senso, para aprender a viver nas divergências das ideias sem radicalismos para se chegar uma possível convergência do pensar e respeitar as opções partidárias de todos os cidadãos.