É muito caro estudar no Brasil.

ANTES DO INICIO DAS AULAS VEM MAIS GASTOS EXTRAS ONERANDO AINDA MAIS A EDUCAÇÃO.

http://www.analiseagora.com/
O ensino superior no Brasil é caríssimo.

Após a maratona do Enem, SISU e vestibular é chegada a hora do acadêmico fazer a tão sonhada matricula no curso escolhido na faculdade, universidade, particular ou pública. É neste momento que muitos alunos levam um tremendo choque em relação aos preços da matricula, mensalidades, material didático, transportes, alimentação e hospedagem, como as famosas repúblicas estudantis. Aqueles que conseguiram entrar numa instituição de ensino superior através dos programas do governo recebem um choque menor. Pois, mesmo que consiga entrar num curso acadêmico por estes programas com uma bolsa integral ou parcial todos tem muitos itens a serem ajustados na questão de preços até chegar realmente o primeiro dia de aula inaugural do curso elegido.



Estudar no Brasil continua a ser onerosíssimo e muitas famílias não conseguem manter seus filhos no ensino superior. Muitos acadêmicos não conseguem seguir adiante por quer não tem como arcar com os custos da educação.  Aquele sonho de chegar ao fim do curso é abortado meses depois terem realizado a matrícula. Isso que em décadas passadas a situação era muitíssimo difícil para filhos de cidadãos trabalhadores estudarem no ensino superior. Geralmente os filhos dos ricos eram quem estudavam nas melhores universidades públicas e particulares. O mais revoltante que nas universidades federais estudavam gratuitamente em maioria absoluta a classe rica brasileira. Os filhos dos ricos sempre estudaram nas melhores escolas particulares, desde as séries iniciais até o ensino médio e além disso frequentavam os melhores cursinhos para reforçar no vestibular. Praticamente todos eles garantiam a vaga na universidade.
http://www.analiseagora.com/
O sistema da  precisa de investimentos robustos 

A realidade dos pobres sempre foi mais complexa, todos estudaram nas escolas públicas deficientes e consequentemente ficavam fora das universidades públicas. Esporadicamente alguns por milagre conseguiam passar no vestibular de uma instituição de ensino federal. São casos raríssimos e mesmo assim ainda é muito penoso concluir até o fim do curso e receber a diplomação das mãos do reitor. Porém nestes últimos doze anos a educação brasileira andou alguns passos e proporcionou muitos brasileiros estudarem em faculdades e universidades particulares e públicas. Tem muito a ser feito e a própria sociedade tem o dever de exigir do governo mais educação para todos.  Afinal de contas um país que não tem a educação do seu povo como prioridade, jamais será uma nação desenvolvida. Pode até ter bons índices de desenvolvimento econômicos, mas se tornará inócuo se a nação não for contemplada com educação. Dinheiro existe para ser investido pesado na pasta da educação, basta vontade política para fazer da parte do governo como um todo.


Todavia, por enquanto, estudar em nosso país continua a ser oneroso para todos os estudantes sejam eles das instituições particulares e públicas. A única solução para mudar esta realidade ruim em todo o sistema educacional brasileiro é priorizar a educação em geral.  Começando a valorizar os professores com uma remuneração digna, justa e proporcionar   formação contínua dos mestres. E, sobretudo priorizar a educação em todas as etapas, construir ambientes físicos adequados para que o professor possa desenvolver o melhor trabalho pedagógico em condições dignas em paz e segurança com os alunos.