Pular para o conteúdo principal

Os deuses mortais de toga praticam muitas injustiças, geram dores e tristezas aos humanos injustiçados.

A INJUSTIÇA PROMOVIDA PELA JUSTIÇA É INEXPLICÁVEL E FERE A ALMA HUMNA.


A justiça que era para fazer justiça é a primeira cometer injustiças

A tristeza de uma derrota é um sentimento muitíssimo dolorido que machuca, e sangra dolorosamente a alma. A vida parece se contrair nas profundezas do ente. É muito difícil exteriorizar uma dor da derrota injusta. Principalmente quando esta derrota é construída amplamente durante muitos anos na injustiça. Uma injustiça que foi embrionada, alimentada, crescida e sentenciada por uma justiça fundamentalista na frieza das letras da lei. Lei simplesmente criada por burocratas do poder legislativo e executado pela frieza e parcialidade do poder judiciário.     

Somente quem já foi injustiçado pela justiça sabe quanto dói. Os burocratas da lei são parciais e julga uma situação, uma causa simplesmente na radicalidade e o legalismo da lei que não expressa o contexto humano que envolve uma ação. A lei se sobrepõe ao homem que tem vida plena; vida repleta de sentimentos múltiplos. Para os senhores de toga isso não tem importância, o que tem importância são simplesmente as letras geladas e o mais dramático é quando há um julgamento onde fica óbvia a parcialidade. A justiça deixa de ser neutra, sega, mas abre um olho para aqueles que tenham mais poderes aquisitivos e influencias gerais. Há casos em que a justiça jaza um olho permanente cego para não ver o direito, a retidão de quem é pobre, mas não tem poder, nem influencias diante dos deuses mortais de toga.

É neste momento que os deuses mortais de toga infringem a justiça. Eles abusam do poder que lhe são concedidos para fazer justiça, mas não fazem e simplesmente     executam tremendas e gigantescas injustiças. Decidem causas fora dos seus padrões de conhecimentos, geralmente fundamentadas em laudos questionáveis e argumentos cabíveis de serem refutáveis por qual quer advogado.  Tão insofismável é a injustiça que alguns deuses mortais togados comentem que o universo mergulha na escuridão e se emudecem em dor, brotando lágrimas amargas e silenciosas. Esta dor e lágrimas passam despercebidas pelas outras pessoas e principalmente por aqueles que cometeram a injustiça.

http://www.analiseagora.com/
a balança da justiça é injusta. 
A deusa da justiça, certamente permanecerá envergonhada pelas horríveis injustiças que os deuses togados mortais determinam a alguém (réu) mal intencionado como se realmente estivessem aplicando uma sentença justa. Quando na verdade estão tão cegos através de influências externas, que imaginam mesmo estarem certos. Ainda que pratiquem as piores das injustiças dentro da literatura jurídica.

Portanto, deuses e semideuses mortais togados, haverá uma ocasião que todos eles serão julgados por um DEUS vivo e justo. Ele é a justiça em plenitude infalível de qualquer erro. Ele jugará estes homens togados que se acham deuses, mas são mortais iguais a todos que eles julgam os erros dos outros não togados. Ou um direito justo com sua justiça capenga, parcial, vendida, e fundamentada nas leis do direito que regem uma justiça ser séria justa e imparcial, porém na prática está muitíssimo longe de aplicarem em plenitude uma justa justiça a qualquer causa dos homens errantes ou daqueles que buscam seus direitos a serem respeitados, defendidos, reparados e cumpridos.




Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Indiferença sentimento negativo presente nas relações humanas.

A indiferença está presente na vida humana e   setores da sociedade. A indiferença um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimentonegativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos.
Podemos perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. No plano social há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos humanos reagirem indiferentemente frente os problemas alheios. No âmbito governamental o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente entre nação dominante …

Quando a ganância vem ofuscar a razão.

Quando a razão é ofuscada pela ganância do ter, o homem caminha para autodestruição do ser.A ganância um dos sentimentos inatos dos homens carregados de muitas perversidades próprias de sua natureza pecaminosa e insaciável para querer tudo que os sentidos percebem. Averiguada, desde o início da humanidade até os dias de hoje, tem causado muitas dores e sofrimentos ao ganancioso e a sociedade. Na atualidade surge com mais intensidade e métodos extremamente nefandos para conseguir os desejos materiais impossíveis, muito dinheiro e poder sem limites. O brilho das moedas recebidas de maneira fraudulenta vem ofuscar a razão deixando a entorpecida para qualquer tentativa de chamar a reflexão, a sanidade humana, fundamentada nos valores éticos e morais.