Pular para o conteúdo principal

O dólar e os impostos nas alturas são os ingredientes da crise econômica brasileira.

ALÉM DA GRANDE ALTA DO DÓLAR OS GOVERNOS ESTADUAIS E FEDERAIS, AUMENTAM OS IMPOSTOS CONTRIBUINDO PARA A CRISE ECONÔMICA NACIONAL.


http://www.analiseagora.com/
o nosso real está virando pó diante do dólar americano.

Não precisa ser economista para sentir o peso no bolso, da desvalorização do Real diante da moeda norte americano o dólar. Todos os dias é um susto real. Hoje dia 24/09/15, perante todos os esforços do Banco Central a cotação fechou em $ 3,99 após ter quebrado o recorde de alta de ontem 23/09/15 em $ 4,24. E a amanhã como será? Esta alta do dólar reflete diretamente na vida de todos os brasileiros. A qualidade de vida começa baixar em todos os sentidos, principia surgir o desemprego, aparece também em efeito cascata a inadimplência desenfreada. Como consequência uma péssima qualidade de vida, com consequências imagináveis e impactantes para todos os cidadãos brasileiros.  
As altas de preços estão em ritmo acelerado, basta ir ao supermercado comprar qualquer item de consumo alimentício ou higiene pessoal ou em qual quer loja do comércio em geral para notar quanto tudo está mais caro. Os economistas não vislumbra em curto prazo um quadro positivo da economia brasileira. Infelizmente se pintam um quadro totalmente negativo. Pois tudo aumenta de preços em nosso país. Além disso, tem outras formas de acelerar fortentemente a crise econômica nacional. Preste bem atenção como isso está ocorrendo! Cada Estado da Federação adota sua politica de arrocho salarial e ainda aplicam os famosos tarifaços que sugam ainda mais quem já recebe parcos salários. O exemplo clássico desta realidade foi o que fez o Governo do PMBD no RS que mandou seus projetos de leis para a assembleia legislativa e já foram aprovados pelos deputados. Aplicou alterações nas regras do ICMS que afeta toda a população gaúcha de maneira insuportável visando aumento da receita aumentando este imposto de âmbito geral.

O governo Federal cogita em ressuscitar a assombrosa CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira) o famoso imposto do cheque para tapar o déficit da administração federal. Este imposto é uma legitima sanguessuga contra o povo. Não importa se o cidadão é rico ou pobre não tem como ser isento. Todavia tem muitas e muitas formas de todos os governos sugarem a população legalmente e ninguém pode fazer absolutamente nada para impedir esta sangria. Agora o aumento do salário mínimo brasileiro é um vexame nacional. O pior não dar para suportar a fome arrecadatória dos governantes brasileiros.

O real brasileiro virou pó frentre o dólar

Portanto, a crise está aí e quem sofre é povo os governos de todas as esferas administrativas não conhecem crise econômica, não sabem o que é passar fome, não ter dinheiro para quitar as contas. Todos eles desde o vereador da cidade a até o chefe do poder executivo tem sua vida econômica estabilizada recebendo salários astronômicos para não fazer nada. Muitos deles não se contentam e cometem escandalosos crimes de corrupções, um mau-caratismo de todos os políticos para prejudicar de maneira criminosa o povo. Eles roubam o dinheiro da saúde, educação, habitação, e todos os setores sociais prejudicando as pessoas mais carentes deste Brasil.


E para tapar o rombo da corrupção os governos adotam suas politicas de massacre ao bolso da população aumentando de todas as formas os impostos, uma grande vergonha nacional. E neste ritmo avassalador o País perde créditos a nível internacional, consequentemente a moeda brasileira vira pó diante do dólar americano todos os dias. Cada dia é um susto que se transforma em realidade, agora quando isso vai ter um fim? Até quando vamos suportar tantos aumentos de impostos? Até quando os governos de todas as esferas administrativas vão parar de aumentar primeiro seus salários de maneira vergonhosa e somente depois vão debater as migalhas salarias para a população. Tem governador do Estado como o do RS que ainda tem a cara de pau de parcelar os ínfimos salários dos servidores em quatro vezes.