Pular para o conteúdo principal

Os servidores do RS terão seus salários parcelados em quatro vezes.

ATENÇÃO! FUNCIONÁRIOS DO ESTADO DO RS SE PREPAREM PARA FAZER EMPRESTIMOS CONSIGNADOS.


Os salários já são ífimos  e vão ser parcelados.

Os servidores do RS que já recebem salários ínfimos, somente podem esperar noticiais ruins. Vislumbra-se um quadro muitíssimo ameaçador para todos que trabalham no Estado do RS. Pois o Governador Sartori (PMDB)  confirmou, em entrevista coletiva nesta manhã de segunda feira (31) que o pagamento de agosto do funcionalismo público vai ser realmente parcelado em quatro vezes.
O calendário de pagamento será da seguinte forma: na segunda-feira (31) apenas vão ser pagos R$ 600,00. As demais parcelas deverão ser pagas nos dias 10, 15 e 22 de setembro. Uma greve de quatro dias já foi aprovada e começará nesta segunda-feira (31) para defender a integralidade do pagamento dos salários e também pressionar para que se retirem vários projetos de lei que estão para serem votados que vem somente a prejudicar ainda mais a vida dos trabalhadores  públicos deste Estado do RS.

Numa situação desta como ficarão as compras de alimentação mensal? E as fatura de água, luz, telefone, internet, empréstimos e todas as demais dividas que os servidores vêm controlando mês a mês e mesmo assim muitos vivem no vermelho pagando juros exorbitantes para os bancos e financeiras. A única alternativa é simplesmente partir para mais outro empréstimo consignado isso se possuir limite de saldo credor. Tudo isso, para comprar a comida e pagar as contas do mês. Também para não ter o nome incluído nos órgãos de proteção ao credito como o SPC, SERASA e tantos outros.
A equipe do governo do Estado não está nem um pouquinho preocupado com a caótica situação dos servidores. Primeiro o governador e seus secretários por natureza são ricos e ganham excelente salário para brincar de administrar um Estado tão rico e promissor como o RS. O funcionalismo que se vire para quitar seus débitos. Mesmo trabalhando de sol a sol para fazer movimentar a riqueza deste Estado da federação brasileira, não são remunerados integralmente, mas a conta gotas. Contudo, recebem é uma grande decepção. Ficar sem receber seus pífios salários e não poder fazer nada pode gerar uma grande revolta.

Quem tem margem de crédito a saída é fazer emprestimo consignnado  ou greve geral 

Portanto, a situação caótica está desenha para o funcionalismo público gaúcho. Restam agora duas opções fazer empréstimos consignados para comprar comida e não passar fome. Eliminar a possibilidade de não sujar o nome nos órgãos de proteção ao crédito. E a segunda alternativa seria uma greve geral de todo o funcionalismo por tempo intermediando até que o governo possa resolver está situação que afeta os servidores. E não permitir que afete também os planos de carreira. Agora greve de três dias simplesmente não resolve nada, este tipo de paralisação apenas demonstra fraqueza do funcionalismo diante do governo. Os sindicatos devem se unificar e juntos fazer uma greve forte, organizada e mostrar para este governo do PMDB que todos os trabalhadores trabalham para viver e não por passa tempo, ou trabalho voluntário todo tem filhos e dividas a serem quitadas nos dias programados e se não quitar será cobrada juros, correções monetárias e os nomes incluídos nos cadastros dos maus pagadores. Esta situação deve ser resolvida mais urgente possível e não perdurar para os próximos meses.