Pular para o conteúdo principal

O esplendor da marcha nupcial.

http://www.analiseagora.com/
A música no blog analiseagora destaca a Marcha Nupcial.
A marcha nupcial é esplendorosa como música clássica e vem sempre promover momentos triunfantes nos matrimônios de muitas gerações.
Todos sabem que a entrada da noiva é sem dúvida a chave glamorosa para todo o desdobramento do provir dos acontecimentos deste fato real, singular e marcante para a noiva. É o momento culminante e esplendoroso de uma cerimônia matrimonial. Aqui se aflora todas as emoções dos noivos e dos convidados. A curiosidade explode em cada pessoa presente para observar a chegada e o desfile triunfal da noiva sobre o tapete vermelho em direção ao altar. Todos os familiares, amigos e convidados esperam uma estrondosa e brilhante impressão positiva ou até mesmo negativa que a noiva pode causar por isso se explica o nervosismo geral do público. Esta emoção impactante onde todos os olhos e holofotes estão voltados para a personagem principal, a futura casada que está com nervosismo em estado de efervescência.  E pelo fato que todos querem notar os mínimos detalhes do vestido, maquiagem, penteados e o buquê que traz em suas mãos que tem uma simbologia de propagação do casamento.  Este alvoroço inicial não haveria sentido se não houvesse um tema musical especial para conduzir a nubente para o altar profundamente emocionado ao som da marcha nupcial de Felix Mendelssohn.

Se não houvesse a música para emocionar a entrada da noiva este início cerimonial não teria sentido, pareceria ou se igualaria a um cinema mudo.  O ritual do casamento ganhou emoção quando foi introduzida esta peça musical conhecida como marcha nupcial de Mendelssohn, graças ao bom gosto da Princesa Real inglesa; para seu matrimonio com o Príncipe da Prússia,  Frederico III no dia 25 de janeiro de 1858. Desde aquela época se espalhou pelo mundo inteiro, certamente ainda é a mais popular e mais executada também nos casamentos brasileiros principalmente de âmbito católico. Outras denominações religiosas começam a substituir por outras músicas ou hinos que trazem uma mensagem especifica de seus credos religiosos.

Geralmente tudo que temos e apreciamos em relação à música clássica tem uma história por trás dos bastidores que poucas pessoas sabem. Precisamente a marcha nupcial tem uma trajetória histórica interessante e desconhecida por uma grande parcela da população que a utilizam num momento muitíssimo especial da vida como o do casamento. Entretanto, pelo fato de não saberem a história real desta música composta por Félix Mendelssohn para a peça teatral do genial William Shakespeare, “Sonho de uma Noite de Verão”, em 1842. Muita gente faz uma confusão incrível e imaginam uma coisa, mas historicamente é outra totalmente diferente. 
Ela falta de conhecimento da história da música muitas pessoas confundem este belo musical até como sendo sacra. Simplesmente e somente pelo fato de ser executada em quase todas as cerimônias religiosas do casamento do mundo. Muitos fantasiam ser um clássico romântico; todavia, a própria peça em si mesma, pinta um quadro amoroso de forma cômica e trágica, além de trazer um panorama extremamente na ironia sobre o verdadeiro amor.  Quem já viu está maravilhosa peça de William Shakespeare onde “Lohengrin” uma ópera em que o noivo assassina cinco convidados do próprio matrimônio e, pouco depois, repudia a esposa, ela morre de depressão severa. Meditando no próprio som da peça, preste bem atenção que aparece no conjunto da obra que também é conhecida como suíte uma marcha de aspecto melancólico; que mostra muito claramente o quanto, William Shakespeare. Queria passar para o público alguns dos dramas humanos.  É uma marcha que traduz um sentimento mais de tristeza do que de alegria para uma ocasião da vida onde a alegria deve sobrepor a tristeza sobre todos os aspectos. Ainda bem que as pessoas conseguem subtrair desta marcha nupcial mais um clima festivo e romântico do que a tristeza que é a mensagem que o autor quer transmitir para o público que assiste um sonho de uma noite de verão seja em forma de teatro, musical, Ballet ou filme.  É o gênero Shakespeariano sendo traduzido em arte em diversos pontos de vista.  
   
http://www.analiseagora.com/
O violino acompanha a música clássica a Marcha Nupcial.
Portanto, neste espaço cultural a música no blog. Hoje o blog analiseagora tem a alegria de apresentar aos seus leitores, amigos e amigas, seguidores e seguidoras um pouco da história desta obra grandiosa de Félix Mendelssohn, muitíssima executada nos casamentos e que muitos de nós não conhecemos sua história, percebemos agora quanto é antiga, além de ter sido composta para outra finalidade para a peça teatral de Shakespeare, se popularizou nos laços matrimoniais de muita gente.  
O gênio da música clássica Feliz Mendelssohn o ilustre alguém anterior a nós se empenhou para pensar, escrever, compor a partitura para que hoje pudéssemos usar na maior comodidade principalmente no esplendido momento do casamento, inesquecível na vida de duas pessoas que se amam.  A marcha nupcial uma música marcante na hora da celebração do matrimônio. Parece que se numa ocasião marcante como este não ter a marcha nupcial a cerimonia ficou faltando algo.
Então vamos ouvir e apreciar esta obra clássica que vem se eternizando de geração para geração é a música arte fazendo sua função, escrevendo a própria história da humanidade. A música como arte não morre permanecendo sempre viva e conquistando muitos apreciadores por todos os cantos do Planeta terra. Nesta postagem através do YouTube, ouviremos e assistiremos dois vídeos: Marcha Nupcial de Feliz Mendelssohn  e o Ballet Sonho de uma noite de verão - Sala de Milão.




 Marcha Nupcial, F. Mendelssohn / YouTube



                                               

                                               

   Ballet Sonho de uma noite de verão - Scalla de Milão


 


Postagens mais visitadas deste blog

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Indiferença é este sentimento negativo presente nas relações humanas.

Este sentimento ruim, a indiferença está presente na vida e setores sociais. A indiferença é um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando é despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimento negativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos. Podem-se perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. 
No plano social, há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes, em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos homens reagirem indiferentemente frente aos problemas de outrem. No âmbito governamental, o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente ent…

A quinta sinfonia de Beethoven.

Beethoven e a quinta sinfonia.Beethoven compôs suas obras musicais eruditas na liberdade quebrando velhos paradigmas. O grande gênio da música clássica erudita Ludwig van Beethoven alemão nascido na cidade de Bonn em 1770 e faleceu em 1827 aos 56 em Viena. Um dos grandes compositores do estilo musical erudito, onde no conjunto de sua obra impera a liberdade, ele escrevia suas composições, suas obras quebrando velhos paradigmas da música clássica abrindo novos horizontes para a música erudita.