O filme eleitoral de 2014 está repleto de: denúncias, acusações e casuísmos.


AS ELEIÇÕES GERAIS DE 2014 TEM UM CENÁRIO DE UM FILME TRÁGICO E CÔMICO, NUMA ACIRRADA DISPUTA PELO OSCAR DO PODER.  

É interessante poder observar a distância o atual processo eleitoral brasileiro para se obtiver uma visão geral da conjura e contextualizar o momento politico em competição. Quem analisa de longe os fatos tem uma visão geral e independente da situação ideológica em disputar o poder. Tendo a oportunidade para ver detalhes interessantes e entender quão semelhante é esta corrida eleitoral a um roteiro de um filme trágico e cômico.
o filme das eleições 2014 está gravados nos palanques eleitorais do Brasil 

É interessante poder observar a distância o atual processo eleitoral brasileiro para se obtiver uma visão geral da conjura e contextualizar o momento politico em competição. Quem analisa de longe os fatos tem uma visão geral e independente da situação ideológica em disputar o poder. Tendo a oportunidade para ver detalhes interessantes e entender quão semelhante é esta corrida eleitoral a um roteiro de um filme trágico e cômico. O enredo naturalmente é trágico sobre todos os aspectos; os personagens da trama politica são caracterizados como: interesseiros, aventureiros pela insaciável fome do poder. Utilizam formulas de marketing poderoso, mais os jogos de interesses ocultos ao povo. Além de serem cômicos, muitos deles são dissimulados e inescrupulosos diante do povo e das leis que regram as eleições do Brasil.

O filme trágico e cômico já foi escrito agora cada personagem desde: os protagonistas, os coadjuvantes, os vilões, os meros figurantes e o próprio povo têm seus scripts nas mãos para decorar para o inicio das filmagens e exibições nos palanques eleitorais de todo o país do Oiapoque ao Chuí. Tudo ocorre sobre a direção da justiça e sua batuta da lei eleitoral brasileira. As principais tomadas de plano de fundo, cena a cena, quadro a quadro estão sendo filmadas sem perder um pormenor sequer. Tudo recheada de: denuncias casuísmos, CPMI, e acusações dos competidores em busca do poder. Eles constroem um cenário ideal para que a disputa fique mais eufórica e cômica.  Está construída a cidade cenográfica para que entre eles ocorram os grandes embates de acusações, defesas, promessas que gladiarão, até o dia das eleições.


Receberá o Oscar quem atuar melhor como ator e conseguir ser convincente em suas estratégias demagógicas que hipnotizam a maioria majoritária do povo. E em alto e bom som nas ruas todos ou uma maioria possam dizer: este é o cara, o ideal, o bom, ele merece receber o troféu do poder.  O ator vencedor ao receber o troféu do poder se encanta, mas como de praxe esquece a mesma população que o concedeu o Oscar do poder em pouco tempo de governabilidade. Neste ritmo o povo está estafado de promessas eleitoreiras recheadas de demagogias, que ao longo da administração são descumpridas. Por que não são verdadeiras e imediatamente caem no esquecimento e consequentemente o povo se sente: traído, enganado, frustrado para quem passou a procuração de plenos poderes para representá-los e não os representa, mas representa a si mesmo e seus próprios interesses.

Faltam ainda muitos dias para a estreia do filme eleitoral trágico e cômico. O diretor já decidiu um calendário especial que inclui vários rituais definidos em lei até o grande dia, o dia das eleições gerais. Agora o povo tem poder de escolher entre muitos atores que se apresentam em busca do poder. Todos votarão e escolherão seus atores prediletos, mas em pouco tempo cai à máscara do ator e mostra realmente quem ele é e a que veio fazer. Na democracia é assim quantas vezes fizemos uma escolha e nos decepcionamos imediatamente. E em poucas horas de apuração, muitos competidores já receberão o seu Oscar de melhor ator, pelo seu bom desempenho nos palcos eleitorais do Brasil. Este será presentado democraticamente com o poder que emanou do povo.
Outros terão o privilégio terem mais dias para pelear para ganhar o poder. Após a euforia da primeira sessão do filme trágico e cômico.  O povo irá discernir serenamente entre os melhores atores, selecionados na primeira votação.  Ocorreu à reprovação nenhum atingiu a maioria absoluta como exige a lei. Estes competidores reprovados ganharão mais alguns dias especiais para acirrar a concorrência de melhor ator e disputar quem vai levar o Oscar de melhor ator do filme eleitoral, que o dará o poder. Tudo isto por quer na primeira votação, não conseguiram convencer a população para se entregar o Oscar do poder nem para um e nem para outro. Ganharão mais uns dias que serão tediosos e acirramentos entre o povo e os atores. O povo na próxima seção terá uma missão espinhosa para decidir a quem entregar o Oscar do poder.


Portanto, é neste clímax eleitoreiro da realização das eleições democráticas e gerais no Brasil, que desde já, se iniciou uma onda de denuncias de corrupção interminável, entre os postulantes ao poder. São denuncias vergonhosas de corrupção de todas as espécies que estavam debaixo do tapete e estão chegando átona neste cenário do processo eleitoral brasileiro.  Havendo denuncias algo está errado e deve ser feita a averiguação dos fatos. É sinal que a maldita corrupção continua abocanhando as riquezas que todos nós produzimos. Esta riqueza é consumida por pessoas que tem a cara de pau de ser pretendente a um cargo eletivo e tem a petulância de querer ser representantes da nação nos poderes legislativo e executivo das esferas estaduais e federais.
Estes usufruem ilicitamente das riquezas que são públicas e não os pertencem. É para ser cômico mesmo, não sei se esbravejo, dou risada ou choro de vergonha. Estes nojentos através de suas manobras sujas roubam tudo o que pagamos em impostos pesados. Temos a maior carga tributária do mundo. Todos estes impostos que pagamos ao fisco são iguais à água de um rio que somente vai, mas não volta. Todos estes bilhões de reais a maioria vão a abastecer a vala torpe da corrupção do Brasil e absolutamente nada volta em benefícios sociais para a população carente.

O filme que muitos políticos protagonizam todos os cidadãos já sabe tem dois finais: um final dramático e outro belo. O fim dramático atinge a população em geral, e mais profundamente o povo mais carente do nosso país. O dinheiro que é desviado por alguns políticos corruptos resulta na falta de: educação, de saúde transportes, habitação de qualidade. Faltam também recursos para que todos os profissionais destas áreas sejam bem remunerados para trabalharem dignamente. O final belo deste filme trágico e cômico favorece os próprios mentores que são os políticos sem escrúpulos que envergonham os eleitores e desafiam a justiça eleitoral para enriquecerem desonestamente.   É o preço que pagamos para viver em um regime democrático que não é perfeito completamente, mas cheio de mazelas e vícios.  Todos os cidadãos têm o dever de corrigir a cada eleição. Mesmo diante de tudo isso a democracia é o melhor regime de governo que temos no mundo, viva a democracia do nosso país! Jamais em outro regime poderia escrever com responsabilidade o que penso para o nosso país e para o mudo saber, já vivemos uma época do silencio do medo está época nunca mais! Este filme das eleições deste ano necessariamente deve ser reescrito e aperfeiçoado a cada pleito democrático do Brasil, para que todos nós tenhamos paz e liberdade de expressão e equidade social.


Comentários