Existe uma cota de paciência para esperar por serviços que pagamos mensalmente.

povo fazendo protestos reivindicando direitos quando acaba a paciência 
Alguma vez na vida todos nós já passamos por situações que necessariamente exigem muita paciência para esperar e esperar sem previsão de tempo para ser atendido. Ninguém gosta de esperar por alguma coisa: eventos longos , esperar pessoas, demora  no Check-in de embarques para viajar, seja de avião, ônibus, trem ou navio, etc. O mais irritante é quando somos obrigados a permanecer em filas gigantes que não andam e muitas vezes ao chegarmos a ser atendidos levamos um susto, ou decepção por que os nossos objetivos foram frustrados, não se resolveu absolutamente nada. O atendente diz a sua situação somente pode ser resolvida na outra fila que é três vezes maior do que estava antes.Neste momento qualquer cidadão poderá perder a paciência ou se conter para resolver seus problemas e não causar mais outros problemas que poderá prejudicar terrivelmente sua vida diante da lei. Então, é   prudente  usar  o exercício  da paciência  na sensatez e sabedoria para evitar dores de cabeça futuras.     

Esperar é esta virtude ou exercício de paciência, é um momento intenso que se entrelaçam: a pressa, mais angústia, gerando o desespero. Quando termina a esperança entra em cena o desalento, então se transformam em revoltas particulares ou coletivas. Geralmente estas situações acontecem, bem como, quando as promessas das empresas prestadoras de serviços essenciais públicos para a população não se cumpre no tempo prometido. Entra outro ingrediente explosivo que são a soma irresponsáveis das autoridades que cuidam da população em situações de sinistros. Entretanto, simplesmente não resolvem as coisas urgentes de primeiras necessidades, em situações de calamidades coletivas e públicas, e não são desempenhadas satisfatoriamente. E são conduzidas como total indiferença as circunstâncias dos sofrimentos do povo. 
   

http://www.analiseagora..com/
Poste que era para levar luz as casas não funciona.
Foi realmente este grande teste de resistência que a população do vale dos sinos experimentou dolorosamente após o temporal que causou estragos e por milagre; apenas somente houve danos materiais e graças a Deus nenhuma vitima, houve alguns feridos. Mas danos psicológicos com certeza todos passaram. Foi uma verdadeira tortura espera por água e luz e serviços de comunicação. O mais complicado desta confusão meteorológica causada por um vento na velocidade média de 150 km/h em apenas 8 minutos. Foi o suficiente para criar um cenário de guerra. A população enfrentando uma temperatura acima dos 40ºC sem: água e luz, elementos imprescindíveis para a população viver em momentos de calamidades.  Uma situação realmente de testar a resistência da paciência em esperar das pessoas. Esperar por coisas que não são supérfluas, mas extremamente básicas e fundamentais para viver.  As horas, os dias foram passando. E completamente repletos de razão, a paciência de todos começaram se esgotar por esperar por algo essencial a vida que não vem. E consequentemente entram em cena os protestos que foram surgindo naturalmente. Para que as coisas começassem a aparecer lentamente.

Protestos de ruas, barricadas, fogueiras, tudo para chamar a atenção dos responsáveis em tomarem providencias urgentes. Se as pessoas não se manifestassem energicamente nada aconteceria de concreto e o sofrimento do povo poderia continuar por tempo indeterminado. Tem mesmo que protestar gritar por água e luz, ninguém merece viver sem estes elementos básicos. Não estamos querendo luxo, apenas água e luz para sobreviver. Em meio a este episódio dramático ficou evidente que a privatização das companhias de energia elétrica trouxe poucos benefícios para a população. As tarifas aumentaram abusivamente, lucraram como nunca. As concessionárias quase nada investiram para se prevenirem em situações de sinistros naturais de extrema severidade. Ficou evidente esta realidade neste episódio o vexame que passou a concessionaria para resolver os estragos do temporal.  


Pelo tempo que a AES-SUL se instalou como prestadora de energia elétrica e pelos seus faturamentos colossais. Contudo, mostrou-se despreparada em função dos ínfimos investimentos em prevenções e melhorias que deveriam ter sido mínimos evitaria o vexame de não conseguirem resolver em pouco tempo as situações de emergências das pessoas atingidas.
Esta concessionária dever ter aprendido a lição: Esta atuando na região para lucrar; é claro um direito sim. Todavia, é imperioso separar uma quantia substanciosa para prevenção dos fenômenos naturais imprevisíveis. Este não foi o primeiro e nem será o último; certamente a natureza reserva surpresas dramáticas que nem os institutos de meteorologia podem prever cem por cento.


Portanto, tudo tem um limite para os humanos e quando esgota sua cota de esperar por soluções dos serviços essências para viver nascem naturalmente os conflitos. Os serviços que pagamos muito caro mensalmente e mesmo assim, não são restabelecidos, à situação toma outros desdobramentos. Pois, também permanece difícil de imaginar seus estragos. Então esta concessionária de energia trate urgentemente de investir pesadamente em melhorias práticas para amenizar as dores de um próximo temporal. Começando pela substituição dos postes poderes de madeira e colocar em toda a região postes de concreto. Evitar até destruir o que sobrou das florestas não cortando árvores para fazer postes de durabilidade reduzida pela ação do tempo a natureza agradece.


Começando pela substituição dos postes poderes de madeira e colocar em toda a região postes de concreto. Evitar até destruir o que sobrou das florestas não cortando árvores para fazer postes de durabilidade reduzida pela ação do tempo a natureza agradece.
postes podres de madeira caídos foto Metsul
 

Outra solução seria já ir pensando em redes de transmissão de energia totalmente subterrâneas, é caro, e leva tempo? Ora! Pagamos uma tarifa caríssima; com certeza é muito lucrativa para esta concessionária. Não sabemos, mas deve sobrar um montante o suficiente para se retirar uma percentagem para investir em linhas de transmissão elétrica subterrâneas. Evidentemente que leva muito tempo. Contudo, deve-se começar urgentemente pensar em construir um planejamento técnico para viabilizar esta possibilidade. Certamente poderá evitaria grandes transtornos para a população. Além de embelezar a estética paisagista das nossas cidades. Estamos costumados a esperar e esperar, e por mais este benefícios vai ser um teste de paciência. Entretanto, vai ser útil para todos em longo prazo. Logo: vale a pena esperar e cobrar sem cessar da concessionaria, dos órgãos reguladores e principalmente das autoridades politicas que tem uma ação mais direta aos controladores desta concessionária de energia; estes podem cobrar com mais veemência esta obra de grande porte do que os simples consumidores. Isto não significa simplesmente deixar que nossos representes nos legislativos municipais, estaduais e federais possam agir sozinhos a pressão popular é fundamental e decisiva para fazer as coisas acontecerem. Continuando no comodismo certamente estamos fadados ao exercício da paciência em esperar pela boa vontade desta concessionária que não existe para resolver os problemas dos usuários.