Pular para o conteúdo principal

A educação do Brasil entra em greve nacional

 GREVE NACIONAL DA EDUCAÇÃO DURANTE TRÊS DIAS.

O magistério gaúcho reunido em assembleia geral no último dia 14/03 decidiu soberanamente em fazer três dias de greve em todas as escolas estaduais do RS. São os dias 17,18 e 19 de março de 2014.    A Assembleia seguiu a orientação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) para fazer uma paralisação a nível nacional.
Greve nacional da educação.
  
O magistério gaúcho reunido em assembleia geral no último dia 14/03 decidiu soberanamente em fazer três dias de greve em todas as escolas estaduais do RS. São os dias 17,18 e 19 de março de 2014.  
A Assembleia seguiu a orientação da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) para fazer uma paralisação a nível nacional. As reivindicações são:


1 – Cumprimento do piso como vencimento básico da carreira que hoje deveria ser de RS 1.697,00.
2 - Criação do piso para funcionários de escola.
3 - Defesa dos planos de carreira do magistério e dos funcionários de escola.
4 - Manutenção do índice de reajuste do piso de acordo com o custo aluno.
5 - Aplicação de 10% do PIB na educação pública já.
6 - Contra o PNE do governo Dilma.
7- A categoria também reivindica a transformação do vale-refeição em auxílio alimentação e a nomeação imediata dos professores aprovados no concurso realizado no ano passado. (fonte: Cpers/sindicato).

assembléia geral 14/03/2014 -  foto de pedro revellion.

Portanto, meus caros colegas estes três dias não é para ir à escola para trabalhar em sala de aula. Estes três dias são destinados à greve com força total, para pressionar o governo a cumprir as reivindicações da categoria. Todos na rua para acompanhar as mobilizações organizadas pelo Cpers/sindicato a nossa entidade legal e devemos apoiar todos os atos públicos, caminhada visita as escolas e chamar os colegas para este momento de pressão, discussão e reflexão sobre a conjuntura que está aí. Esta situação não pode continuar e somente ocorrerão mudanças se todos pararem e participar ativamente das atividades de mobilização proposta pelo sindicato.



Comentários