Pular para o conteúdo principal

A internet está criando uma cultura do silencio entre as famílias.


http://www.analiseagora.com/
A tecnologia do wi fi conecta ao mundo e desconexa as relações familiares.  
As relações familiares estão sendo substituídas por um novo comportamento estranho e perigoso: o silêncio imposto pela internet. Quão intensamente foi adaptação por um longo período de abstinência sem internet. Não por vontade própria mas, por imposição dos problemas técnicos não resolvidos por incompetência da concessionária, que monopoliza os serviços de telefonia e internet fixa em nosso país.  Diante da longa espera naturalmente surgiram algumas características comportamentais próprias da eventualidade e contemporaneidade: ansiedade, irritabilidade, discussões entre concessionária, desconfortos e impaciência, por viver nos primeiros dias desconectado do mundo virtual. Tudo resultado da incapacidade desta concessionária em não restabelecer os serviços de conexões de telefone e internet. Uma necessidade gerada pela tecnologia que fisgou quase todos os humanos e quando permanecem fora do ciclo virtual parece que a vida não tem mais graça. Uma legitima necessidade leviana, pois fora desta teia virtual tem outros valores fundamentais sendo esquecidos e outras relações especiais destruídas despercebidamente.


Por outro lado, foi uma experiência importante, voltei a introspeção e notei quanto às relações familiares estão sendo substituídas por uma nova cultura estranha, repleta de comportamentos perigosos tais como: o silencio nos lares, a ausência das pessoas nos momentos dos convívios familiares e festivos; o egoísmo aumentando, a alegria desparecendo, mas, crescendo o emudecer dos componentes   familiares; determinado pelos atrativos das redes sociais. Que está se  ampliando em alta velocidade, diariamente e sem limites. Pois  são assustadoras, poucas pessoas percebem esta nova cultura digital detonadora de laços familiares e amigos reais.    

A única alternativa foi pensar e escrever sobre muitos assuntos e inclusive a própria internet. Esta temporada sobreveio um ponto positivo: pensar também sobre esta própria invenção que jogou quase todos os humanos em uma interminável teia de conectividade virtual. Nesta nova modalidade de relações de pessoas estranhas e muitas delas perigosas, que inicialmente apresentam como se fossem boazinhas, cuidado! Hoje em dia, poucos humanos, põem seus perfis verdadeiros, na ilimitada teia virtual de relações humanas. Há muitos perfis falsos os conhecidos “fakes”.  Muitas pessoas movidas pela curiosidade terminam entrando nesta grande teia de relações humanas virtuais. Acabam gostando e gerando uma nova teia e assim sucessivamente. Porém, quando há algum problema técnico que não pode se conectar a teia parece que vive fora da realidade e desatualizado. Não conseguindo se desvencilhar desta nova forma de relacionamento humano da atualidade.

A partir deste mote as relações humanas familiares, a reflexão direciona para as relações virtuais que é um tema amplo e merece uma profunda reflexão principalmente; nos estragos que causa no âmbito familiar. Uma realidade enraizada em todos os lares é uma nova maneira de se relacionar, comunicar, etc.. Muitas amizades são saudáveis, mas, há aquelas que são perigosas formas de amizades que podem gerar no meio familiar, grandes transtornos se não houver precauções ao entrar nesta grande teia virtual. Este momento que passei desconectado foi até positivo para pensar nesta nova forma de relações humanas e em especial familiar que está se solidificando a cada segundo nos lares. As famílias estão emudecendo, ninguém tem mais tempo para o dialogo.
Está se vinculando uma cultura comportamental perigosa nos lares brasileiros e mundiais: a falta de diálogo, o isolamento, frieza nas relações familiares. Os membros familiares estão se silenciando ninguém conversa, ou quando há alguma tentativa há interferência externa, corta a iniciativa e termina em brigas.

Este novo comportamento na sociedade contemporânea foi originado após o advento da internet que está plugando as famílias nas redes sociais, muitas delas sem limites. Em busca de novas relações estranhas, há ocorrências de estranhos perigosos que mantém diálogos e amizades intensamente ente pessoas da família, principalmente menores, em que os pais infelizmente se descuidam e permanecem sem conhecerem. Geralmente este tipo de aproximação leva a casos com finais: aborrecedores e desastrosos e trágicos.

Quando ocorreu este forte vendaval em nossa região do vale dos sinos-RS, no último dia 31/01/14, fazendo muitos estragos e por longos dias sofridos deixando as famílias sem: luz, água e também internet, um fato me chamou a atenção; mesmo no sofrimento de um calor acima dos 40ºC
formação de tornado no RS foto da Metsul 
   

Preste bem atenção se hoje existe aquele dialogo caloroso e familiar entre a grande maioria dos lares brasileiros e mundiais!  Atualmente todos os membros de uma família, geralmente têm em suas mãos a um ou mais dispositivos ligados e conectados , quase interruptamente na web,  aos seus amigos das redes sociais ou fazendo negócios e trabalhos on-line. Enquanto isso, as saudáveis relações familiares tendem a caminhar para degradação a passos largos.  As brincadeiras, os abraços, as conversas, as orações; estão sendo substituídos pelos dispositivos que conectam e criam um novo e assustador jeito de relações familiares: egoísta e silencioso. Os responsáveis e provedores familiares perdem o controle e nem sabe com que seus filhos menores estão se comunicando! Muita atenção pais verifiquem sempre as amizades dos seus filhos. Eles são os vossos tesouros e merecem todos os cuidados e atenção especial.

Quando ocorreu este forte vendaval em nossa região do vale dos sinos-RS, no último dia 31/01/14, fazendo muitos estragos e por longos dias sofridos deixando as famílias sem: luz, água e também internet, um fato me chamou a atenção; mesmo no sofrimento de um calor acima dos 40ºC. Sobre a luz de vela ou candeeiros, as famílias se reuniram em volta a luz de vela para conversar, se ajudarem mutuamente e relembrar fatos, falar sobre o vendaval e a fata de luz e água, contar piadas e darem boas e longas risadas.

Andei pelo bairro observando os técnicos da concessionária e distribuidora de energia elétrica; trabalhando para restabelecer a luz. E no breu da noite, observei de longe muitas famílias, nas varandas ao redor da luz de velas e candeeiros; relatando a velocidade dos ventos e seus os estragos, por toda a parte. Outros, conversando, se ajudando, rindo, se abraçando em uma descontração total.  Uns chamando pelo nome de seus familiares, e amigos. Muitos vizinhos que antes balbuciavam meras palavras de saudações no cotidiano, nesta ocasião estavam juntos para compartilharem os mesmos sofrimentos e por em prática gestos de solidariedade. Coisas raras nos tempos de hoje. Muito difícil de acontecer quando se tem luz e os aparelhos plugados na internet, tendo o mundo nas mãos, diante das telas de todos os tamanhos.  Mas, acabando com as relações familiares.

Devemos ter muito cuidado para não entrar no jogo ilusório do mundo virtual. A nossa família em primeiro lugar, não podemos ser escravos da internet, devemos aprender a usar esta ferramenta a nosso favor e não contra a nós. Devemos limitar o nosso tempo para navegar, e tirar o tempo maior necessário para a família. A família é o que temos de mais sublime e importante em nossa vida. Dependo do tipo de convivência  familiar seja equilibrada ou desequilibrada terão reflexos futuros para a sociedade.

Portanto, a própria natureza em sua sabedoria pedagógica e disciplinadora nos ensinam a redescobrir os valores fundamentais; para reestruturar os laços familiares e de amizades rompidos ou mergulhados na indiferença. Utilizando metodologias às vezes cruéis, e dolorosas que nos estimula e nos obriga a reflexão, voltando aos tempos primitivos. Usando a luz de vela ou candeeiro para proporcionar rencontros familiares e reatar os laços amorosos que estão sendo sucumbidos através dos poderes da internet.  Em poucas décadas de existência e interferência da web nos lares brasileiros e mundiais. Já tem provocado ruínas imagináveis nas relações familiares com poderes superiores aos dos maiores furacões já existentes no Planeta Terra.

Atenção! Cuide bem do que você tem de mais valioso em sua vida, a sua família. Feche a porta e não permita que o vendaval chamado internet: destrua a quem os amam e zela por você; afeto incondicional, certamente você estará seguro e feliz. Não troque a internet pela sua família, sua família é superior a qualquer ilusão virtual. Use as redes sociais na prudência, e, sobretudo controle seu tempo precioso para outras coisas como ler um bom livro, praticar esportes e dar atenção sem limites a quem os prover e os amam em qualquer circunstancias, a sua família!