A intransigência do governo reforça a continuidade da greve dos professores

A GREVE DOS TRABALHADORES EM EDUCAÇÃO DO RS CONTINUA


Diante da intransigência da parte do governo em negociar os principais pontos da pauta de reivindicações; com os representantes dos professores e os funcionários de escolas. Porém, a greve na educação do RS, continuará firme e sem data para terminar.
Professores aprovam greve em assembléia geral
Diante da intransigência da parte do governo em negociar os principais pontos da pauta de reivindicações; com os representantes dos professores e os funcionários de escolas. Porém, a greve na educação do RS, continuará firme e sem data para terminar.

Não adianta reclamar dos baixos salários, das péssimas condições de trabalho e do governo; que não cumpre com nada, na sala dos professores. Todos devem parar de trabalhar e ir discutir estas questões junto aos colegas que estão em greve. Vem professor e funcionário para a greve!  Não se intimidem com as ameaças do governo e os boatos da grande imprensa. Você é responsável pelo sucesso ou fracasso da greve.


A tendência é de adesão maior da categoria e a radicalização do movimento para os próximos dias forçando uma negociação direta com o Governador como querem agora o comando de greve e a direção geral do Cpers/sindicato.
Confira as reivindicações dos professores:

1. Pagamento do piso salarial para professores, hoje com valor de R$ 1.567,00 para uma jornada de 40 horas semanais.
2. Criação de um piso salarial (com o mesmo valor do piso dos professores) para os funcionários e funcionárias de escola.
3. Regularização das promoções.
4. Suspensão da reforma do ensino médio.

Este impasse entre governo e os professores poderia ter chegado ao um acordo tranquilo na última reunião (dia 06/09/2013) do comando de greve e os representantes do executivo. Contudo, imperou à má vontade do governo em atender as principais reivindicações dos trabalhadores em educação do RS. O governo esta querendo terminar a greve usando a tática do: desgaste e do cansaço e colocando na mesa de negociações a intolerância, arrogância em vez da tolerância e disposição para negociação. Esta atitude do governo com certeza aumentará entre os professores a união e a força da categoria para seguir plena disposição para manter a greve até o governo entender que os professores não estão brincando de fazer greve. Pelo contrário estão numa luta séria para exigir que o governo faça a sua parte cumprindo o que a lei federal do piso do magistério determina e o governo nunca cumpriu. E todas as outras reivindicações dos trabalhadores em educação deste Estado da federação brasileira.
 Esta atitude do governo com certeza aumentará entre os professores a união e a força da categoria para seguir plena disposição para manter a greve até o governo entender que os professores não estão brincando de fazer greve. Pelo contrário estão numa luta séria para exigir que o governo faça a sua parte cumprindo o que a lei federal do piso do magistério determina e o governo nunca cumpriu. E todas as outras reivindicações dos trabalhadores em educação deste Estado da federação brasileira.
professores em greve em Porto Alegre-rs

Logo a pós a audiência que resultou em nada o comando de greve e a direção do Cpers/sindicato se reuniu para discutir a situação e organizar os próximos passos da greve da categoria. Esta reunião foi bastante longa e deliberam uma pauta de lutas a ser realizados em todos os 42 núcleos do Cpers/sindicato; para pressionar o governo negociar seriamente com os professores.
Veja o que o Comando Geral de Greve deliberou:

1- Não aceitar o fechamento das negociações.
2- Exigir que o Governo Tarso reabra o processo de negociação.
3- Desencadear, em todo o Estado, a campanha: “Fora Jose Clovis”.
4- Fortalecer as ações da greve, incluindo pressionar, diretamente, o próprio Governador.
5- Participar das atividades de protesto que ocorrerão por ocasião do dia 7 de Setembro, dando visibilidade para a greve.
6- Na segunda-feira e terça-feira = retomar o debate da necessidade de manter o movimento para pressionar por abertura de negociação.
7-Nova reunião do Comando Geral de Greve acontecerá no dia 9 de setembro, segunda-feira.


Portanto, a greve continua e sem data para terminar, mas se percebe que nos últimos dias uma grande indignação está contagiando os professores. E diante das duras respostas do governo aos trabalhadores em educação. Isto só tem feito aumentar o número de escolas que estão parando 100% e outras parcialmente.
A grande imprensa e o governo fazem questão de divulgarem números absurdos que não condizem com a realidade sobre a baixa adesão dos professores em greve, na clara intenção de desestimular que mais professores e funcionários de escola deixem de participar da greve.
 Infelizmente o governo aposta nesta tática baixa e muitos professores segue o pensamento do governo e da grande imprensa.
professores são agredidos pela força policial hoje dia 09/09/2013 em frente a casa do governador Tarso Genro .Enquanto exigiam negociações do piso salarial.
professores agredidos pela força policial do governo do RS.

Todos os dias o Cpers/sindicato atualiza os números da greve e publica nas redes sociais e percebe se a diferença dos números do governo e do sindicato. Além disso, correm as ameaças do corte do ponto e pagamentos dos dias parados e outras intimidações que gera medo entre muitos professores e funcionários de escola.
As atividades do comando de greve começam a esclarecer aos professores dessas ameaças quem são comuns em momentos de conflito entre categoria e governo e chamar a todos a pararem e entrar na greve até a vitória.


                            VÍDEO SOBRE A GREVE DO MAGISTÉRIO RS- YOUTUBE 

Comentários