Pular para o conteúdo principal

Consumidores brasileiros ingerem impostos.


O PESO DOS IMPOSTOS PARA OS CONTRIBUINTES DO BRASIL.

Este artigo analisa a carga dos impostos que pagamos no Brasil. Mas a bem da verdade nós ingerimos impostos em todos os produtos que estão na mesa e não são especificados em suas embalagens para os consumidores notarem quanto paga de imposto em um mero produto, e quanto pagaria sem os impostos invisíveis. Por menor que seja um produto que compramos nos supermercados, todos eles têm uma salgada carga tributária, desde a matéria prima ao consumo e nada, é informado ao consumidor. Esta situação ocorre em bens perecíveis e de necessidades básicas para o cidadão. Quando se trata em bens duráveis a situação toma contornos insustentáveis.
A infinidade dos impostos brasileiros
No Brasil as pessoas pela ausência de informações, pensam ingenuamente, que só existem os impostos fixos vistos a olho nu, que devem serem pagos ao governo a cada ano. Exemplo: IPTU, IPVA, IR, DPVAT, SEGUROS, IOF, ICMS, ISSQN, IPI, e tantos outros, etc.  Além destes, existem outros impostos que atuam na cadeia produtiva de forma invisível. Em cada produto ou serviço que os consumidores adquirem, não se sabe ao certo da quantia exata da existência de muitos outros impostos, que funcionam como legítimos parasitas fiscais no dinheiro do cidadão consumidor. Eles elevam o preço final dos produtos, bens e serviços. Simplesmente não são informados. Atuam como se fosse alguma praga de cupins tributários, que corroem sem parar o dinheiro do trabalhador assalariado deste país.  

Mas a bem da verdade nós ingerimos impostos em todos os produtos que estão na mesa. Porém, não são especificados em suas embalagens para os consumidores notarem quanto se paga de impostos invisíveis em um mero produto alimentício, bens e serviços adquiridos.   Por menor que seja um produto que se compre nos supermercados, todos eles têm uma salgada carga tributária, desde a matéria prima ao consumidor fina. Nada é informado ao consumidor claramente, mesmo existindo a lei para obrigar a informação dos impostos embutidos em tudo que se comprar ou se vender. Esta situação ocorre em bens perecíveis e de necessidades básicas para o cidadão. Quando se trata em bens duráveis a situação toma contornos insustentáveis.

A injustiça maior acontece na cobrança de impostos das grandes fortunas. Aplica-se uma taxa irrisória desproporcional ao tamanho das fortunas. Neste campo acontecem os maiores crimes contra o fisco brasileiro. O índice de sonegação de impostos, evasão de divisas, e lavagem de dinheiro, e contas em paraísos fiscais, são constantes em diversos países do mundo.  
O mais irritante é que os nossos parlamentares e legisladores se tornam cegos e mudos diante desta realidade de injustiça tributária em nosso país. Quem tem menos patrimônio, são obrigados a pagar mais impostos do que aqueles detentores de grandes riquezas.  Todos os parlamentares representantes do cidadão fazem “ouvidos de mercador” diante do sofrimento do povo e nunca pensam em criar leis equitativas, que venham libertar a população dos grilhões da maior carga tributária do mundo.

Por tanto, vivemos em um grande sufoco para sustentar a arrecadação bilionária do governo. As majoritárias populações dos trabalhadores do Brasil fazem um esforço monumental para quitarem as dívidas com os órgãos arrecadadores dos tributos deste país. No entanto, pouco se têm de retorno nas áreas mais vulneráveis e carentes. Estas áreas necessitam urgente recursos para as comunidades terem uma qualidade de vida merecida. Setores tais como: educação, saúde, segurança, transportes, saneamento básico etc.


Infelizmente o que nos entristece e nos revolta é saber que em vez de investirem estas arrecadações em políticas sociais que venham melhorar as condições de vida da população. Os arrecadadores somem com os recursos do povo. Uma incalculável parcela de todos os tributos públicos é desviada para abastecer vergonhosa a putrefação da ostentação corrupta deste país. Enquanto isto tem muita gente amontoada nos corredores dos hospitais à espera de uma consulta médica. Infelizmente muitos chegam a falecer antes de ser atendidos por um médico. Temos uma educação de péssima qualidade, escolas caindo aos pedaços e professores ganhando um salário de fome. Temos um trânsito violento, aniquila vidas de milhares de brasileiros por ano. 



Nos Barracos da Cidade - Gilberto Gil.


A violência que se alastra desenfreadamente em todo o país. Nunca se pensam em planejamentos para socorrer pessoas vítimas das catástrofes naturais, quem ocorrem em data e locais exatos. Temos exemplos repetitivos: a seca dos Estados do Nordeste e as tempestades severas no Sul e Sudeste.  O que a corrupção leva poderia resolver muitos problemas do nosso povo. Está na hora de mudar esta realidade de ignomínia e todos começarem a fazer as coisas certas, justas e honestas. O Estado deve ter o controle austero da arrecadação pública e zelosamente tem o dever de aplicar a serviço da sociedade, e não permitir que meia dúzia tenha oportunistas venham a corromper as riquezas deste país produzidas por todos os cidadãos. Está na hora de ingerir mais alimentação saudável, ter bens e serviços   com o mínimo de imposto.

Postagens mais visitadas deste blog

Vender cosméticos é excelente opção para derrotar a crise econômica pessoal e familiar.

Alternativas para derrotar a crise econômica.  Nos momentos de crise econômica não se pode permanecer parado. A venda direta de cosméticos ao consumidor é uma ótima opção de renda e ganho rápido. Não adianta permanecer parado em situações de crise econômica que afetam diretamente o núcleo familiar e pessoal, esperando as coisas acontecerem sem partir para uma incisiva ação. Esta atitude não resolverá em absolutamente nada. Pelo contrário provocará desanimo, ansiedade e muitas doenças imagináveis que impedirá de fazer qualquer coisa. Neste momento são necessárias atitudes ousadas, criativas, sobretudo muito esforço visando aumentar a renda mensal.
Melhor do que pensar em fazer empréstimos neste momento para quitar dívidas, somente irá piorar a situação para todos. Ao mesmo tempo entrar numa bola de neve monetária sem fim, para somente enriquecer os bancos e financeiras.

O abc da mãe e suas qualidades.

As mães e suas qualidades no seu abc. As mães quantas qualidades elas possuem, desenvolvem e as colocam em prática, diariamente, vinte e quatro horas; durante uma vida inteira em prol dos seus filhos. Entretanto, dificilmente os filhos percebem e reconhece está árdua luta das mães e são gratos a elas.  Observem neste singelo texto, quanto as progenitoras fazem para seus filhos.
Estes dons surgem desde quando ela engravida pela primeira vez dão à luz seus filhos (as). Elas no cotidiano colocam em prática através de sua consciência maternal todas suas qualidades de mães para a proteção, provisão e educação dos filhos. O mais estranho e ingrato é que poucos filhos reconhecem a importância da sua mãe enquanto estão juntos. Muitos somente irão reconhecer e se lamentarem a sua real importância quando elas morrem.

Indiferença um sentimento negativo presente nas relações humanas.

A indiferença presente nos diversos setores da vida.A indiferença um dos sentimentos humanos extremamente impresumível inerte em sua índole humana. Todavia, quando despertada provoca indignação à pessoa alvejada. Este sentimentonegativo pode estar infiltrado em inúmeras circunstancias da vida. O mais preocupante é a insensibilidade neste mundo individualista; mesmo diante de muitas amizades virtuais vazias e geladas de sentimentos.
Podemos perceber nas relações familiares em gerais e entre amigos. No plano social há muitas situações onde as pessoas reagem plenamente indiferentes em relação aos semelhantes nas situações de fragilidade e incapacidade. São característicos dos humanos reagirem indiferentemente frente os problemas alheios. No âmbito governamental o sentimento de indiferença é visível e constante por parte das autoridades que se comportam em total indiferença frente aos problemas sociais do povo. Também este sentimento é muito presente entre nação dominante em relação à naç…